moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Dafra Cityclass 200i é descolado para a cidade

Scooter da marca brasileira apresenta design arrojado, rodas grandes e gadgets bastante atrativos

21 de January de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Aldo Tizzani

Finalmente, depois de quase dois anos de espera, a Dafra começa a vender o Cityclass 200i. O novo scooter traz como destaques o visual arrojado, rodas grandes (aro 16”), assoalho plano e sistema de freios combinados e gadgets como a tomada USB para carregar um smartphone, que confere uma aura de modernidade ao novo produto Dafra. Para ter um desse na sua garagem e livrar-se de uma vez por todas da dependência do transporte público, é preciso desembolsar R$ 9.390,00, preço público sugerido que está sendo seguido a risca pelas concessionárias consultadas.

Sua carinha moderna é fruto das linhas ousadas herdadas do italiano Garelli XO 200. Porém, para atender aos padrões de exigência dos brasileiros e sobreviver aos buracos e saliências de nossas ruas, o Cityclass 200 recebeu mais de 150 modificações.

Quem olha o scooter pode achar que tem um motor maior devido ao seu porte. Mas, o que há abaixo da carenagem é um propulsor de 199,1 cc. Seu motor de um cilindro traz refrigeração a ar. Alimentado por injeção eletrônica, duas válvulas e comando simples no cabeçote, sua potência máxima é de 13,8 cv ao atingir 7.500 rpm enquanto o torque máximo de 1,4 Kgf.m chega nos 6.000 giros.

Saindo na frente
Equipado com câmbio CVT, o scooter só transmite movimento para a roda traseira depois que o motor atinge 4.000 giros. Após isso é possível largar na frente das motos de motos de 125 e 150cc nas saídas do farol e deixar a maioria dos motociclistas com inveja.

Ele acelera de 0 a 80 km/h em pouco mais de 10 segundos e sua velocidade máxima supera os 105 km/h. Sendo assim, que estiver a bordo de um conviverá bem com avenidas expressas de grandes cidades, onde a velocidade máxima é de 90 km/h. Rodando a uma velocidade constante de 60 Km/h, o motor trabalhava abaixo da casa das 6.000 rpm.

Em meio aos congestionamentos ele muda de direção com facilidade, permitindo costurar entre os carros com desenvoltura. Os pilotos iniciantes, entretanto, podem demorar um pouco para se acostumar com seu centro de gravidade, que é um pouco mais elevado devido ao tamanho das rodas.

Dezesseis polegadas
As rodas aro 16’’, aliás, são o grande trunfo do Cityclass. Calçadas com pneus Pirelli Diablo Scooter com perfil esportivo, também ajudam na absorção de impactos e na superação de obstáculos, como lombadas e “tartarugas”. Já o sistema de amortecimento adotou soluções tradicionais – garfo telescópio na dianteira, com 87mm de curso, e na traseira, sistema bichoque, com 65,6mm de curso.

Na traseira existe a regulagem na pré-carga da mola. O sistema permite regulagem caso se transporte garupa. O conjunto se mostrou firme, absorvendo bem as imperfeições do piso e em nenhum momento o Cityclass chegou a dar fim de curso. Aguentou bem o rigoroso teste de rodar pelo asfalto irregular da cidade de São Paulo, portanto.

Ao parar, o piloto conta com o sistema de frenagem combinada, que distribui a força entre as duas rodas. A roda dianteira traz disco de 240 mm de diâmetro mordido por uma pinça de três pistões. Já na traseira, disco de 220 mm de diâmetro, com pinça de um pistão. Na prática, ao acionar os manetes o piloto sente a frenagem modular, bastante tranquila e segura. As manoplas em borrachas oferecem uma “pegada” confortável, aumentando a sensação de domínio na pilotagem.

Coisa rápida
Muita gente costuma usar o scooter para deslocamentos curtos e paradas rápidas. E é nessa situação que ele mostra sua praticidade. O apoio lateral permite estacioná-lo sem muito esforço, sem precisar do cavalete central, mais indicado no momento da manutenção. Um sistema de freio de mão seria bem vindo e deixaria o processo ainda mais fácil.

Por falar em facilidade, o transporte de objetos por ser feito no espaço sob o banco (onde cabe um capacete), no porta luvas e até no gancho posicionado atrás do escudo. Cá entre nós, uma mão na roda na hora de buscar o pãozinho nosso de cada dia.

Na hora de abastecer, o piloto precisa descer do scooter, virar a chave para abrir o banco e ter acesso ao tanque. Basta levantar uma aba da tampa que ela é desconectada com facilidade. A capacidade do tanque é de seis litros de gasolina. Em nossa medição (feita exclusivamente em território urbano) seu consumo foi de 24,6 Km/l, projetando uma autonomia próxima dos 150 Km.

Scooter confortável
Seu banco é confortável. Em dois níveis, traz tecido antiderrapante para o piloto e o garupa pode utilizar o bagageiro como alça para se segurar, enquanto os pés são apoiados em largas pedaleiras retrateis. Um conjunto bem interessante e seguro para seu acompanhante.
Na pilotagem noturna, o painel de instrumentos com luz branca permite uma visualização eficaz. Aliás, o painel compartilha elementos digitais e analógicos e traz várias informações: conta-giros, relógio, hodômetros total e parcial e alerta de manutenção. O que destoa é o indicador de nível de combustível, um enorme relógio que lembra os carros dos anos de 1990.

Com o preço de R$ 9.390, o Dafra Cityclass se mostrou um produto adequado à realidade de nossas cidades e cumpre as exigências dos consumidores que buscam esse tipo de produto. A expectativa do fabricante é comercializar 3.300 unidades durante o primeiro ano. O que não deve ser difícil, já que, em nossas primeiras impressões, o veículo deverá fazer sucesso com quem busca uma opção de estilo descolado para melhorar sua mobilidade urbana e parar de perder tempo em congestionamentos ou dependendo do transporte público.

Ficha Técnica
Motor OHC, 4 tempos, Monocilíndrico e com refrigeração a ar
Capacidade cúbica 199,1 cm³
Diâmetro x curso 65 X 60 mm
Taxa de compressão 9,7:1
Potência máxima 13,86 cv a 7.500 rpm
Torque máximo 1,41 kgf.m a 6.000 rpm
Câmbio Automática CVT
Transmissão final Correia
Alimentação Injeção eletrônica
Partida Elétrica
Quadro Tipo
Suspensão dianteira Garfo telescópico com 87 mm de curso
Suspensão traseira Bichoque com 65,6 mm de curso (ajustável)
Freio dianteiro Disco duplo de 240 mm, com triplo pistão (FH-CBS)
Freio traseiro Disco simples de 220, com pinça simples (FH-CBS)
Pneus Pirelli Tubeless Diablo Scooter
100/80-16 M/C 50P (diant) e Pirelli Tubeless Diablo Scooter
120/80-16 M/C 60P (tras)
Comprimento total 2.087 mm
Largura total 711 mm
Altura total 1.300 mm
Altura do assento 785 mm
Entre-eixo 1.440 mm
Distância ao solo 128 mm
Capacidade de carga do compartimento sob o assento
10 kg
Volume do compartimento sob o assento 15,4 l
Capacidade de carga do bagageiro 3,5 kg
Capacidade de carga do gancho frontal 2 kg
Capacidade do tanque 6 l (Reserva: 1,2l)
Peso seco 135 Kg (146 kg em ordem de marcha)
Cores preto com detalhes em cinza e branco
Preço sugerido R$ 9.390 



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Lançamento! Testamos a nova moto Yamaha Fazer 250 ABS 2018

Teste: BMW G 310 GS é aventureira versátil para o dia a dia

Indian Roadmaster com Ride Command é tablet na moto

Kawasaki Vulcan S Special Edition tem bom desempenho e chama atenção

Nova Ducati Multistrada 950 é confortável, divertida e valente

Nova Versys-X 300 inaugura segmento de pequenas aventureiras

Super Ténéré sente o peso da idade, mas é boa opção para aventuras

Honda NC 750X entra na briga com preço mais baixo

Triumph Street Triple 765 RS é explosiva, empolgante e ágil

BMW G 310R vai bem na cidade, mas perde força na estrada

Nova Yamaha Factor 150 UBS traz freios mais eficientes

Teste: Yamaha Neo mostra agilidade e economia no trânsito

BMW F 700 GS é versátil e ótima opção para viagens

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras