ENTRE OS NOVE FAVORITOS

MOTO.com.br entrevista o representante brasileiro da categoria motos no Rally Dakar.

Por Fredy

Apontado como um dos nove favoritos ao título da categoria motos no principal evento off road do mundo, Jean Azevedo se disse otimista para a edição de 2006 do tradicional Rally Dakar, que se inicia no próximo dia 31.

Em entrevista ao MOTO.com.br, o brasileiro da equipe Petrobras Lubrax falou, entre outras coisas, sobre sua ansiedade pela prova, a qual reunirá 240 competidores das duas rodas para 15 dias de adrenalina e muita disputa.

Na lista dos fortes candidatos ao primeiro lugar, divulgada recentemente pela organização do Dakar, oito são pilotos da KTM, entre os quais Azevedo e os atuais campeões e vice da competição: o francês Cyril Despres e o espanhol Marc Coma, respectivamente.

Confira a seguir o bate-papo com o piloto:

MOTO.com.br: Jean, quais as expectativas para o Dakar 2006, já que a equipe conta com novo equipamento? 

A expectativa por um bom resultado é grande, neste ano contaremos com a nova motocicleta KTM LC4 Rally, protótipo que será utilizado pelos 11 pilotos oficiais da marca, porém ainda não contamos com a mesma estrutura de apoio que eles têm da fabricante. Nossa equipe terá também o apoio de um caminhão conduzido por meu mecânico, Geraldo Lima, com assistência mecânica e peças sobressalentes. Minha expectativa é chegar entre os dez primeiros. Num Dakar tudo pode acontecer, e quem sabe podemos beliscar um pódio.

M: Quanto ao novo regulamento, limitando as motos para a velocidade final de 160 km/h, devido aos acidentes fatais ocorridos no último Dakar, o que você acha?

É complicado, creio que é o tipo de medida que não favoreça tanto a segurança, pois agora o piloto tem de estar atento à pista, à planilha e também à velocidade, fator que acredito tirar nossa concentração. Então creio que outras medidas poderiam vir mais a favor da segurança. Quanto à técnica acho que piorou, pois tirou a perícia de pilotos, que não são todos, capazes de atingir velocidades acima dos 200 km/h em terrenos de extrema dificuldade. 


M: A organização apontou você como um dos nove favoritos ao título, como você encara o fato?

Este favoritismo não me assusta nem um pouco, fico bastante contente por ser lembrado e vou utilizar isto como estímulo para acelerar ainda mais. O fato é que, como eu disse, num Dakar tudo pode acontecer.

M: O que você achou da mudança do regulamento quanto ao tamanho e capacidade do tanque de combustível? 

Tendo em vista a diminuição de velocidade, os trechos mais sinuosos e travados serão um dos diferenciais neste Dakar, e a KTM projetou esta moto para essas características: cerca de 25 kg a menos que a versão de 2005, com autonomia caindo de 350 para 250 km; nas paradas teremos 15 minutos para descansar, tomar água e comer algo.

M: Como foi sua preparação para superar os mais diversos perigos do Dakar?

Nunca estive tão bem preparado; neste ano conto com o melhor equipamento dentre as oito edições que já participei. Além de uma rigorosa preparação física e específica para a pilotagem de moto, tive diversas provas do certame nacional que me ajudam neste preparo. Em 2005 não tive do que reclamar, conquistando o penta no Rally dos Sertões e penta no Rally Cross Country, o que me ajuda na confiança e preparo. Em novembro estivemos no Deserto do Atacama, no Chile, e lá ao lado do campeão mundial da categoria 400cc, o chileno Carlo de Gavardo, realizamos uma espécie de mini Dakar, onde percorremos 2.500 quilômetros num local que se assemelha muito ao que enfrentaremos a partir do dia 31. 

M: Na edição passada, você foi o primeiro piloto brasileiro a conquistar uma etapa do Dakar. Temos chances de vê-lo neste ano em primeiro na geral, com a conquista do título?

Como eu disse tenho um bom equipamento, mas não tenho a estrutura de fábrica. A diferença está no apoio durante a prova. Os competidores oficiais têm pilotos que os acompanham durante o trajeto, o que faz com que eles tenham ajuda na hora, por exemplo, em que a moto afunda na areia ou uma peça sobressalente alia à sua disposição, sem ter de perder tempo. Por isso busco estar entre os dez primeiros e é lógico se puder buscarei uma posição no pódio.

MOTO.com.br: É isso aí Jean, obrigado e nós aqui no Brasil estaremos torcendo por você e por toda a equipe Petrobrás / Lubrax no Rally Dakar 2006. Boa Sorte!!"



Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br