Índia de olho na MotoGP

País que deverá receber a Fórmula 1 em 2010 também quer realizar o GP da Índia de MotoGP.

Por Adilson

O futuro do GP da china de pode estar em dúvida, mas outro mercado emergente, Índia, está mostrando interesse em receber a MotoGP e conta ainda com o suporte da atual equipe campeã da categoria, a Ducati.

“Esse é o momento certo para entrar no mercado e a Índia está em condições para receber esse importante evento de moto”, disse Gabriele Del Torchio, o diretor executivo da Ducati, que introduziu a montadora italiana no território indiano.

A Yamaha já está vendendo motos de alta cilindrada no país, como a MT01 de 1670cc e a R1 de 1000cc, e seus concorrentes da MotoGP como Honda e Suzuki também estão planejando vender motos maiores num futuro próximo.

Em resposta para esse no mercado de “motos premium”, Del Toro já discutiu com a Dorna Sports, empresa que comanda a MotoGP, sobre a possibilidade de ter um Grande Premio da Índia.

“Eu falei com o Carmelo Ezpeleta (CEO da Dorna) para trazer o circo da MotoGP para a Índia. Se o evento pode acontecer no Catar, China, Malásia e Austrália, eu acho que a Índia também tem uma grande chance de receber, com o aperfeiçoamento em infra-estrutura e com os planos para o circuito para a Fórmula 1 se firmando. Se tudo der certo poderemos ter uma corrida de motos em breve na Índia”, afirmou.

A revista “Times” indiana publicou recentemente que a possibilidade de haver uma corrida de MotoGP também tem sido discutida pelos fabricantes de automóveis e pelo governo indiano.

“Estamos vendo as opções para trazer a MotoGP para a Índia e com o autódromo de Fórmula 1 que está por vir, pode ser um possível lugar para os eventos desse tipo”, disse Vicky Chanhok, da Federação de Esportes a Motor da Índia.

“Esse circuito abrigará não somente a Fórmula 1, mas também a MotoGP e outras competições, como a Superbike”, destacou.

A índia espera receber seu primeiro GP de F-1 em 2010. Atualmente, existem dois autódromos privados no país, em Coimbatore e em Chennai, mas ambos teriam que sofrer alterações em sua infra-estrutura para a segurança da categoria de motos.

Com pilotos e equipes se opondo para ter mais uma etapa das 18 já existentes, uma das etapas teriam que deixar de realizar o evento para que a Índia pudesse entrar no circuito.

Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br