Harley V-Rod Muscle tem personalidade

Aldo Tizzani

A Harley-Davidson V-Rod Muscle não é o modelo mais potente da marca norte-americana e também não contorna curvas tão bem quanto a sua irmã mais nova, XR 1200. Além disso, não é a mais confortável da linha se compararmos com a Electra Glide Ultra Classic. Porém, a Muscle é um moto de personalidade forte, radical de corpo e alma. Já que conta com design arrojado traduzido pelo porte avantajado e pelo belo motor “V2” desenvolvido em parceria com a Porsche. Assim, a “power cruiser” da Harley traz a tradição centenária da marca, porém com os olhos voltados para o futuro. No Brasil, a nova integrante da família V-Rod custa R$ 82.900,00.

O motociclista viaja literalmente pelas linhas angulosas desta versão mais apimentada da V-Rod, cujo desenho foi inspirado nos muscle cars americanos, como Mustang, Dodge e Camaro. Os ângulos retos ficam mais evidentes pelas tomadas de ar posicionadas nas laterais do tanque de combustível e também pela moldura do radiador. A nova HD recebeu um generoso pneu 240 mm na traseira, que completa seu porte imponente, já que a moto mede 2,410 m de comprimento e pesa 292 kg (a seco).

A Muscle também apresenta outros diferenciais na parte estética que podem ser decisivos na hora de comprar uma moto quase que exclusiva: lanterna traseira com LEDs embutidas sobre o pequeno pára-lama e piscas colocados estrategicamente na haste do retrovisor. Isso sem falar nas rodas de liga leve de cinco raios. Além disso, os escapes, posicionados um de cada lado da moto, dão equilíbrio ao conjunto. Outro detalhe do modelo são os fios embutidos no interior do guidão, oferecendo um ar mais clean à dianteira da motocicleta.

MOTOR E CICLÍSTICA

Lançada em 2001, a Harley-Davidson V-Rod foi o primeiro modelo da história da marca norte-americana a ser equipado com refrigeração líquida. O desenvolvimento foi feito em parceria com a alemã Porsche. A versão Muscle, modelo 2009, conta com o propulsor da família Revolution de dois cilindros em “V” a 60º de 1250 cc. Para um melhor rendimento, a “power cruiser” da Harley está equipado com câmbio de marchas e sistema de injeção eletrônica de combustível. A potência máxima divulgada pela marca é de 122 cv a 8250 rpm e o torque de 11,7 kgf.m a 7000 rpm.

Apesar do número impressionante – para uma Harley – ,  a Muscle não é o modelo mais potente da linha V-Rod, já que a Night Rod Special, outra integrante da família, produz 125 cv. Porém o motor da Muscle oferece muita força em baixas e médias rotações, que reforça a segurança do motociclista nas retomadas e ultrapassagem. Justamente em função de sua potência e faixa máxima de rotação, este propulsor apresenta um caráter esportivo. Exigindo que o motociclista gire o acelerador com vontade para que o motor atinja rotações mais altas que os outros V2 da marca americana.

Este radical modelo da Harley oferece uma boa ciclística. Na dianteira tem suspensão invertida de 43 mm de diâmetro e disco duplo de 300 mm com pinça de quatro pistões. Já na traseira, o tradicional duplo amortecedor com ajuste na pré-carga da mola e freio de disco simples também de 300 mm. Mesmo em condições adversas - o primeiro contato com o modelo foi em uma pista fechada, com retas curtas e curvas fechadas – o conjunto suspensão/freios se comportou bem, dentro de sua proposta estradeira.

NA PRÁTICA

Subir na HD Muscle é privilégio de poucos, já que esta exclusividade custa quase R$ 83 mil. Ao pilotar a moto, a primeira impressão que se tem é que a moto é baixa – informação que pode ser confirmada pela altura do assento - 640 mm. Isso ajuda bastante em manobras. Para motociclistas com 1,70 m de altura, a sensação é que você estará pilotando uma autêntica chopper, em função do guidão reto, os braços ficam esticados. Como as pedaleiras são bastante avançadas, as pernas ficam pouco flexionadas. Ou seja, a ergonomia para os baixinhos (como eu) fica prejudicada. Porém, o banco é bem confortável, já que oferece espuma de boa densidade e um pequeno encosto para a coluna do piloto.
 
A HD Muscle estranha um pouco as curvas, principalmente as mais fechadas. Ao inclinar a moto, as pedaleiras raspam com facilidade no asfalto. O pneu de 240 mm traz um ganho estético, porém a moto perde em agilidade e mobilidade . Bem ao estilo americano, essa musculosa custom foi concebida para rodar pelas highways americanas de asfalto perfeito e longas retas e não em estradas com retas curtas e trechos de serra travados.

FICHA TÉCNICA
MOTOR: Revolution, dois cilindros em “V”, a 60º, refrigerado a águar
POTÊNCIA MÁXIMA: 122 cv a 8250 rpm
TORQUE MÁXIMO: 11,7 Kgf.m a 7000 rpm
CAPACIDADE CÚBICA: 1250 cm³
DIÂMETRO X CURSO: 105 mm x 72 mm
SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO: Injeção Eletrônica de Combustível
TAXA DE COMPRESSÃO: 11.5:1
SISTEMA DE PARTIDA: Elétrica
CÂMBIO: Cinco velocidades
TRANSMISSÃO FINAL:  Correia dentada
CAPACIDADE DO TANQUE: 18,9 litros
CHASSI: Duplo berço em aço
SUSPENSÃO DIANTEIRA: Telescópica invertida de 43 mm
SUSPENSÃO TRASEIRA: Duplo amortecedores com regulagem de pré-carga 
FREIO DIANTEIRO: Disco duplo de 300 mm, com quatro pistões
FREIO TRASEIRO: Disco simples de 300 mm
RODA/PNEU DIANTEIRO: Liga-leve de cinco raios, 120/70-19
RODA/PNEU TRASEIRO: Liga-leve de cinco raios, 240/40-18
COMPRIMENTO: 2410 mm 
DISTÂNCIA ENTRE-EIXOS: 1700 mm 
ALTURA DO ASSENTO: 640 mm
ALTURA DO SOLO: 105 mm
PESO SECO: 292 Kg  
CORES: Preta, Prata, azul e vermelha 
PREÇO: R$ 82.900,00

Fotos: Caio Mattos



Fonte:
Agência Infomoto




Compartilhe essa notícia

Receba notícias de moto.com.br