moto.com.br
Publicidade:

Revista Moto

Para Lojistas: Anuncie seus produtos e receba a Revista MOTO.com.br.Clique e saiba mais!

Revista MOTO.com.br - Já nas bancas

REVISTA MOTO.com.br - 97ª EDIÇÃO
August de 2011

Seguro morreu de velho

O bom momento do mercado das duas rodas despertou as seguradoras para um novo consumidor: o motociclista

De acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, o número de motos nas ruas cresce do país cresce, em média, 18% ao ano. Fatores como preço baixo, financiamentos e consórcios tornaram a moto uma realidade mais próxima para a maioria dos brasileiros que sofre com os problemas do trânsito nas grandes cidades.

Para quem adquire um veículo novo é natural procurar um seguro para garantir o seu bem, prevenindo casos de roubo, acidentes e outros tipos de danos. Mas o que seria algo para dar mais tranquilidade para o motociclista pode acabar como um transtorno, pois o seguro de motos no Brasil é difícil de fazer e, às vezes, é caro demais.

A justificativa das seguradoras é que a moto é um veículo inseguro e por isso seria mais propensa a acidentes e roubos e fácil de ser desmanchada pelos ladrões. Não é mentira. Dados da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo revelam que pelo menos uma moto é roubada por hora apenas na cidade de São Paulo. E como fica o motociclista?

Felizmente, parece que as seguradoras abriram os olhos e estão dando a devida atenção que esse consumidor merece. Com o cenário favorável para as vendas de motos, o mercado de seguros para veículos de duas rodas também vem crescendo. O diretor da Porto Seguro, Marcelo Sebastião, diz que o seguro de motos já cresceu mais de 18% em 2010 e a previsão para 2012 esse número possa chegar a 30%.

Vamos esperar que com um aumento significativo das motos seguradas no país o preço das apólices tenha uma redução proporcional, tornando a proteção do seguro uma realidade mais próxima do motociclista, independente, do modelo e da cilindrada. O seguro não pode ser tão caro e apenas limitado às motos de média e alta cilindrada. Afinal, o princípio básico de uma economia de mercado eficiente é o equilíbrio.

Um grande abraço,

Aladim Lopes Gonçalves
aladim.goncalves@moto.com.br

Equipe Moto.com.br

Compartilhe esta página: