YAMAHA FAZ TRINCA NOS TESTES

Rossi comemora evolução da Yamaha e fala novamente sobre a Fórmula 1.

Por Thiago Fuganti

Pelo segundo dia consecutivo, as Yamaha dominaram os treinos de pré-temporada da MotoGP no circuito de Losail, no Qatar. O mais rápido, novamente, foi o italiano Valentino Rossi, cujo tempo progrediu 0s83 em relação ao registrado na segunda-feira.

“Completamos uma longa série de voltas e, como no dia anterior, tudo saiu conforme havíamos planejado”, disse Rossi, que percorreu a pista em 60 passagens. “Pela manhã, nos concentramos apenas nos acertos da moto e já estamos quase acabando com os problemas de vibrações da YZR-M1”, destacou o piloto.

“Fizemos algumas pequenas alterações e o equipamento respondeu muito rapidamente, o que me passou uma ótima sensação”, acrescentou o “Doutor”, que focou seu trabalho no desenvolvimento dos pneus Michelin, no período da tarde.

Colin Edwards, companheiro do heptacampeão da categoria, ficou em segundo, com Carlos Checa — já recuperado da queda sofrida anteontem — na terceira posição, a bordo da Yamaha Tech 3. O detalhe em relação aos três primeiros é que foram os únicos a andar abaixo de 1min57s.

A Suzuki, em ritmo de evolução após os problemas apresentados em seus equipamentos nos testes da Malásia, na semana passada, ficou com o quarto e quinto giros. Ducati e Kawasaki também estiveram na pista.


Confira os tempos da terça-feira:

1) Valentino Rossi (ITA/Camel/Yamaha), 1min56s53
2) Colin Edwards (EUA/Camel/Yamaha), 1min56s81
3) Carlos Checa (ESP/Tech 3/Yamaha), 1min56s9
4) John Hopkins (EUA/Suzuki), 1min57s63
5) Chris Vermeulen (AUS/Suzuki), 1min57s83
6) Shinichi Ito (JAP/Ducati), 1min58s90
7) James Ellison (ING/Tech 3/Yamaha), 1min58s98
8) Olivier Jacque (FRA/Kawasaki), 1min59s40



F-1, um jogo para o italiano.


Para gerar ainda mais polêmica quanto à possível ida de Valentino Rossi para a Fórmula 1, o italiano resolveu falar o que pensa sobre a categoria de monopostos. E suas declarações aparentemente tiveram, digamos, certo tom de deboche.

“A F-1 para mim, neste momento, é como um jogo. As motos seriam como jogar basquete e a F-1 como jogar pebolim com meus amigos”, afirmou Rossi, em entrevista ao jornal italiano “Gazzetta dello Sport”.

Se alguém imagina que o piloto esteja pensando, agora, sobre mudar de categoria, enganou-se. Rossi, segundo ele mesmo garantiu, preocupa-se somente com a próxima temporada da MotoGP.

“Testar na F-1 é uma diversão que não me cansa. E sei que posso fazer as duas coisas sem problema, mas a minha prioridade é a moto. Estou andando forte com a Ferrari, mas meu objetivo é ganhar com a Yamaha”, avisou.

Após os testes realizados em Valência, na última semana, Rossi disse que voltará, sim, a testar com a Ferrari ao longo do ano. O contrato do piloto com a Yamaha se encerra em dezembro, por isso, até lá muita coisa ainda vai ser dita sobre as chances de troca de categoria por parte do multi-campeão.






Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br