Crosser Z tem 'maquiagem' aventureira para encarar lama e poeira

A nova Crosser Z foi apresentada no Salão Duas Rodas do ano passado pela Yamaha como uma versão mais aventureira de sua trail de 150 cc. Além do “Z” no nome, o modelo recebeu paralama alto, sanfonas e protetores na suspensão dianteira. Com grafismos diferenciados e duas opções de cor, a moto chegou recentemente às concessionárias da marca com preço sugerido de R$ 11.490 – R$ 200 a mais que a conhecida Crosser, que recebeu o sufixo “S”

As novidades são uma “maquiagem aventureira”, aplicada para atender aos motociclistas que vão enfrentar estradas de terra. “Muitos clientes se queixavam que acumulava lama entre o pneu e o paralama baixo da Crosser”, explicou Helio Ninomyia, Gerente Executivo de Marketing e Planejamento da marca, na apresentação do modelo em novembro passado. As sanfonas e o protetor nas bengalas evitam que poeira e pedras danifiquem o componente. 

Confira ofertas de motos Yamaha XTZ 150 Crosser Z nos classificados do MOTO.com.br

Mais do mesmo
Exceto pelos grafismos e a cor bege (chamada de Dakar areia), a nova Crosser Z é igual à versão S. O que não é necessariamente uma má notícia. Afinal, a trail de 150 cc foi o segundo modelo mais vendido da marca no Brasil em 2017, com 15.649 unidades emplacadas.

Seu motor bicombustível de 149,3 cm³ e arrefecimento a ar é esperto e econômico na cidade. Em conjunto com o câmbio de cinco marchas, proporciona boas arrancadas e rodou 38,2 km/litro no uso urbano. Já na estrada, o torque de apenas 1,86 kgf.m não é suficiente para manter velocidades acima de 100 km/h e é preciso girar todo o acelerador para acompanhar o fluxo, fazendo com que o consumo aumente para 35,6 km/litro. Com um tanque de 12 litros, pode-se rodar seguramente mais de 400 km

Trilhas da cidade
Mas a principal qualidade da Crosser está em seu conjunto ciclístico. O bom curso das suspensões (180 mm em ambas as rodas) ajuda a enfrentar as valetas, lombadas e buracos da cidade, mas sem prejudicar a agilidade, em função da roda aro 19 na dianteira

A configuração não deixa o assento tão alto como nas motos trail – ele fica a 836 mm do solo – facilitando as manobras e também não intimida quem está começando. O baixo peso (131 kg em ordem de marcha) é outro fator que faz do modelo, seja na versão S ou a Z, uma boa opção para iniciantes.

A posição de pilotagem é bastante confortável. O banco largo e o guidão alto deixam as costas eretas e o motociclista à vontade para mudar de direção e contornar curvas com segurança. Com freio a disco na dianteira, bagageiro de série e um completo painel digital, a Yamaha de 150 cc é boa opção para encarar nossas malcuidadas ruas e avenidas. 

Quer vender sua moto? Anuncie no MOTO.com.br!

Mas, afinal, o que muda?
Além das mudanças visuais, que têm efeito prático para quem roda muito na terra, a versão Z não traz nada de muito novo em relação à Crosser S. Se a proposta era criar uma versão mais aventureira, a Yamaha poderia ter adotado roda de 21 polegadas na dianteira, o que ajudaria a enfrentar buracos, em conjunto com os bons pneus Metezeler Tourance.

Por outro lado, a roda maior prejudicaria um pouco o uso urbano, a verdadeira proposta da Crosser 150. Particularmente, acho que o paralama alto e pontudo até combina mais com o visual trail. Tanto que muitos proprietários de modelos anteriores faziam essa mudança por conta própria. 

Não há nada de muito errado nisso, afinal a indústria de automóveis vende há anos as versões “Cross” de muitos carros que, sequer, têm mudanças práticas. Trazem apenas o visual aventureiro. Se você também gostou do design da Crosser Z vale a pena pagar a diferença de R$ 200. Valor que não seria suficiente para adquirir essas peças no mercado paralelo.

Ficha técnica 
Yamaha XTZ 150 Crosser Z
Motor: Arrefecimento a ar, SOHC, monocilíndrico, quatro tempos, 2 válvulas
Capacidade cúbica: 149,3 cm³
Potência máxima (declarada): 12,2 cv a 7.500 rpm (gasolina) e 12,4 cv a 7.500 rpm (etanol)
Torque máximo (declarado): 1,28 kgf.m a 6.000 rpm (gasolina) e 1,29 kgf.m a 6.000 rpm (etanol)
Câmbio: Cinco marchas
Transmissão final: corrente
Alimentação: Injeção eletrônica
Partida: Elétrica
Quadro: Berço semi-duplo em aço
Suspensão dianteira: Garfos telescópicos com 180 mm de curso
Suspensão traseira: Balança monoamortecida com 180 mm de curso 
Freio dianteiro: Disco simples de 230 mm de diâmetro 
Freio traseiro: Tambor mecânico de 130 mm de curso
Pneus: 90/90-19 (diant.) / 110/90-17 (tras.) 
Comprimento: 2.050 mm
Largura: 825 mm
Altura: 1.140 mm
Distância entre-eixos: 1.350 mm
Distância do solo: 235 mm
Altura do assento: 836 mm
Peso em ordem de marcha: 131 kg
Tanque: 12 litros
Cores: Azul e Bege
Preço sugerido: R$ 11.490,00

TEXTO: Arthur Caldeira / INFOMOTO
FOTOS: Renato Durães / INFOMOTO



Fonte:
Agência Infomoto




Compartilhe essa notícia

Receba notícias de moto.com.br