O Brasil já tem os três finalistas para o Internacional BMW GS TROPHY

Final de semana de suor, trabalho em equipe, e muita diversão em Amparo! Acabou a qualificatória do BMW GS TROPHY BRASIL 2021!

Por Trinity Ronzella

O Brasil já tem os três finalistas para o Internacional BMW GS TROPHY 2022!



Por enquanto os três brasileiros que irão pilotar as GS 1250 na Albânia já estão definidos! A dupla feminina que ainda está na disputa por uma vaga tem que aguardar o final das seletivas mundiais!

Foto: Trinity Ronzella


O moto.com.br esteve presente na cobertura da final do BMW GS TROPHY onde ficaram definidos os três brasileiros que irão para Albânia na grande final do International BMW GS TROPHY 2022!

Para nós o evento começou na sexta-feira 19 de Novembro quando fomos  fazer o reconhecimento do local onde aconteceria o evento e nos surpreendemos com a beleza do lugar e onde os participantes iriam passar!

Com chuvas seguidas antes do evento foi divertido chegar ao percurso interno que faria parte da prova de estratégia em equipe no sábado mas, se a chuva não parasse iria complicar! Parou!

Tudo acertado, fomos encontrar alguns participantes que marcaram uma pizza na cidade e, para nossa surpresa, a maioria dos participantes estavam lá, tomaram conta da pizzaria em Amparo!

Um jantar super descontraído e divertido com pessoas de vários lugares do Brasil rendeu boas risadas, muitas histórias e novas amizades obviamente, como tem que ser!

Foto: Divulgação

Eles todos sabiam que o final de semana seria exigente física e mentalmente mas, nem por isso deixaram de interagir, afinal, no dia seguinte poderiam estar na mesma equipe.

Como curiosidade, um dos participantes teve um problema com a moto e não faltou braço para ajudar! Em especial deixo meu agradecimento ao Alexandre Durigan Piu que, após uns pedaços de pizza, não pensou duas vezes em dividir seu conhecimento e tempo para ajudar um participante que estava lá para lutar por uma das três vagas disponíveis. Esse é o espírito do Piu, conhecido nacionalmente e também do GS Trophy! Parte do problema resolvido, foram todos para o descanso, pois o dia seguinte prometia! 

 

SÁBADO

Foto: Bruno Rindley

O pessoal chegou cedo para os trâmites normais, pegar numeração, levar bagagem para barracas e últimos preparos. Paralelamente rolava um outro Trophy para terminar de colocar a moto do Diego para funcionar, ela havia dado problema na sexta à noite e a solução seria efetuar a troca de uma vela, o que foi resolvido com a ajuda da organização e do incansável Piu. Obviamente que outros se empenharam para ajudar, e deixo aqui o agradecimento a todos pelo companheirismo!

Após o briefing, as equipes eram sorteadas, pegavam os mapas e já saiam para cuidar do planejamento e estratégia.  As equipes eram formadas por três integrantes que poderiam ter homens e mulheres juntos e misturados. Eram 59 participantes no total.

Foto: Divulgação

Dois mapas foram entregues, um da região e outro da fazenda, as equipes definiram o que iriam fazer mas, sabiam que existiam três PCs obrigatórios, dos quais elas teriam que passar em pelo menos um. Se não passassem, estavam desclassificadas. Detalhe, teriam 4 horas para conquistarem o maior número de pontos. Os mapas mostravam os PCs e quanto eles valiam. Mais pontos, mais difícil provavelmente. Tiveram pouco tempo para planejar ou nenhum, pois formou-se um gargalo que atrasou a entrega dos mapas e saída das equipes. Imprevistos acontecem e a estratégia começa a ser usada.  Sair na louca ou perder mais algum tempo para planejar e seguir um objetivo? Pois o horário de largada de cada equipe estava marcado, ela saindo ou não. Saindo atrasada, ficaria com menos tempo para captar pontos mas, sair sem plano pode ser pior…

  

Marquinhos - Foto: Divulgação                                                               Rapel - Foto: Divulgação

 

Pois bem, o mapa de dentro da fazenda era mais perto e mais curto mas…cheio de perrengues! Atoleiros, subidas, descidas, erosões, areia, trilhas, rapel, enfim, valiam mais pontos mas, exigia muito mais técnica e fisicamente. Equipes mistas fizeram esse trecho, coisa que eu, particularmente, deixaria como segunda opção devido a exigência física ser grande. Foi divertido e cansativo mas, todos que conversei adoraram esse trecho e o que ele proporcionou! Eles se ajudaram enquanto time e, além disso, ajudaram outras equipes também! Demais!

Lama das boas segurou o povo por um tempo! - Foto: Bruno Gaspar

 

Por outro lado, o mapa da região era bem maior e exigia mais quilômetros, menos técnica e sem perrengues, bem mais tranquilo, mas exigia mais planejamento, divisão de tarefas, responsabilidades e compreensão. Consistia em rodar com velocidade monitorada captando pontos e passando por PCs específicos para carimbar o passaporte. Tinham que saber interpretar o mapa que era em papel e também no aplicativo do celular, simples assim, seguir os caminhos! O segredo é sempre saber sua localização. Melhor perder tempo parando, interpretando o mapa e seguir adiante , do que seguir no embalo e ter que voltar e se achar no mapa. 

   

Carimbando o passaporte - Foto: Trinity Ronzella

 

Os participantes durante o deslocamento podem pedir informações às pessoas locais, ligar para amigos , rezar, enfim…fazer de tudo, mas…saber interpretar o mapa é o mais  seguro. Quer um exemplo?

Uma equipe foi informada que um dos PCs estava na “Estação”. Seguiram para a estação Rodoviária e ficaram procurando o que nunca iriam encontrar pois a estação era  Ferroviária.

Ou seja, é natural isso acontecer em provas de navegação, confiarmos nos “outros”, mas, pode ter consequência…e foi o que aconteceu. Voltaram sem o carimbo do PC obrigatório e foram desclassificados.

Tiveram que construir uma jangada e remar até o centro da lagoa - Foto: Divulgação

 

 

Encontrei algumas equipes nesse roteiro e foi muito legal ver a sinergia entre eles, estavam rodando felizes e se divertindo. Esse roteiro normalmente roda por estradas vicinais, estradas asfaltadas e trechos urbanos, ou seja, tem que estar dentro da lei para não serem multadas sem espelhos ou por excesso de velocidade, por exemplo.

 

 

Bom, de volta a fazenda foi legal ver e sentir a integração entre os competidores, eles estavam adrenados, cansados, felizes, bravos, tinha de tudo um pouco! Uns me diziam que jamais imaginavam passar por onde passaram e outros que nunca fizeram tanta força, mas, salvos alguns bravos, chateados e descontentes (que também acontece),  a imensa maioria estava feliz e com fome!

Da esquerda para direita: Fernanda, Rosa e Cecília - Foto: Divugação

 

Agora era hora de comer e tentar relaxar um pouco, seja dormindo, recebendo uma massagem ou simplesmente batendo papo com os amigos, pois à noite o bicho iria pegar novamente, só que individualmente!

Foto: Trinity Ronzella

 

Prova Noturna

Marcada para iniciar às 19h, o circuito estava técnico mas com tempo de sobra para ser feito, o segredo era fazer com menos pontos perdidos e mais rápido! As motos usadas seriam as próprias, então, quem tivesse uma moto menor com certeza levaria uma certa vantagem.

                                      Largada da pista noturna - Frazão e Luiz Almeida - Foto: Divulgação

 

Perdia tempo colocando os pés no chão, tombando a moto  ou encostando nas fitas que demarcavam o trajeto. Quem fizesse a pista com menor acúmulo de pontos estaria bem!

A prova noturna vem para ajudar os participantes que fizeram poucos pontos durante o dia. Mesmo sem saber quantos pontos tinha, todos têm a oportunidade de executar a prova e somar alguns pontos para estarem classificados para a final no dia seguinte.

A lama esteve presente - Foto: Bruno Gaspar

 

A pista exigiu bastante de todos na parte técnica e pegou forte para as meninas. Mesmo fazendo a pista com as próprias motos, o peso e as manobras em baixa velocidade exigiram bastante delas, a ponto de arrancar gritos de incentivo e aplausos devido a garra demonstrada pelas guerreiras! Eu estava ao lado e confesso que foi difícil ficar assistindo a força que faziam para levantar a moto e, estando do lado, não era permitido ajudar.

 

Todos os  participantes percorreram a pista que, a cada um que passava, sofria algum tipo de alteração. Em especial, um trecho que passava entre duas árvores com uma curva fechada antes foi o que mais mudou. Devido a ser um lugar que alguns enroscaram, para sair , ou melhor, para tentar sair era necessário “dar mão”, fazer a moto patinar com vontade! Isso acabou cavando o local e dando um tempero maior aos outros competidores. Do mesmo jeito que os primeiros pegaram uma pista com grama e mais escorregadia, os últimos tinham outras dificuldades mas, o caminho estava marcado.

Durante a prova os participantes que estavam aguardando a vez para participar, além de aplaudir os outros participantes, ainda torciam por eles, afinal muitos estavam passando por perrengues juntos durante o dia.

Fernanda e Simone esperando - Foto: Trinity Ronzella

 

O resultado ficou programado para às 23h e, até lá, os competidores puderam tomar um merecido banho e repor a energia com um rodízio de pizza, muito papo sobre o que aconteceu no dia  e o bom e velho rock and roll! Até uma canja da Daiane Gaia aconteceu! Cantora, soltou a voz interpretando Janis Joplin antes dos resultados!

 

O resultado foi informado e um misto de alegria e tristeza se espalhou entre os participantes. Obviamente que todos queriam se classificar mas, dessa vez foram 26 homens e 4 mulheres que teriam a chance de, no dia seguinte, disputar 3 vagas masculinas e 2 femininas.

Os três homens melhores  colocados já estariam carimbando o passaporte para a Albânia, já as mulheres as regras são outras. Na Albânia serão 6 duplas femininas competindo por isso, as duas melhores classificadas de cada país participante, somam seus pontos obtidos e entram para um ranking mundial. Ao final de todas as classificatórias, as seis melhores colocadas vão para a Albânia!

Após a entrega dos resultados, era hora de ir para as barracas e, quem conseguisse baixar a emoção, descansar para o dia seguinte! Descansar? Eu escrevi descansar? Desculpem…

 

Foto: Divulgação

Às 3h da matina uma sirene tocou e alguém com uma motosserra ligada  percorreu todo o camping acompanhados de berros para todos saírem das barracas. Alguns de pijama, outros de cueca e houve até,  quem vestiu o conjunto rally completo e se apresentou para os organizadores. Após isso, todos voltaram para o interior de suas barracas para continuar onde tinham parado no sonho.

 

DOMINGO

 

Chegou o grande dia da final! Todos seguiram para o café da manhã, e a ansiedade era para o briefing e sorteio da ordem de largada para a última prova do Trophy!

 

De diferente das outras edições, a restrição estava em relação a pista. Em todas as qualificatórias do mundo, a pista está sendo exatamente igual. As mesmas medidas, os mesmos exercícios e o mesmo sistema de avaliação. Para isso, inclusive, o espanhol Jaime Saiz Cuena, que fez parte do time espanhol no GS TROPHY 2010 na África do Sul, estava presente!

 

A função do Jaime era de certificar-se que a pista estava dentro dos padrões das outras seletivas e acompanhar a única volta que todos os participantes teriam direito a fazer. Ele foi o responsável pela avaliação dos pontos dos participantes e também apontava onde cometiam faltas e quando o exercício era ou não executado de acordo com as regras até porque,  foi ele quem fez o briefing (em inglês) para os participantes e tirou as dúvidas de todos, bem poucas por sinal.

Reconhecimento da pista e briefing - Foto: Trinity Ronzella



Tudo visto e explicado, era hora de começar.

 

A pista não estava tão difícil aparentemente segundo os participantes mas, a distância entre os exercícios era  a grande barreira. Tinha-se pouco espaço para sair de um exercício e entrar em outro, o que dificultava bastante a prova. Salvo isso, os exercícios não eram nenhuma surpresa, a maioria que estavam ali participando já tinham ouvido falar, visto ou treinado, portanto o grande diferencial seria a calma. Manter a concentração  e deixar a emoção guardada  faria muita diferença!

 

Paralelo a isso, um belo churrasco estava sendo preparado para os participantes assim que terminassem a prova, e estava bonito. As massagens estavam por lá também para dar uma relaxada enquanto o resultado não fosse divulgado.

Foto: Divulgação

 

A única torcida presente eram os participantes que não foram classificados para o domingo. Eles estavam de um lado da pista e os que iriam participar da final, de outro. Após a volta de cada um eles poderiam se juntar na torcida! Mais uma vez o que vimos foi emocionante. Os caras vibravam pelos amigos que estavam na pista lutando por uma vaga. Aplausos e torcida eram para todos que estavam lá. As meninas foram para a pista também e fizeram a parte delas, cada uma de acordo com sua estratégia, elas foram guerreiras e representaram muito bem.

 

Após todos completarem suas voltas, os participantes  já tinham seus pódios formados, cada um com suas preferências e avaliações que, diga-se de passagem, não adiantava em nada pois, a avaliação seguia os critérios iguais a todas outras qualificatórias do planeta. Para isso estava lá o Jaime.

 

Todos comeram um belo churrasco, conversaram, trocaram contatos, falavam da preparação, da prova de sábado em equipe e também sobre a prova noturna mas, a grande expectativa ficou em torno de quem seriam os três finalistas que iriam para a Albânia em 2022 e quais seriam as duas mulheres que iriam para o ranking pleitear uma vaga também.

 

Que rufem os tambores para os resultados tão esperados:

Foto: Divulgação

 

As duas mulheres que, somando a pontuação entraram para o ranking como equipe Brasil foram Tais de Lima Gotardo e Daiane Caroline Gaia. Elas ficarão na expectativa até o final de todas as seletivas para saber se conquistaram ou não uma vaga para Albânia.

Em terceiro e quarto lugar respectivamente ficaram Simone Barion e Fernanda Lima e Silva de Toledo.

Parabéns também a Rosa Cecília Freitag e Cecília Satomi Kondo que estiveram participando no sábado da prova em equipe e individual.

Já o resultado masculino ficou assim:

Em primeiro lugar ficou Geovane Fernando Lorentino de Joinville (SC) seguido por Thiago Oliveira da Cruz de São Paulo (SP) e Franco Bruzzone de São Roque (SP).

Esses são os três finalistas do Brasil que irão para a Albânia na final mundial no segundo semestre de 2022! 

Parabéns aos finalistas! Estamos na torcida pela equipe feminina e gostaríamos de agradecer a BMW MOTORRAD BRASIL pela oportunidade de cobrir um evento tão especial, parabenizar a TSO Brasil pela organização do evento e também a Sector One pela parceria e produção. 

 

Estaremos acompanhando!

 


Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br