Viajante Solitário por opção. Ou não?

Nosso colunista inicia um debate e você é o convidado para entrar e dar a sua opinião.

Por André Jordão

Quem lê minhas colunas aqui no MOTO.com.br, já me conhece um pouco. Já escrevi sobre o que penso dos motociclistas, já dei algumas dicas que aprendi nas minhas viagens, escrevi sobre o nosso 'amor' pelas motos ser tão 'louco' a ponto de nos matarmos - literalmente, já falei dos meus sonhos...

Hoje quero comentar com você sobre o fato de eu viajar - na maioria das vezes - sozinho.

Na minha primeira coluna aqui (minha estréia) eu escrevi um pouco sobre isso, mas não fui 'fundo' o suficiente, pois não queria espantar nem escandalizar ninguém.

A pergunta que me faço é: eu me denomino um 'viajante solitário' por opção ? Ou será que é porque as desvantagens de se viajar em grupo - na minha opinião - são maiores que as vantagens?

Primeiro quero definir o que são essas 'viagens' para mim. Normalmente são viagens longas, que demoram vários dias, com fins - normalmente - de passeio, de conhecer novos lugares. Viagens 'curtas', de 400-500 Km, com duração de 1 ou 2 dias, não contam nesse meu raciocínio.

Então vamos à minha opinião - e nos comentários eu gostaria muito que você deixasse a sua opinião e se possível experiências que você teve.

Nesses dias tenho conversado com alguns irmãos motociclistas, trocado e-mails com vários outros (obrigado à todos que me escrevem, obrigado aos elogios e obrigado às críticas também :-)) e repensado sobre esse assunto.

Tenho inúmeros relatos de irmãos motociclistas que viajaram - viagem longa - com outros irmãos e que não tiveram experiências muito agradáveis. Normalmente são viagens para Ushuaia (quem não sonha em ir até lá ?), Atacama (Deserto e San Pedro), Mendoza/Santiago e, claro, viagens pelo Brasil afora.

Vou, baseado nesses relatos, levantar 'hipóteses' aqui para não expor ninguém.

Imagine você se programando, junto com o seu grupo, para ir até Ushuaia numa viagem de 20 dias ou mais.

Você tem um ritmo definido para essas viagens. Acorda normalmente 7hs da manhã, rapidamente se arruma, toma seu café e está pronto para a estrada. É daqueles que 'pilotam' 500-600 Km por dia sem reclamar - pode fazer até 1.000 Km num dia. Faz as paradas programadas, aproveita a paisagem, tira fotos. Sempre chega cedo na 'cidade destino' pois quer pegar um bom hotel, jantar bem e depois descansar. É um cara organizado, 'ponta firme' como dizemos aqui na nossa região.

E aí no seu grupo tem o teu amigo - às vezes um amigo recente - que é simplesmente o 'oposto' de você. No primeiro dia você já começa a ficar, digamos, chateado (para não usar outro termo). O cara acorda atrasado. Demora para se arrumar. Se atrasa no café... o grupo todo já está pronto e ele ainda tomando seu suquinho. Dirige 300 Km e já começa a reclamar de cansaço (!!!). Quer parar toda hora e nas melhores paisagens para foto ele não quer parar. Com tudo isso, faz com que o grupo chegue na cidade destino à noite, cansado. Isso dificulta achar um bom hotel e quando acham, os restaurantes já estão fechando. É um cara, como qualquer um diria, insuportável.

Aí você vai me dizer "Mas com um cara desses eu não viajo nem pagando". Ledo engano. Esse cara é o teu amigo de 'passeadas' perto de casa. É aquele cara que você encontra junto com o grupo no domingo para dar uma 'esticada' nas rodovias próximas. É aquele amigo que já almoçou contigo várias vezes. Enfim, é um cara legal do teu grupo.

Claro, você só conhece o cara superficialmente. Não conhece ele no dia-a-dia, dirigindo todo dia, viajando 10-15 dias com ele.

E você acha que eu estou exagerando? Bom, eu teria mais exemplos, reais, vividos por amigos meus. Só nos últimos tempos, pelo menos cinco me contaram coisas  muito semelhantes.

É uma viagem que foi abreviada porque o cara cansou; é uma cidade que não foi conhecida porque o cara não quis entrar na cidade; é um lugar que não foi apreciado porque o horário previsto não foi respeitado; é um roteiro que não foi cumprido porque o cara quis mudar na última hora... enfim, é tanta coisa!

Conversando dias atrás com um irmão motociclista que eu conheço apenas pela internet, ele me contava de uma viagem recente e frustrada que teve. História bem parecida com alguns exemplos que dei acima. No final ele comentou "Eldinei, acho que vou ser o Viajante Solitário II". Eu apenas ri!

Tem o outro lado da moeda. Aquele grupo que se conhece há tempos. Amigos que você já, como diz o ditado, "comeu um saco de sal e mascou um rolo de fumo" junto com eles. Caras todos 'ponta firme'. Grupo unido, onde se define um líder sensato e todos o seguem. Você viaja com eles 10.000 Km em 20 dias e não acontece absolutamente nada de ruim. Mas isso é raro.

Você pode estar achando egoísmo da minha parte toda essa conversa. Não sei, talvez você tenha razão. Talvez nossa 'estada' nessa terra tenha também por objetivo nos 'lapidarmos' uns aos outros. Pode ser. Mas eu prefiro deixar essas 'lapidações' para outras situações, e não para uma viagem de moto que deve ser uma coisa muito agradável.

Então como viajar? Eu tenho uma teoria, uma opinião pessoal : viagem longa, somente em 2 ou 3, e teus companheiros tem que ser teus "amigos" mesmo, conhecidos de longa data, caras com quem você começou viajando pouco - viagens curtas e rápidas - e com o passar do tempo, dos anos de preferência, foi aumentando as viagens até conseguir viajar 10.000 Km com eles sem ter nenhum stress.

Essa é a minha opinião. Mas dizem que os amigos verdadeiros você consegue contar nos dedos de uma mão, então, não vai ser muito fácil achar quem seja realmente teu amigo, tenha uma moto, tenha tempo livre e condições financeiras de te acompanhar numa viagem dessas.

Desistimos então? Não... vamos viajando. Se não conseguir um amigo assim, viaje com o teu grupo. Encare os problemas. Tenha paciência. Saia de casa com um pensamento : "Eu vou para me divertir, então vou levar tudo na esportiva". Tente ser o 'conciliador'. Seja você o 'ponta firme'. Resolva os problemas e não crie outros... de outra maneira, veríamos milhares de irmãos motociclistas viajando sozinho pelo mundo afora !

E você? Já teve experiências parecidas? Conte-nos uma experiência sua em relação à isso. Uma ruim... e se você tiver, uma boa também!

PS : Nas fotos, eu com a FJR 1300 e meus dois amigos com os quais poderia viajar 10.000 Km sem nenhum stress. Ivã com sua CBR-600 e Evandro com sua GSX-750-F. Amigos que eu posso contar nos dedos da minha mão !

Forte abraço e bons caminhos - sozinho ou em grupos :-)

Eldinei "P.P." Viana
ppviana@gmail.com
www.viajantesolitario.com.br


Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br