Rally Dakar é oficialmente cancelado

Organizadores afirmam ter recebido ameaças terroristas em relação à prova deste ano.

Por Leandro Alvares

A organização do Rally Dakar fez, nesta sexta-feira, o anúncio oficial do cancelamento da famosa disputa off-road, que aconteceria entre os dias 5 e 20 deste mês, entre Portugal e Senegal. Em 30 anos de existência do evento, é a primeira vez que tal medida foi tomada.

A não realização da prova em 2008 deveu-se às ameaças de atentados terroristas na região da Mauritânia, país no qual seriam disputadas oito das 15 etapas do rali.

“Considerando as atuais situações de tensão política em nível internacional, o assassinato de quatro turistas franceses, no dia 28 de dezembro, atribuído a um grupo da Al Qaeda, no Magreb islâmico, e acima de tudo às ameaças diretas lançadas contra a prova por movimentos terroristas, não podemos tomar outra decisão senão a anulação da prova”, disse a ASO (Amaury Sport Organization), promotora do evento, em comunicado oficial.

“A primeira responsabilidade da ASO é a de garantir a segurança de todos: populações dos países atravessados, concorrentes amadores e profissionais, sejam eles franceses ou estrangeiros, elementos da assistência técnica, jornalistas, patrocinadores e colaboradores do rali”, prosseguiu o anúncio.

“A ASO condena a ameaça terrorista que anula um ano de trabalho, de inscrições e de paixão para todos os participantes e diferentes atores do maior rally do mundo. Consciente da imensa frustração, vivida em particular em Portugal, Marrocos, Mauritânia e Senegal, bem como o desapontamento e as severas conseqüências econômicas em termos de retorno direto e indireto nos países visitados, continuaremos a defender os valores que caracterizam os grandes acontecimentos esportivos e prosseguiremos com a mesma determinação o desenvolvimento das ações humanitárias”, destacou a ASO, que também fez questão de salientar a força do Dakar.

“O Dakar é um símbolo e nada pode destruir os símbolos. A anulação da edição 2008 não coloca em causa o futuro da prova. Propor, em 2009, uma nova aventura a todos os amantes do rally é um desafio que a ASO irá assumir nos próximos meses, fiel à sua presença e paixão pelo esporte”, concluiu a promotora.

O medo quanto à segurança dos competidores teve início na véspera do Natal, quando quatro turistas franceses foram mortos em um atentado — atribuído à Al Qaeda por alguns governos — na Mauritânia. Três dias depois, quatro soldados mauritânios morreram em outra ação terrorista.

Apesar do temor, os dirigentes do Dakar haviam inicialmente negado qualquer tipo de cancelamento das etapas mauritânias, alegando terem a garantia de segurança de todos os participantes por parte de mais de três mil agentes de segurança, que fariam o cerco da região.

Ontem, porém, o governo francês emitiu um comunicado aconselhando os competidores de sua nação a não participar das especiais da Mauritânia. “Os organizadores do rali foram informados dos riscos de terrorismo durante uma reunião no Ministério de Relações Exteriores e Européias”, disse o porta-voz do governo francês, Laurent Wauquiez.

Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br