-87.html" />

Revista Moto

REVISTA MOTO.com.br - 22ª EDIÇÃO January de 2006

A internet vem auxiliando os motociclistas a escolher e comprar seu sonho duas rodas, procurando no mundo digital produtos e serviços relac

Nos últimos tempos temos verificado o movimento de vários lojistas que estão investindo para melhorar o atendimento seja na venda ou no pós-venda. Algumas lojas multi-marcas estão assumindo bandeiras ou ampliando suas instalações. Tudo isso tem uma explicação. Seja qual for o segmento, os clientes estão cada vez mais exigentes e informados.

Uma pessoa que pode gastar mais de R$ 10.000 para poder curtir uma moto, em geral possui facilidades de conexão com a Internet, e por ai, tem condições ilimitadas de buscar ou trocar informações sobre o que lhe interessa, além da imensa força dos motoclubes ou motogrupos, formado por grande parte dos motociclistas.

Com toda essa rede de informação, o cliente chega muitas vezes mais afiado no assunto de interesse que os próprios atendentes. É comum verificar a discussão sobre versões de determinado modelo, que tem ou não um acessório ou detalhes de pintura, além de detalhadas especificações técnicas. O comprador normalmente já sabe o que quer, é muito mais objetivo que antes, já que pode estudar no conforto de sua casa as diversas opções disponíveis através da Internet. Este é um fenômeno irreversível e que exige dos comerciantes e vendedores, uma adaptação ao novo mundo.

Imagine a quantidade de executivos e empresários que na correria do dia a dia não podem ficar aproveitando uma boa conversa com seu mecânico, analisando soluções e discutindo opções de manutenção, e por isso se torna prático e objetivo exigindo principalmente do pós-venda. Os comerciantes do ramo precisam se desdobrar para atender ao novo perfil de clientes, oferecendo soluções de leva e trás e agregados para os serviços convencionais.

Numa boa lavagem, alguns se estendem e oferecem a limpeza, ajuste de tensão e lubrificação da corrente, calibragem dos pneus, verificação do óleo de motor e freios e um reaperto geral, identificando possíveis pequenos problemas. O cliente que paga por essa "lavagem", em geral usa a moto para lazer e quer sair da oficina e andar e curtir, sempre precisar se preocupar com pormenores. Mesmo em panes mais sérias, um internauta motociclista pode estudar a solução do problema através de forums ou listas de discussão por e-mail e leva sua "jóia" para a oficina praticamente já com a solução, ou então com uma série de hipóteses derrubadas.

É por isso que vemos cada vez mais novas oficinas, mais amplas e organizadas, algumas já equipadas com dinamômetros além de diversos outros instrumentos de medição, e ainda, buscando qualificar seus consultores ou "chefe de oficina" para poderem captar as informações passadas por esses "pilotos sem tempo". São os lojistas se adaptando para receber os cada vez mais informados clientes de acordo com suas expectativas.

Esperamos assim, com a ajuda da Internet, das lojas e oficinas, acelerar ainda mais o crescimento desse mercado, aumentando o prazer de simplesmente curtir a moto.

Boa diversão!


Aquele abraço,


Equipe Moto.com.br