NOVO DISPOSITIVO NOS SERTÕES

Sentinel ajudará os competidores com a sinalização.

Por Thiago Fuganti

A maior prova off-road da América Latina e uma das maiores do mundo em número de participantes vai adotar um novo sistema de segurança na edição de 2006. Neste ano, todos os carros, motos, caminhões e quadriciclos do Rally dos Sertões deverão estar equipados com o Sentinel, aparelho que emite sinais sonoros e luminosos para alertar pilotos e navegadores de que outro veículo está em um raio de até 200 metros, evitando riscos de colisões na poeira e atropelamento nas ultrapassagens.

A decisão de adotar o Sentinel foi tomada durante uma reunião em Paris entre representantes do Rally dos Sertões, da Federação Internacional de Motociclismo (FIM) e da Confederação Brasileira de Motociclismo (CBM).

O dispositivo já é utilizado obrigatoriamente em todas as etapas do Campeonato Mundial de Rally Cross Country, entre elas o Sertões, e o próprio Dakar. A utilização poderá minimizar um dos momentos mais tensos e perigosos de uma prova de rali cross country: a ultrapassagem de motos mais lentas por carros e caminhões.

A poeira, a estrada estreita, o barulho do motor, o uso de protetores de ouvido e o capacete quase sempre impedem o piloto da motocicleta de perceber que tem um outro veículo atrás pedindo passagem, mesmo com a buzina em ação. Em situações como essa, os competidores mais velozes acionam o Sentinel e automaticamente acende uma luz no painel da moto da frente, além de um alarme sonoro. O competidor perceberá a existência de um veículo nas costas e poderá parar em um local seguro, abrindo a passagem.

O Sentinel também poderá entrar em ação quando um piloto se perder e voltar na contramão, ou até mesmo em regiões com várias bifurcações e labirintos, onde uma batida de frente entre dois competidores, tanto de carro quanto de moto, é iminente. Neste momento os “perdidos” acionam o aparelho e quem estiver por perto saberá que outro veículo circula pela região.

“A segurança de competidores, espectadores e de todas as pessoas envolvidas na prova é a nossa prioridade”, afirma Marcos Moraes, presidente da Dunas Race, empresa organizadora do Sertões. “Já adotamos no ano passado o limite de velocidade para carros, motos, caminhões e quadriciclos e agora estamos implementando o Sentinel”, lembrou. Na edição de 2005 todos os participantes usaram o Spy, aparelho que “fiscaliza” a velocidade máxima dos competidores, limitada a 150 km/h.

As provas de rali no Brasil, como o Sertões, são mais evoluídas em segurança do que muitas competições organizadas por empresas da Europa, considerada a Meca do rali mundial. No Dakar, por exemplo, não é exigido de pilotos e navegadores de carros e caminhões o uso de macacão e sapatilha anti-chamas – uma obrigatoriedade por aqui. Com o calor do deserto do Saara, a maioria usa bermuda e camiseta durante as etapas cronometradas.

E só aqui no Brasil o regulamento obriga que os competidores de carros e caminhões tenham rádios para anunciar a ultrapassagem. Se a poeira interferir na visão, o carro que está na frente, e mais lento, é obrigado a parar em local seguro e deixar o concorrente passar. No Dakar, a ultrapassagem é feita onde der, quando der e da forma que der no “peito e na raça”. Ou seja, mais risco para os participantes.

O Sentinel, da empresa francesa Protech Engineering, deverá ser alugado pelos competidores diretamente com a fabricante, que terá dois representantes europeus acompanhando o Sertões 2006 para dar a manutenção nos equipamentos durante a prova e tirar dúvidas dos participantes.

O Sertões 2006 será disputado entre os dias 24 de julho e 4 de agosto, entre Goiânia e o litoral da Bahia.



Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br