-31792.html" />

Revista Moto

REVISTA MOTO.com.br - 85ª EDIÇÃO August de 2010

Brasil na Terra!

Agosto de 2010 traz consigo o universo OFF-ROAD ao Brasil.  Isso porque o Mundial de Motocross volta a ser realizado por aqui, desta vez em Campo Grande (MT), e com ele vem à expectativa de ver este esporte crescer, disseminando o fora de estrada em todo o país. Modalidades surgem e a cada dia novas promessas aparecem na terra. Sem falar no belo Rally dos Sertões, que tem sua largada marcada para o dia 10 de agosto, partindo de Goiânia, passando por Minas Gerais, Tocantins, Maranhão, Piauí, e terminando em Fortaleza (CE) no dia 20, a prova terá o recorde de 52,7% dos trechos cronometrados. O trajeto total da competição é de 4.486 quilômetros.

O Campeonato Brasileiro de Motocross nunca foi tão equilibrado. O Arena Cross, que reúne as maiores feras do cross nacional, está sendo realizada em novo formato, com a adição da disputa por equipes. A disputa ficou impressionante! Temos os Enduros regionais, que agitam as pequenas cidades por onde passam.

O Veloterra, modalidade que alia velocidade à  terra, não para  de crescer e propaga a força que tem o OFF-ROAD. Toda essa ascendência mostra que temos público e competidores para abrasar este esporte e equipará-lo a qualquer outra categoria. O Mundial de Motocross é a chance de incentivar e viver mais de perto essa paixão.

A pista de Campo Grande está quase pronta e todas as cidades ao seu redor estarão lotadas, o circo do Mundial está sendo montado e os melhores pilotos do mundo já estão com a passagem marcada, com destino ao Brasil. Eles passam oito meses por ano fora de suas casas, vivendo praticamente em tempo integral dentro de um motorhome — “casas-ambulantes”. Cruzam praticamente 100 mil quilômetros todo ano em busca de um sonho: SER CAMPEÃO MUNDIAL.

Apesar de ser um dos esportes a motor que envolve menos custo, o Motocross continua a ser um esporte muito caro. Um piloto de ponta não consegue fazer uma boa temporada investindo menos do que R$ 200 mil, ou seja, quase R$ 14 mil por prova — no caso do Mundial.

Com toda essa dificuldade, o mínimo que devemos fazer é nos interessar mais, pois no Brasil o fora de estrada está sendo bem organizado e o grande público adora este esporte. Então, por que ainda há uma desconfiança? Por que um piloto da motovelocidade tem maior status? Será que é o glamour? Ou talvez seja porque o piloto de OFF-ROAD não use aquele belo macacão?

O fato é que não podemos mais ignorar as modalidades do fora de estrada e a volta do Mundial de Motocross ao Brasil é nossa chance de vibrar, vestir a camisa suja de terra e divulgar este esporte, que se não é o mais caro, é um dos mais acirrados que existe.

Como sempre, oferecemos para os amantes do motociclismo mais uma edição de nossa revista, com muitas páginas fresquinhas de novidades, muitas ofertas de motos, peças e acessórios para você.

Um grande abraço,
André Jordão.


Equipe Moto.com.br

Receba notícias de moto.com.br