moto.com.br
Publicidade:

Testes

Honda Biz 125 ou PCX Sport: qual o melhor modelo para você?

Motoneta ou scooter: conheça as diferenças entre esses dois veículos urbanos e escolha o mais adequado para você fugir do trânsito

09 de January de 2018
Compartilhe este conteúdo:

A Honda Biz 125 é a motoneta mais vendida do Brasil e ganhou várias melhorias na versão 2018. Já o PCX 150, na versão Sport, é o topo de linha do scooter mais popular de nossas ruas. Eles podem ser a escolha de quem busca a primeira moto ou um veículo ágil e econômico para fugir do trânsito nas grandes cidades.

Embora tenham propostas semelhantes, a CUB Biz e o scooter PCX têm comportamento e pilotagem bastante distintos. Conheça as principais diferenças entre eles e escolha o melhor para você.



- Fáceis de pilotar
Quem gosta de mordomia e facilidade de pilotagem será muito feliz com o scooter PCX. Equipado com câmbio automático (CVT), não precisa trocar de marcha. Basta acelerar que o sistema de polias transmite a força do motor para a roda. Sua aceleração é linear e não há risco do scooter morrer. O sistema idling stop desliga o motor sempre que o scooter ficar três segundos parado num semáforo, por exemplo. Para rodar novamente basta girar o acelerador que o motor liga novamente sozinho. Não há veículo de duas rodas mais fácil de pilotar.

A Honda Biz também é amigável com o piloto, mas é necessário trocar as marchas. Seu câmbio tem quatro velocidades, pois a embreagem centrífuga é semiautomática, acionada com o pé no momento da passagem de marcha. 

Quer vender sua moto? Anuncie no MOTO.com.br!

- Motorização
O motor do PCX é mais moderno por usar refrigeração líquida. Sua capacidade cúbica é de 149,3 cc e atinge a potência de 13,1 cv a 8.500 rpm com a velocidade máxima limitada a 115 km/h. A Honda Biz também usa motor de um cilindro de 124,9 cc, porém com refrigeração a ar, e tem a potência de 9,2 cv a 7.500 rpm cv e a velocidade máxima é de 99 km/h (abastecida com etanol). 


- Freio de mão
No PCX o piloto usa apenas as mãos para frear, enquanto na Biz o piloto usa o pé direito para acionar o freio traseiro e o dianteiro é acionado com o manete, como na maioria das motos. Os dois veículos usam disco na roda da frente e tambor atrás, e ambos são equipados com sistema CBS que distribui a frenagem entre as rodas dianteira e traseira. 

- Espaço prático
Nos dois veículos é possível guardar um capacete debaixo do banco, mas o PCX tem mais espaço (25 litros contra 22 na Biz). Abrir o banco da Biz ficou mais fácil - basta virar a chave no miolo de ignição. No PCX é necessário colocar a chave em uma posição determinada e apertar o botão ao lado do contato. Para guardar documentos o scooter tem um porta-luvas atrás do escudo, enquanto a Biz oferece apenas um gancho para sacola ou bolsa. 



- Sem medo do escuro
O farol de LED do PCX é um diferencial, pois durante o dia ajuda a destacar o scooter entre os outros veículos e, à noite, ilumina com mais eficiência do que o farol da Biz que usa lâmpada comum. Na traseira, o scooter também usa uma chamativa lanterna de LED, enquanto a popular Cub manteve-se fiel à lâmpada halógena.

- Mordomias 
Os dois modelos oferecem saídas de 12V (uma novidade na Biz 125i 2018) que podem receber adaptador para carregar smartphones ou GPS, por exemplo. Ambos painéis com relógio são práticos e completos, no caso da Biz ainda há aviso de pilotagem econômica. O PCX conta até com computador de bordo, que informa autonomia e consumo.

- Mãos limpas
A Biz exige que o piloto fique atento à regulagem e à lubrificação do conjunto de transmissão (corrente, coroa e pinhão). No PCX não existe essa preocupação, pois a transmissão final é feita por correia que deve ser substituída a cada 24.000 km. 

- Até o limite
Ambas têm como destaque o baixo consumo de combustível, sendo fácil superar os 40 km/l nos dois modelos pilotando de forma racional – sem exageros nas acelerações. O PCX tem maior capacidade de tanque: 8,1 litros que projeta uma autonomia superior aos 300 km. Com seu tanque de 5,1 litros a Biz percorre mais de 200 km, abastecida com gasolina. 



Aqui a motoneta leva vantagem por usar motor flex que pode rodar com gasolina, etanol ou a mistura dos dois. Mas abastecer o PCX é mais fácil, já que o bocal do tanque fica no túnel central, enquanto na Biz é preciso levantar o banco. 

- Tipo de piso, o “x” da questão
A condição mais importante na escolha entre os modelos é o tipo de piso que você vai rodar. Quem precisa percorrer diariamente vários quilômetros de ruas esburacadas, pavimentadas com paralelepípedos ou mesmo de terra não será feliz com o PCX. Por conta de suas rodas de 14 polegadas ele pula demais nessa condição. 

Por outro lado, a Biz, com sua roda dianteira de 17 polegadas, é capaz de superar esses obstáculos com mais segurança e conforto. Atrás, a Biz também tem roda aro 14.



- Quanto custam 
A Biz 125 custa R$ 9.390, enquanto o PCX Sport está avaliado em R$ 11.000 – preços sugeridos em São Paulo. Ambos têm três anos de garantia e o fabricante oferece até sete trocas de óleo gratuitas.

Ainda há versões mais simples de ambos. A Biz 110i custa R$ 7.590 e tem rodas raiadas, freio a tambor na dianteira e painel analógico, além do motor de menor capacidade. Já o PCX “standard” custa R$ 10.500 e só se diferencia da versão Sport nos grafismos e pintura.

FICHA TÉCNICA



Honda PCX 150 Sport
Motor: OHC, monocilíndrico, 149,3 cm³, quatro tempos, duas válvulas, arrefecimento líquido
Potência: 13,1 cv a 8.500 rpm 
Torque: 1,36 kgf.m a 5.000 rpm
Diâmetro e curso: 57,3 mm x 57,9 mm
Alimentação: Injeção eletrônica
Transmissão: CVT
Partida Elétrica
Suspensão dianteira Garfo telescópico com 100 mm de curso
Suspensão traseira Sistema bichoque com 85 mm de curso.
Freio dianteiro Disco simples de 220 mm de diâmetro com pinça de dois pistões e CBS
Freio traseiro Tambor com 130 mm de diâmetro
Pneus 90/90-14 (D) e 100/90-14 (T)
Dimensões: 1.931 mm de comprimento, 737 mm de largura, 1.103 mm de altura; 
Distância entre-eixos: 1.315 mm
Distância mínima do solo: 138 mm
Altura do assento: 761 mm
Peso a seco: 125 kg
Capacidade do Tanque: 8,0 litros
Cores: Branca fosca com rodas douradas 
Preço público sugerido: R$ 11.000 (versão Sport)

Honda Biz 125
Motor: OHC, monocilíndrico, 124,9 cm³, quatro tempos, duas válvulas, arrefecimento a ar
Potência: 9,2 cv a 7.500 rpm 
Torque: 1,04 kgf.m a 3.500 rpm
Diâmetro e curso: 52,4 mm x 57,9 mm
Alimentação: Injeção eletrônica
Transmissão: câmbio semi-automático 4 marchas
Partida Elétrica
Suspensão dianteira Garfo telescópico com 100 mm de curso
Suspensão traseira Sistema bichoque com 86 mm de curso.
Freio dianteiro Disco simples de 220 mm de diâmetro e CBS
Freio traseiro Tambor com 110 mm de diâmetro
Pneus 60/100-17 (D) e 80/100-14 (T)
Dimensões: 1.894 mm de comprimento, 714 mm de largura, 1.085 mm de altura
Distância entre-eixos: 1.264 mm
Distância mínima do solo: 131 mm
Altura do assento: 753 mm
Peso a seco: 100 kg
Capacidade do Tanque: 85,1 litros
Cores: Laranja, Preto ou Branco (perolizados) 
Preço público sugerido: R$ 9.390 (preço base São Paulo)

TEXTO: Cicero Lima / INFOMOTO
FOTOS: Divulgação / INFOMOTO



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Harley-Davidson Heritage Classic em plena forma na estrada

Honda Biz 125 ou PCX Sport: qual o melhor modelo para você?

Nova Honda CB 650F encara as curvas de Curvelo (MG)

Kawasaki Versys 650 é excelente para viagens e esperta no dia a dia

KTM 390 DUKE ABS é divertida e pronta para pegar a estrada

Lançamento: Can-Am Maverick Trail DPS é ideal para trilhas

Harley-Davidson Road King Classic é boa companheira para a estrada

Honda NC 750X entra na briga com preço mais baixo

Triumph Street Triple 765 RS é explosiva, empolgante e ágil

BMW G 310R vai bem na cidade, mas perde força na estrada

Nova Yamaha Factor 150 UBS traz freios mais eficientes

Teste: Yamaha Neo mostra agilidade e economia no trânsito

BMW F 700 GS é versátil e ótima opção para viagens

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras