Brasil fica em 12° no Supermoto das Nações

A estréia do Brasil na competição ficará na história do motociclismo nacional por conta da expressiva atuação da Lawanteam.

Por Roberto Brandão

A estréia do Brasil no Supermoto das Nações ficará para sempre registrada na história do motociclismo nacional. Pela primeira vez na disputa da maior competição do planeta na modalidade, o país, representado pelos atletas Lawanteam, Cauê Aguiar (Open), Juliano Meira (SM2) e Rafael Fonseca (SM1), conquistou uma expressiva 12ª posição neste domingo (2).

Após a classificação para as finais garantida já no sábado, hoje a seleção brasileira foi ainda melhor e conquistou um lugar de destaque no cenário mundial do Supermoto. Os destaques do dia foram os pilotos Cauê Aguiar, 15º e 19º, e Rafael Fonseca, 16º nas duas baterias que disputaram. Na soma dos resultados dos três pilotos, o Brasil terminou o dia com 95 pontos perdidos, somente 14 atrás da seleção da França Júnior, 7ª colocada.

Mesmo tratando-se de uma estreia, o resultado representou o melhor desempenho de uma seleção no Nações, seja ele de Supermoto ou Motocross. Vale ressaltar que a equipe viajou para a França sem o respaldo de nenhum grande patrocinador ou apoio de alguma marca fabricante de motos. Além disso, a delegação desembarcou apenas um dia antes dos treinos e classificatórias, o que tornou o trabalho ainda mais difícil pela falta de tempo para acertar as motocicletas.

Contudo, as dificuldades foram superadas com garra e dedicação e a equipe nacional conquistou um resultado jamais alcançado por um time brasileiro em competições internacionais. O resultadoa, inclusive, não emocionou apenas os brasileiros que estavam presentes em Cahors, mas diversas outras nações que vibraram e fizeram questão de participar da festa de encerramento no box da equipe Lawateam. O sucesso foi tão grande que o time recebeu diversos convites para competir em outros países (Eslovênia, Argentina, Bélgica e Itália).

“É inexplicável o que estamos sentindo agora. Só quem esteve aqui sabe o que tivemos de passar para conquistar esse grande resultado. Por isso, hoje saiu daqui de alma lavada e com o sentimento de dever cumprido. Foi melhor do que imaginávamos e, o mais importante, é que colocamos o nome do Brasil entre as melhores nações do planeta. Agradeço a todos que mandaram mensagens no site e que torceram por todos nós aí do Brasil” disse emocionado Cauê Aguiar, piloto da classe SM Open.

Simão Lawant, chefe de equipe e principal responsável pela ida da equipe à França, também se emocionou com o resultado obtido pela equipe brasileira. “Eu estava um pouco preocupado com a falta de potência de nossas motocicletas em relação ao das outras equipes. Estávamos perdendo cerca de 1,5 segundos por volta, ainda assim, graças a grande habilidade de nossos pilotos compensamos essa perda em  outros trechos do circuito e atingimos o nosso objetivo que era ficar entre as 15 melhores nações do planeta.

Veja a classificação final do Supermoto das Nações:
1) França
2) Itália
3) Alemanha Júnior
4) Finlândia
5) Alemanha
6) Inglaterra
7) Fraça Júnior
8) Estônia
9) Suécia
10) República Tcheca
11) Eslovênia
12) Brasil
13) Espanha Júnior
14) Bélgica
15) Dinamarca
16) Espanha
17) Argentina
18) Letônia
19) Inglaterra Júnior


Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br