RALLY CERAPIÓ 2006

Cerapió se prepara para o início da maior prova off-road de Regularidade do país.

Por Fredy

No ano em que completa 19 anos de existência, o Enduro-Rally Cerapió vai marcar o início do Campeonato Brasileiro de Enduro de Regularidade. Considerado o esporte off-road de maior tradição no Norte-Nordeste e a maior prova de regularidade do Brasil, o evento terá início na próxima segunda-feira, em Fortaleza-CE, e seguirá até o dia 28, passando por quatro estados nordestinos, com destino a Teresina, no Piauí.

O Cerapió é a única prova no mundo que reúne seis modalidades diferentes: motos, carro 4X4, carros 4x2, quadriciclos, bikes e trekking. Também é uma promoção que se preocupa com as ações sociais, uma vez que, dentro da competição acontecem os projetos AMBIENTE-SE, que leva informação e orientação sobre os cuidados com a natureza e o projeto BOCA DA TRILHA, que visa à prevenção da saúde bucal das pessoas das comunidades mais distantes.

Faltando seis dias para o começo da aventura, a prova já ultrapassou a barreira dos 500 no número de inscritos, com competidores de 24 estados da Federação e ainda da Itália, França e de Portugal. A modalidade que garantiu o maior número de participantes foi a das motos (320), motivada pela abertura do Enduro de Regularidade. A única baixa para a 19ª edição do evento ficou por conta do trekking, cancelado em função do pequeno número de interessados.


A maior novidade em 2006 encontra-se no roteiro, que passará por quatro estados e está sendo considerado o mais interessante de todas as edições do Cerapió. Os 1.600 km enaltecem as curiosidades e belezas do Nordeste. "O Cerapió tem um diferencial que merece destaque, afinal é uma prova que tem mar, dunas, serras, caatinga, sertão, florestas, piso de barro, cascalho, areia, sol, clima ameno e chuva. É uma mistura de climas, paisagens e de heterogeneidade de povos que impressiona a todos os participantes", descreve o diretor geral e idealizador do Cerapió, Ehrlich Cordão.

Na primeira etapa, um pouco do litoral mais charmoso do país, que são as praias do Ceará, sem falar na capital Fortaleza, que atrai turistas de todo o mundo. No segundo dia, o interior do Rio Grande do Norte revela belezas e riquezas, como a passagem pelos poços de petróleo da Petrobrás, cidades serranas e de clima amenos e as riquezas arqueológicas. Na Paraíba, destaque para o Vale dos Dinossauros, que é motivo de estudos científicos.

Novamente, o Ceará mostra um cenário único do sertão brasileiro, com destaque para o Vale do Cariri, a primeira floresta nacional do Brasil, a do Araripe, e cidades históricas, como Juazeiro do Norte e Barbalha. No quarto dia, mais sertão e caatinga, entrando no Estado do Piauí, com destaque para cidades históricas; Picos, a terra do mel.

Por último, um pouco de história, quando os competidores seguirão as mesmas trilhas por onde passou a Coluna Prestes, já perto da capital do Piauí, a única do Brasil totalmente situada no sertão e terra onde é produzido o único refrigerante natural do mundo: a cajuína. Em Teresina, a caravana de mais de mil pessoas conhecerá os campeões de cada categoria.

Bate papo histórico

Tudo começou em Abril de 1987, num bate papo informal entre Ehrlich Cordão, na época gerente da Automaq Motos, concessionária Yamaha em Teresina-Pi, e Galdino Gabriel, programador de sistemas. No primeiro momento, o Enduro era para ser chamado de Enduro da Integração, na idéia de unir os pilotos dos dois estados pioneiros na prática de enduro de regularidade na região norte e nordeste do país. O papo amadureceu e ficou definido as funções de cada um: Ehrlich Cordão, cuidaria da parte de marketing e divulgação e Galdino Gabriel, da parte técnica da prova.

O primeiro levantamento aconteceu no feriado de 7 de Setembro de 1987, feito por Gabriel e Alfio, um italiano recém chegado a Fortaleza e proprietário até hoje de uma pizzaria tradicional da cidade chamada de "La Trattoria". A conferência da planilha foi realizada no feriado do dia de finados, por Cordão, Gabriel e Franz George.

Durante o levantamento, os três desbravadores das trilhas descobriram uma área de terra em litígio entre os estados do Ceará e Piauí e numa conversa com um caboclo da região para saber onde os três estavam, o mesmo falou que lá era o Cerapió-Piocerá! Na verdade ninguém sabia a quem a área pertencia, e não sabiam onde estavam; se era no Piauí ou no Ceará. Foi então que a prova passou a ser chamada de Cerapió (quando sai do Ceará para o Piauí) e Piocerá (quando o roteiro é inverso).

Ao longo de 18 anos, o evento cresceu e evoluiu juntamente com as motos: naquela época participavam DT 180 Yamaha, XLX 250 Honda e as Agrales 27.5, motos importadas. Computadores de bordo nem pensar! A navegação, era feita por máquinas de calcular adaptadas, tipo "RallyControl" e tabelas pregadas nos tanques das motocas, que auxiliava o piloto.


Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br