AUSTRÁLIA RECEBE O WSBK

Emoção registrada no GP do Qatar deve se repetir em Phillip Island neste fim de semana.

Por Thiago Fuganti

A primeira etapa do Mundial de Superbike 2006, disputada no Qatar, contou com inúmeros personagens de destaque. Dois deles, como não poderia ser diferente, foram os vencedores: James Toseland e Troy Corser, este último o atual campeão do certame, que duelou com Troy Bayliss até as últimas curvas da segunda prova do sábado para faturar o topo do pódio.

O ex-piloto da MotoGP, aliás, teve um desempenho satisfatório na rodada dupla, embora não tenha confirmado o favoritismo dos treinos, quando cravou a pole position. Bayliss obteve dois segundos lugares, o que lhe garantiu a liderança do campeonato, com 40 pontos, dois à frente de Corser.

Mas ninguém no circuito de Losail realizou tantas manobras de ultrapassagens como o estreante Alexandre Barros. Décimo colocado no grid, o brasileiro da Klaffi Honda se atrapalhou na largada, caindo para o 15º posto. O que se viu na seqüência, porém, foi uma aula de recuperação, cujo resultado final foi um sexto lugar.

“Eu fui jogado para a parte suja da pista devido ao acidente que aconteceu na primeira volta. Acabei caindo para 15º lugar e tive de fazer uma corrida de recuperação. Foi difícil porque a falta de potência do motor dificultou muito o meu desempenho, o que refletiu na hora das ultrapassagens”, explicou o também ex-competidor da MotoGP.

“Na segunda corrida não fiz uma largada tão boa e outra vez tive de correr atrás do prejuízo. Usamos um set-up diferente para a dianteira, que ficou bem melhor, mas a traseira acabou piorando um pouco”, contou Barros, sétimo colocado na segunda corrida, após nova demonstração de habilidade nas ultrapassagens — chegou a andar em 16º.

“Corremos contra o tempo durante o final de semana todo e só tivemos duas horas e meia de testes para poder encontrar referencias e informações sobre a moto”. A falta de tempo foi mesmo um problema para o representante do Brasil, que chegou ao GP do Qatar com apenas uma sessão de testes com a sua nova moto, enquanto os demais concorrentes haviam passado por uma maratona de trabalhos de pré-temporada.

O resultado da primeira etapa deixou Barros na quinta posição do campeonato, com 19 pontos. No próximo domingo, já será disputada a segunda prova do ano, em Phillip Island, na Austrália. “Lá o motor é muito importante e nós só iremos receber a versão melhorada da nossa máquina no treino de Valência, após esse GP. Ainda temos margem para melhorar e vamos trabalhar muito para compensar as deficiências”, avisou Barros.

A ilha australiana, localizada próximo à cidade Melbourne, é um lugar de muita beleza, praias e uma fauna exuberante. Mas o circuito de corridas também se destaca no cenário. A pista em si é considerada uma das mais rápidas do mundo e a vista na descida da reta Gardner quase leva o espectador a acreditar que ela termina no oceano azul à frente.

“É sempre um desafio correr em Phillip Island. É uma fascinante mistura de retas e curvas rápidas. Não podemos esquecer da natureza que também participa quando o elemento vento decide soprar”, comentou Barros, que tem boas lembranças do GP australiano.

“Em 2005 eu caí e em 2004 fiquei em quinto lugar. A corrida foi normal, perdi um pouco de tempo quando tentei ultrapassar o Loris Capirossi e depois fui buscar os líderes. Tive problemas de aderência e as coisas ficaram ainda mais difíceis. Agora eu estou de volta para lutar a bordo de uma Klaffi Honda Fireblade e mal posso esperar para chegar lá e correr contra os pilotos da casa, que serão muito rápidos. Mas eu sempre corro para vencer!”, finalizou.

A pista de Phillip Island tem 4445m de extensão. O recorde da pole position pertence a Troy Corser, na etapa de 1999 (1min32s193). Na corrida, o australiano estabeleceu 1min33s019.

A primeira corrida será disputada a partir das 22h (horário de Brasília) do sábado, com transmissão ao vivo do canal “Bandsports”. A segunda prova terá largada à 1h30 da madrugada de domingo no Brasil.


Resultados do GP do Qatar:


Corrida 1
1) James Toseland (ING/Honda), 18 voltas em 36min31s339
2) Troy Bayliss (AUS/Ducati), 36min31s427
3) Andrew Pitt (AUS/Yamaha), 36min33s729
4) Troy Corser (AUS/Suzuki), 36min33s938
5) Michel Fabrizio (ITA/Honda), 36min38s338
6) Alexandre Barros (BRA/Honda), 36min46s056
7) Roberto Rolfo (ITA/Ducati), 36min46s563
8) Pierfrancesco Chili (ITA/Honda), 36min52s522
9) Marco Borciani (ITA/Ducati), 36min53s789
10) Max Neukirchner (ALE/Ducati), 36min55s271


Corrida 2
1) Troy Corser (AUS/Suzuki), 18 voltas em 36min20s395
2) Troy Bayliss (AUS/Ducati), 36min21s420
3) Noriyuki Haga (JAP/Yamaha), 36min23s857
4) James Toseland (ING/Honda), 36min23s858
5) Andrew Pitt (AUS/Yamaha), 36min24s745
6) Lorenzo Lanzi (ITA/Ducati), 36min40s005
7) Alexandre Barros (BRA/Honda), 36min40s943
8) Michel Fabrizio (ITA/Honda), 36min41s578
9) Karl Muggeridge (AUS/Honda), 36min43s593
10) Ruben Xaus (ESP/Ducati), 36min46s928

Classificação do campeonato:
1) Troy Bayliss, 40 pontos
2) Troy Corser, 38
2) James Toseland, 38
4) Andrew Pitt, 27
5) Michel Fabrizio, 19
5) Alexandre Barros, 19
7) Noriyuki Haga, 16
8) Roberto Rolfo, 12
9) Muggeridge, 11
10) Lorenzo Lanzi, 10
10) Norick Abe, 10


Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br