Ratinho fatura o principal título do Riffel MX

Na MX2, Marcello venceu, mas quem comemorou foi Gabriel que confirmou o título com a quarta colocação.

Por André Jordão

O piloto Marcello “Ratinho” Lima foi absoluto na pista nas duas baterias que disputou na etapa decisiva do Riffel Motocross – Campeonato Catarinense, realizado sob muita chuva neste domingo, em São Miguel do Oeste, junto à programação da Expo São Miguel. Diante de um público aficionado que mesmo sob o mau tempo não arredou o pé das dependências do motódromo Milton Becker, Ratinho venceu a MX1 de ponta a ponta e conquistou o título mais acirrado de toda a temporada, já que ele e Gabriel Gentil alinharam no gate empatados na pontuação. Porém na MX2, Marcello venceu, mas quem comemorou foi Gabriel que confirmou o título com a quarta colocação.

As baterias

Na MX1 as atenções estavam voltadas para Marcello “Ratinho” Lima e Gabriel Gentil. Ratinho largou na frente e abriu vantagem suficiente para ter calma mesmo quando teve problemas na embreagem de sua Honda ainda na metade da prova, garantindo o principal título do Riffel MX. “É um título inédito. Eu sou do Estado de São Paulo, sempre corri lá, já tive vários títulos paulistas e nunca tive a oportunidade de ter corrido em outro estado. Esta foi a primeira vez e já no primeiro ano consegui um título. Agora é só comemorar, porque foi muito bom”, disse o campeão.

Já o principal concorrente de Ratinho, Gabriel Gentil, ficou preso no gate de largada e iniciou a prova na última colocação. Gabriel aumentou o ritmo e antes de completar a primeira volta já havia se recuperado e garantido a terceira colocação e também o vice-campeonato. “A MX1 estava bastante difícil, molhado, escorregando bastante. Aconteceu um problema com o meu gate, ele não caiu, mas isso é coisa que acontece, não é culpa nem da Federação, nem culpa minha, é coisa de corrida, então larguei de último e logo na primeira volta já estava de terceiro colocado, fui pra cima do segundo, mas infelizmente não consegui passar. Mas foi uma temporada perfeita e agora é trabalhar para no ano que vem ser campeão da MX1 e MX2”, disse.

Eduardo Lima foi o segundo colocado. Milton e Elton Becker completaram o pódio da categoria.

Mas não foi apenas na MX1 que Ratinho dominou. Na MX2 o piloto travou uma disputa com seu irmão, Eduardo Lima que liderava a corrida até a quinta volta, quando Ratinho aumentou o ritmo e conseguiu assumir a liderança da bateria até a vitória.

Mesmo com uma situação confortável na ponta, Ratinho não tirou a mão, pelo contrário aumentou ainda mais o seu ritmo, dando um verdadeiro show no barro de São Miguel do Oeste. “Me senti bem na MX2, estava bem solto e sabia que na MX1 não ia ser diferente. Consegui largar na frente que é o essencial no barro e manter por bastante tempo meu óculos limpo, só no finalzinho eu precisei tirar. Estava com muita vontade de vencer, queria muito vencer as duas baterias”, disse. 

Apesar de Ratinho ser o vencedor da MX2, quem comemorou mesmo foi Gabriel Gentil. O piloto que estava praticamente com as duas mãos no título, precisava apenas terminar a prova para ser campeão. Gabriel andou com muita calma e comemorou o título da temporada com a quarta colocação. “Na MX2 eu passei na pista, precisava fazer apenas um ponto se o Leandro Smakovicz ganhasse, ele foi quinto colocado, então foi uma prova muito tranqüila. Foi uma temporada perfeita, comecei o campeonato muito bem, então vim bem motivado para a última etapa agora, até porque campeonato a gente tem um só durante o ano inteiro e corrida a gente tem 10, então o que vale mesmo é o campeonato no final do ano e já estava com o título da MX2 na mão e acredito que daqui pra frente vou trabalhar forte para 2010 repetir o título”, disse o campeão.

Dudu Lima novamente foi o segundo colocado, formando uma dupla dobradinha com seu irmão, Ratinho, na última etapa do Riffel Motocross. Anderson Cidade foi o terceiro, e Leandro Smakovicz completou o pódio com a quinta colocação. Com esse resultado, Dudu Lima garantiu o vice-campeonato da categoria.

Se na MX1 e MX2 os irmãos Lima fizeram a festa, na MX3 foi a vez dos irmãos Becker comemorarem. Correndo praticamente em casa, Milton “Chumbinho” e Elton Becker dominaram a bateria da MX3 de ponta a ponta e comemoraram a quarta dobradinha no Riffel Motocross.

Chumbinho que empresta seu nome ao motódromo local largou na frente e venceu de ponta a ponta. Na última volta, como já virou tradição, tirou a mão do acelerador para esperar Elton que vinha na segunda colocação e cruzarem a chegada juntos. “É um privilégio que poucos têm de disputar corridas e campeonatos ao lado do irmão, ainda mais terminar a temporada aqui pertinho de casa. Corri um ano por São Miguel do Oeste, tenho muitos amigos aqui, que ajudaram no crescimento do esporte junto com a gente. Infelizmente não pude participar das primeiras etapas porque estava me recuperando de uma lesão, mas fiquei muito feliz com os resultados que tive depois da minha volta”, comentou Chumbinho.

Elton fez uma corrida tranqüila, cumprindo calendário, já que garantiu o título com uma etapa de antecedência. “Mais um título importante na minha carreira e disputando mais uma corrida ao lado do meu irmão. Agora sou Campeão Catarinense mais uma vez, só não sei direito quantas vezes, tenho que fazer a conta ainda, mas acredito que seja mais de 10 vezes”, contou o campeão.

Erivelto Nicoladelli terminou a bateria na terceira posição e confirmou o vice-campeonato. Anísio Clasen e Carlos Eduardo Coelho completaram o pódio.

Na intermediária apenas cinco pontos separavam o líder, Victor Feltz, do vice-líder, Maicon Kraemer. Maicon iniciou a corrida na frente e liderou até a metade da prova, com Victor em segundo. Na sétima volta, Maicon escorregou e caiu para a terceira posição. Victor assumiu a liderança e confirmou o título da temporada 2009. “Fui com calma porque terminando na segunda colocação já ficaria com o título. O Maicon caiu e eu acabei ganhando a posição e nesse momento tive certeza que seria o campeão”, contou Victor.

Maicon Frena foi o segundo colocado, seguido de Maicon Kraemer, Fernando Reis e Tauan Brenner.

Tauan Brenner também confirmou o título da classe 85cc com a quarta colocação na prova. Hallex Dalfovo que também buscava o campeonato pressionou durante toda a bateria, assumiu a segunda colocação, mas não foi suficiente para ficar com o título. O gaúcho Gustavo Roratto foi o vencedor da prova.

Com os campeões e vices definidos já na sétima etapa, as classes Nacional e Nacional 230cc tiveram como vencedores Paulo Roberto Britzske e Rafael Todeschinni, respectivamente. O campeão da classe Nacional é Ramon França, com Fábio Lana como vice-campeão. Já na Nacional 230cc, Osmar Mosimann Neto levou o campeonato e Carlos Machado, o vice.

Na 65cc, a briga foi pelo vice-campeonato, já que Rodrigo Riffel garantiu o título da categoria já na sexta etapa e nem chegou a correr em São Miguel do Oeste. Kaue Vieira, Leonardo de Souza e Luciano Oriano Júnior tinham apenas quatro pontos de diferença no campeonato. Luciano Oriano Jr. foi o vencedor da bateria e garantiu o vice-campeonato com apenas um ponto de diferença para Kaue, terceiro colocado na prova e no campeonato. Leonardo de Souza terminou a bateria na segunda colocação.

Os pequenos da 50cc disputaram embaixo de muita chuva. Por conta das condições climáticas, o trajeto da bateria foi diminuído, assim como o tempo de prova. O gaúcho Arthur Todeschini venceu a prova, mas quem comemorou muito foi Pietro Pimentel, que com a segunda colocação garantiu o titulo da temporada. Wagner Oliveira terminou em terceiro ficando com o vice-campeonato.


Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br