CESVI Brasil indica itens que podem salvar a vida do motociclista

O motociclista não deve se preocupar apenas com as situações do trânsito propriamente ditas para se deslocar com segurança. Diversas circunstâncias podem colocar sua vida em risco, como buracos na via, quedas bobas (muita gente perde o equilíbrio com a moto parada) e até a linha da pipa de crianças próximas.

Pensando nisso, o CESVI BRASIL (Centro de Experimentação e Segurança Viária da MAPFRE) indica alguns acessórios que podem fazer a diferença entre o perigo e a segurança.

PROTETOR DE PESCOÇO
Em época de férias, é mais comum avistar meninos soltando pipa, principalmente em bairros residenciais. Por esse motivo, o motociclista tem de andar precavido: muitas linhas trazem cerol, uma mistura cortante de cola e vidro moído, capaz de ferir gravemente alguém – principalmente se tiver contato com o pescoço de um motociclista em alta velocidade. Para evitar esse risco, o motociclista pode adquirir um protetor de pescoço, confeccionado por fios de aço que impedem o corte feito pela linha com cerol. E outro recurso para esse tipo de proteção é a antena corta-pipa, que deve ser instalada na motocicleta. O acessório corta a linha da pipa antes que ela atinja o motociclista.

PROTETOR DE PERNA
Basicamente constituído por uma barra de ferro ou de alumínio, esse protetor fica instalado no chassi da motocicleta, nas partes laterais. No caso de queda com a motocicleta, esse acessório impede que a moto caia sobre o motociclista. Vale lembrar que equipamentos mais comuns, como luva, capacete e um bom calçado, são indispensáveis para essa proteção nos casos de queda.



VOCÊ SABE ESCOLHER UM BOM CAPACETE?
Ao comprar um capacete, tenha o mesmo princípio de quem compra uma roupa ou um sapato: a beleza é importante, mas a função do acessório deve vir em primeiro lugar. E, no caso do capacete, a função primordial é a proteção. Quando for experimentar o capacete, coloque-o na cabeça sem usar touca ou balaclava. Se você estiver de touca, o capacete até pode dar a sensação de ser do tamanho adequado, mas, quando você usar esse capacete sem a touca (em um dia de calor, por exemplo), o acessório pode ficar folgado na sua cabeça. Quando colocá-lo, observe se há algum incômodo, principalmente na região da testa.

Tenha em mente que a numeração do capacete não segue um padrão rígido: dependendo da marca do capacete, um mesmo número pode ser um pouco maior ou menor (mais ou menos como acontece com as roupas que você encontra no comércio). Por isso, não saia da loja sem se sentir confortável e seguro com seu capacete – assim você evita muita dor de cabeça com ele (literalmente!).
 
 
 

Fotos: Divulgação


Fonte:
Equipe MOTO.com.br




Compartilhe essa notícia

Receba notícias de moto.com.br