Moto2 substitui classe das 250cc em 2011

Federação Internacional de Motociclismo divulgou o regulamento da categoria de 600 cilindradas.

Por Leandro Alvares

A Federação Internacional de Motociclismo (FIM) revelou nesta quinta-feira os detalhes técnicos da categoria que vai substituir as 250cc no Mundial de Motovelocidade.

Batizada de Moto2, a nova classe terá seu primeiro campeonato em 2011, com equipamentos de 600 cilindradas.

Os motores das máquinas poderão ter quatro cilindros no máximo, seguindo uma série de limitações para manter a competitividade acirrada.

As motos tetracilíndricas ficarão restritas aos 16.000 rpm e ao peso limite de 53 kg (motor). Já as tricilíndricas deverão ter 15.500 giros e 50 kg, enquanto as bicilíndricas serão limitadas a 15.000 rpm e 47 kg.

Neste novo torneio, os pilotos só poderão utilizar uma moto por corrida e apenas dois motores. Para não haver trapaças, as equipes terão de apresentar os números de série dos propulsores no Controle Técnico um dia antes do início dos treinos livres.

Ao contrário do Mundial de Supersport, que utiliza motocicletas de 600cc de série, a Moto2 exigirá dos times a construção de um protótipo para o campeonato. Para reduzir os custos, será vetado o uso de composto de carbono nas rodas e até mesmo nos freios.

Outra medida para conter os gastos é a permissão de compra e venda de motores entre as equipes, ao preço de 20 mil euros após o término de cada corrida.

Com o fim das 250cc, criada em 1949, a Motovelocidade passará a ter apenas uma categoria restrita aos motores dois tempos: as 125cc. Resta saber, contudo, se a chegada das 600cc não implicará em alterações na classe de entrada para o Mundial, que tende a ficar menos atrativa para desenvolvimentos técnicos em função da distância que a separa das motos de 600 cilindradas.


Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br