moto.com.br
Publicidade:

Testes

Ducati aprimora Monster 1200 S e reduz preço

Nacionalizada, naked italiana tem agora 152 cv de potência máxima, eletrônica de última geração e passa a custar R$ 59.900

03 de August de 2017
Compartilhe este conteúdo:

A Ducati apresentou a Monster 1200 S 2017 no Brasil com diversas melhorias e uma grande novidade: o modelo agora será montado em Manaus (AM) e estará disponível somente na esportiva versão “S”, que traz freios e suspensões de especificações superiores. A boa notícia é que o preço foi reduzido consideravelmente: caiu de R$ 73.900, quando era importada, para R$ 59.900, agora nacionalizada.

“Além do preço mais competitivo, temos mais agilidade na reposição de peças com apenas uma versão”, revelou Fernando Filie, gerente de marketing da Ducati no Brasil. Segundo o executivo, a previsão de vendas é de 100 unidades neste ano. A Monster 1200S já pode ser encomendada em duas opções de cores: o tradicional vermelho Ducati ou um novo e elegante cinza acetinado. 

Renovada para 2017, a naked esportiva ficou mais potente: agora são 152 cv de potência máxima a 9.250 rpm, contra 147 cv da versão anterior. Além disso, ganhou tecnologia de última geração, que inclui sensor de medição inercial, freios ABS para curvas e sistema de quickshift, que permite subir ou reduzir marchas sem o uso da embreagem.



Forte e musculosa
Visualmente a Monster 1200 S não mudou muito, mas um olhar mais atento revela formas mais compactas e um novo farol com iluminação diurna de LEDs. O tanque ficou menor, com um litro a menos (16,5 l), e a rabeta foi encurtada. O monobraço traseiro foi redesenhado e, com isso, a distância entre-eixos diminuiu 26 mm. O objetivo foi tornar a naked ainda mais esportiva e ágil nas curvas – e, de quebra, reduziu o incômodo da versão anterior, na qual o calcanhar direito encostava na pedaleira da garupa.

A mudança mais aparente fica por conta das novas ponteiras duplas do escapamento: com visual mais racing ajudaram a Ducati a enquadrar o motor Testastretta 11° na lei de emissão de poluentes Euro 4. Com novos corpos de aceleração ovalados, os dois cilindros em “V” a 90° (ou “L2”, como gosta a Ducati) ganharam a potência extra, uma alimentação mais precisa em baixos giros e mais 0,17 kgf.m de torque – o máximo de 12,87 kgf.m agora aparece a 7.750 rpm. 

Mas é a força em baixos e médios regimes – a 3.000 giros já há cerca de 10 kgf.m de torque – que deixou essa renovada Monster 1200 S ainda mais divertida de pilotar. Nas ruas e estradas, saídas mais empolgantes e menos trocas menos de marcha. Mas, na pista do Autódromo de Interlagos, onde tivemos o primeiro contato com a naked italiana, isso resultou em uma resposta mais imediata ao acelerador. Na saída da curva do sol, engatava a quarta marcha e em um piscar de olhos a velocidade ultrapassava os 200 km/h

A pista foi ideal para testar o sistema de quickshift, herdado da superesportiva 1299 Panigale. Não é preciso acionar a embreagem ou cortar o acelerador, pode-se descer ou subir uma das seis marchas do câmbio simplesmente usando o pé. Alguns segundos a menos para quem está em um trackday e mais comodidade em uma viagem, por exemplo.



Rede de segurança
A eletrônica da Monster 1200 S ganhou uma importante novidade: a IMU (Inertial Measurement Unit), a tal unidade de medição inercial que analisa a posição da moto em vários eixos e permite uma atuação mais precisa do controle de tração e dos freios ABS. 

A naked manteve os mesmos três modos de pilotagem – Urban, Touring e Sport – que ajustam de formas diferentes a resposta do motor e todos os controles eletrônicos com parâmetros de fábrica. Mas também é possível personalizar cada um deles. Confesso que, com a pista livre para acelerar, mantive no modo “Sport”, com resposta mais instantânea do acelerador e baixa intervenção da eletrônica, mas ainda assim com uma “rede de segurança” para se divertir em Interlagos.

Nas curvas, o quadro da Ducati e as suspensões Öhlins fazem jus à fama: transmitem ao piloto as sensações da pista. Os freios e suspensões também mostram seu valor. As pinças Brembo M50 com discos de 330 mm ainda são “exagerados” para o uso mais civilizado, porém adequados para a pista. 

Conclusão
Quando a Ducati alardeou o lançamento de uma nova Monster 1200 S, ficamos com aquela pulga atrás da orelha: “mas o que mudou?”. As mudanças, embora discretas, aprimoraram a naked. A começar pelo sistema de alimentação do motor, que promete um comportamento mais dócil, principalmente em baixos giros. Mas como rodei na pista, só pude experimentar para valer mesmo a potência maior em altos giros. Entretanto, foi possível perceber a evolução nos controles eletrônicos, que permitem abusar do acelerador sem medo da “patada” do motor L2



As melhorias ciclísticas podem ser notadas na entrada de curva: a renovada 1200 S está mais arisca e “deita” com mais facilidade. Por outro lado, o ângulo de esterço do guidão ficou ainda mais limitado e o assento, apesar de ser ajustável, está 10 mm mais alto: duas características que prejudicam o uso diário da nova Monster. 

Ainda mais potente e moderna, a Monter 1200 S, porém, agora está mais competitiva no segmento de nakeds esportivas. Quando chegar às concessionárias Ducati em agosto com o preço de R$ 59.900, a famosa italiana passa a ser uma opção a ser considerada perante às fortes e equipadas concorrentes, como a tecnológica BMW S 1000R (R$ 62.900), a conhecida Kawasaki Z1000 (R$ 55.900) e a inglesa Triumph Speed Triple 1050 R (R$ 60.990).

FICHA TÉCNICA
Ducati Monster 1200S 2017
Motor Dois cilindros em “V” a 90°, quatro válvulas por cilindro, duas velas, comando desmodrômico e refrigeração líquida
Capacidade cúbica 1198,4 cm³
Diâmetro x curso 106 x 67,9 mm
Taxa de compressão 13,0:1
Potência máxima 152 cv a 9.250 rpm
Torque máximo 12,87 kgf.m a 7.750 rpm
Câmbio Seis marchas
Transmissão final Corrente
Alimentação Injeção eletrônica
Partida Elétrica
Quadro Treliça em tubos de aço
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Öhlins de 48 mm de diâmetro com 130 mm de curso totalmente ajustável
Suspensão traseira Monobraço em alumínio com amortecedor Öhlins totalmente regulável com 149 mm de curso
Freio dianteiro Disco duplo semi-flutuante de 330 mm de diâmetro com pinças monobloco radiais Brembo de quatro pistões e ABS
Freio traseiro Disco simples de 245 mm de diâmetro com pinça de dois pistões e ABS
Pneus Pirelli Diablo Rosso III 120/70-ZR17 (diant.)/ 190/55-ZR17 (tras.)
Comprimento não disponível
Largura não disponível
Altura não disponível
Distância entre-eixos 1.485 mm
Distância do solo n.d.
Altura do assento 795 – 820 mm
Peso em ordem de marcha 211 kg 
Peso a seco 185 kg 
Tanque de combustível 16,5 litros
Cores Vermelha e cinza
Preço R$ 59.900

 Fotos: Divulgação/Ducati/Mario Villaescusa e Johanes Duarte



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Honda Biz usa receita japonesa e tempero brasileiro para fazer sucesso

Crosser Z tem 'maquiagem' aventureira para encarar lama e poeira

Husqvarna Vitpilen 701 tem motor de um cilindro mais potente do mundo

Como é rodar com a clássica Royal Enfield no dia a dia

BMW G 310 GS é trail compacta, mas gosta mesmo é de asfalto

Kawasaki Z650 conta com visual agressivo e suavidade na pilotagem

Honda CB 500X supera a rotina da cidade e viagens mais longas

Honda NC 750X entra na briga com preço mais baixo

Triumph Street Triple 765 RS é explosiva, empolgante e ágil

BMW G 310R vai bem na cidade, mas perde força na estrada

Nova Yamaha Factor 150 UBS traz freios mais eficientes

Teste: Yamaha Neo mostra agilidade e economia no trânsito

BMW F 700 GS é versátil e ótima opção para viagens

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras