De triciclo pelo Nordeste

Luiz Alves dos Santos

Eu e a Mãe De Triciclo pelo Nordeste. Tudo essa história começou com a programação, companheiros, rota, paradas, combustível, pousada e por aí vai...

No dia 5, a minha programação era para ir ao evento do Motofest, em Prado, na Bahia, e quando soube que mais pessoas iriam foi só combinar que então juntamente com os integrantes do Poca Sombra de Triciclo, Maradona, Henio, Betão, Navarro e 1 de Moto Carlão, mais um casal Lourenzo e Ilza do Amotinados, este de Falcon.

Partimos da Rodovia Fernão Dias às 6h da manhã. Bem a estrada esta muito boa em todo o seu trajeto, mas como imprevistos acontecem o Triciclo do Navarro deu falta de combustível porque em uma parada o frentista deixou ar no tanque então acusava cheio mas era de só ar, então começou os reboques que foram feitos pelo Maradona com outro Triciclo, enquanto dávamos risada porque era o triciclo mais bem acabado da turma

Muito bem. Sanado o problema seguimos até BH onde desta vez foi o Triciclo do Bétão que quebrou o escapamento então foi amarrado na garupa do Triciclo do Maradona até Prado. Seguimos novamente desta vez paramos para dormir em Cel. Fabriciano-MG que por sinal hotel bem acolhedor, e na noitada sobrou muita descontração e sem contar que os Triciclos eram a atração por lá.

No dia 6, após boa dormida seguimos às 9h da manhã para estrada BR 040 e foi que antes de entrarmos na Bahia hum, meu Triciclo quebrou e aí ninguém achava o defeito e tinha um curioso que falou que abriria o motor e acharia o problema, então o Navarro disse vamos dar linha, sair fora, e novamente foi usado o reboque Maradona que tome corda e desta vez fomos até Prado.

Acho que foram uns 200 km, chegando lá de noitinha e no Camping Fruta Coco do amigo Carlão que se diga de passagem um cara muito gente boa ai ficamos em uma confortável Barraca por 5 noites desfrutando de belas mangas que caiam dos pés pela manhã quando os pássaros as bicavam.

Na manhã seguinte juntando com meu dia de Rei fomos atrás do mecânico e com a indicação de um amigo achamos e quando rebocamos o Triciclo para lá. Logo ele achou o problema. Era o parafuso da polia da correia dentada que havia se soltado. Pronto no lugar e nada que R$ 50 não resolvesse.

Aproveitando a estadia em Prado fomos conhecer as Praias de Amendoeiras, Central, Torórão, Paixão, de Cumuruxatiba que são as melhores por lá, os dias que ficamos neste local foi só festa os amigos do Poca Sombra sem palavras os caras são nota 10.

Por lá também estava o Pica Pau do Jacarés MC que foi um dos responsáveis pela locução do evento que diga-se de passagem ele que me recomendou a viagem e agradeço porque valeu muito, e outros amigos de São Paulo e do RJ por lá também, sem falar do Japa do Rio.

No dia 11 saímos pela manhã, eu e minha esposa seguimos para Porto seguro-BA pela BR 101. Lá chegando ficamos na pousada Portugal, muito boa, fomos conhecer vários locais, Passarela do alcool, To a Toa, marco dos 500 anos, Arraial da Juda o melhor local por lá, reserva dos Índios Pataxós e aproveitamos 3 dias literalmente à toa..

No dia 13 partimos para Santo Antonio de Jesus para pernoite na Pousada Paraty e pela manhã de 14 seguimos pulando Salvador que já conhecemos fomos direto então para Sergipe. Neste trecho observamos muitos animais silvestres mortos na beira da estrada BR 101, Gamba, Coelho, Uubu, Cervo, Cavalo, Cobra, e outros, sem contar que há trechos que estão sendo duplicados. Aí já viu aquela canseira.

Paramos para almoçar em Cristianápolis-SE e fomos para Aracaju encontrar com nosso amigo Lourenzo onde pernoitamos na casa da Mãe do Lira amigo nosso de Sampa e fomos muito bem recebidos. No dia 15 fomos direto para Alagoas-Maceió e o Lourenzo seguiu para o Maranhão pela BR 101 que esta sendo duplicada neste trecho então é aquele pare e siga a todo instante sem contar as carretas que rolam por lá em alta velocidade e aí sai da frente porque alguns não esperam não.

Em um trecho uma de frente com meu Triciclo uma delas me forçou a sair da estrada e ainda bem que o acostamento é largo e pude recuar com segurança e reflexo. Ufa, saímos da BR aí melhorou o trecho. Uma paisagem sem igual com vastos coqueirais que nos levou direto a Praia do Frances onde nos hospedamos na Pousada da Vó Maria, um local muito acolhedor, casa de família mesmo.

Lá fizemos contato com João Elano do Maceió MC e de pronto nos convidou para irmos a sua casa na Lagoa de Barra nova pois lá estavam também dois amigos de São Paulo. Quando chegamos vimos que era o Beto Sampa e o Fofinho amigos nossos que estava por lá e foi aquela recepção juntamente com o amigo Leléto e esposa do Vaqueiros e outros, sem contar que no dia seguinte fomos almoçar na casa do João e após fomos fazer um tour por Maceió parando no quiosque do Pirata em Pajussara.

Depois de nos divertirmos voltamos para a pousada e dormimos (hibernamos) 12 horas direto, é mole? Bem falando em Praia do Francês tudo que disser não é exagero, limpa demais, aquário natural, acolhedora, infraestrutura fenomenal, passeio de barco, mergulho nos Arrecifes onde pude ver a fauna marinha que é linda, atendimento nos quiosques de primeiro mundo onde os funcionários são muito gentis. Por lá ainda conhecemos o Mirante, Praia do Gunga, dos Surfistas e outras.

No dia 19 partimos via litoral e ao sairmos, após uns 20 minutos desabou aquela chuva e tome água forte até Penedo 200 Km, que é a divisa com SE na balsa para travessia do grande Rio São Francisco e já em Sergipe fomos direto para Cristianápolis, 190 km de água e sem chances de continuar paramos para pernoite.

No dia 21 saimos cedinho também e como a BR 116 por lá esta muito boa volta o delírio de ter que enfrentar as carretas onde novamente uma nos tirou da estrada e desta vez pegamos um pouquinho de mato, mas nada que acarretasse dano a viagem. Continuamos acelerando direto até Caratinga-MG bem depois de Governador Valadares e pernoitamos por lá.

No dia 22 saímos cedo e aí a BR 116 ficou ruim. Pensa em uma buraqueira na pista. A viagem não rendia de jeito nenhum, mas entramos no RJ e rumamos direto para Aparecida do Norte em São Paulo onde pernoitamos e no dia seguinte fomos à missa para agradecer a Nossa senhora esta viagem e a segurança que ela nos passou e para nossos filhos e amigos que por aqui ficaram preocupados conosco.

No dia 23 após a missa e as comprinhas rumamos para casa onde chegamos por volta de 11h30 graças a Deus e com a sensação de mais uma etapa de nossas vidas cumpridas, com muita satisfação eu e minha esposa encontramos todos bem e com saúde e ansiosos para nos verem..

Bem do Guerreiro é um Triciclo By Cristo ano 2000 com motor AP 1.8, azul que me deu em média um consumo de 13 km/l e com quilômetros percorridos mais ou menos 5.840, tirando aquela quebradinha de 200 km na BA e o restante da viajem foi sem problemas graves, apenas algumas correções.

Agradecemos a todos familiares e amigos por nos ajudarem nesta viagem que não esqueceremos jamais.

O “motonauta”  Luiz Alves dos Santos participou do Moto Repórter, canal de jornalismo participativo do MOTO.com.br. Envie sua notícia.



Fonte:
Equipe MOTO.com.br




Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br