SUPERMOTO CONHECE CAMPEÕES

Marcel Sona, Paulinho Stedile e Paulo Nicoletti comemoraram os títulos em Minas Gerais.

Por Leandro Alvares

Seis baterias bastante movimentadas rechearam a decisão da temporada 2006 do Campeonato Brasileiro de Supermoto, que aconteceu neste domingo no kartódromo de Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). Mais do que os vencedores, o público presente teve a chance de conhecer os novos campeões do torneio, que se configurou como um dos mais acirrados do calendário motociclístico.

Na categoria SM1, Marcel Sona faturou o bicampeonato, enquanto o paranaense Paulinho Stedile teve de suar para confirmar o inédito título da SM2. O único que entrou tranqüilo na pista foi Paulo Nicoletti, que já havia assegurado a taça da SM3 por antecipação.

Destinada aos equipamentos de Enduro e Motocross acima de 125cc (dois tempos) ou 300cc (quatro tempos), a SM1 fechou o ano com apenas um vencedor: Sona. O corredor obteve as duas conquistas do fim de semana e, com o resultado, atingiu a impressionante marca de 100% de aproveitamento no certame, somando 200 pontos em oito vitórias consecutivas.

O segundo lugar na classificação ficou com Rafael Fonseca (150 pontos). “Estou super contente. Conquistei o bicampeonato em uma categoria que está evoluindo cada vez mais e só pôde ser definida nas últimas corridas”, comentou Sona.

Para encerrar sua participação com chave de ouro, o bicampeão precisou superar a si mesmo. Em função da forte chuva, o trecho de terra da pista teve de ser interditado na segunda bateria, e os pilotos competiram apenas no asfalto.

“Sofri uma queda durante os treinos e machuquei os dois punhos, acabei correndo com dores. Além disso, foi muito gratificante vencer a segunda bateria apenas no asfalto, já que a minha escola é o motocross”, lembrou Sona.

O equilíbrio maior esteve presente na categoria SM2, para motos de até 125cc (dois tempos) ou 300cc (quatro tempos). O duelo foi intenso entre Paulinho Stedile e o mineiro Rômulo Bottrel, tanto que cada um conquistou uma vitória e atingiram os mesmos 180 pontos no campeonato. Mas como o paranaense alcançou o êxito na segunda bateria — a vitória mais recente funciona como critério de desempate —, confirmou a taça inédita em sua carreira.

O título coroa o retorno de Stedile ao motociclismo nacional, já que o vitorioso piloto ficou um ano e meio longe das pistas em função de um grave acidente sofrido no motocross. “Estou muito feliz por estar revivendo este sonho de andar de moto, ainda mais com este título nacional no Supermoto”, afirmou Stedile.

“Foi muito difícil chegar até aqui, pois o Bottrel estava competindo em casa e tinha tudo a seu favor”, acrescentou o competidor, que escolheu a estratégia correta para a etapa. “Guardei tudo para a segunda bateria. Choveu, tivemos de correr apenas no asfalto e, mesmo após uma largada ruim, acabou dando tudo certo”.

Antes mesmo dos motores roncarem na classe reservada para as motocicletas nacionais de Trail dois tempos ou as de quatro tempos, o grande campeão da SM3 já estava definido: Paulo Nicoletti, que fechou a temporada com 174 pontos, 55 a mais do que Sinval Perez, o segundo colocado.

“Vim para a corrida com muita tranqüilidade e para fazer a festa”, disse Nicoletti, que confirmou a declaração na pista e com o terceiro e segundo lugares conquistados respectivamente na primeira e segunda baterias. Sinval Perez venceu as duas provas.

Classificação geral das provas de Betim:

SM1
1) Marcel Sona
2) Rafael Fonseca
3) Philippe Braga Thiriet
4) Alison Michel Candido
5) Giovanni Galzerano
6) Álvaro Candido Filho
7) Rômulo Batista
8) Marcelo Mazzucchelli

SM2
1) Paulo Stedile
2) Rômulo Bottrel
3) Marlon Bonilha
4) Arthur Braga Thiriet

SM3
1) Sinval Perez
2) Paulo Nicoletti
3) Rafael Filgueiras
4) Rodrigo Melo
5) Mauro Henrique Santiago

Fonte:
Equipe MOTO.com.br

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br