Setor de duas rodas tem quadrimestre animador

De janeiro a abril, foram emplacadas exatas 548.702 motocicletas em todo território nacional.

Por André Jordão

Aldo Tizzani

O setor de duas rodas aos poucos vai reagindo e retomando seu patamar de crescimento. No primeiro quadrimestre do ano foram emplacadas 548.702 motocicletas, a segunda melhor resultado da história no período. O volume de vendas de motos aumentou 10,49% em relação aos primeiros quatro meses de 2009. O número só é inferior ao período que antecedeu a crise mundial (de janeiro a abril de 2008, com 609.736 motos vendidas). Segundo pesquisa da Fenabrave – (Federação Nacional da Distribuição de Veículos), a quantidade de motos emplacadas reflete a reação e também o potencial de crescimento para o setor.

Já o mês de abril apresentou para o segmento de duas rodas ligeira queda no número de emplacamentos – 143.013, contra 163.333 em março – ou seja, retração de 12,44%. Porém se compararmos com o mesmo período do ano passado, o setor teve um incremento de 12,99%.

Para Sérgio Reze, presidente da Fenabrave, esta queda no número é resultado do menor número de dias úteis para faturamento dos veículos. “Em março tivemos 23 dias úteis, com uma média de 7.100 motos emplacadas. Já abril teve 20 dias úteis, com media de 7.150 unidades vendidas. Ou seja, se o mês passado tivesse três dias úteis a mais, emplacaríamos, 164.450 motocicletas, que seria o melhor resultado no ano”, conta Reze.

Para o empresário outro fator que também tem reaquecido o mercado de duas rodas é a maior aprovação de crédito ao consumidor. “Em breve, a liberação de crédito para financiamentos estará no mesmo nível do registrado antes da crise global”, afirma Sérgio Reze.

Outra iniciativa do Governo Federal teve grande impacto para este, pequeno, mas consistente crescimento nos primeiros quatro meses de 2010. A isenção da cobrança da Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) trouxe os consumidores para as concessionárias. Entretanto, o imposto voltou a ser cobrado em 1º de abril e motivou as fábricas a realinharem suas tabelas de preços.

“Um fato curioso é que, mesmo com a chegada de novos players no setor de duas rodas nos últimos anos, não se mexeu na estrutura de vendas. Ou seja, o grande volume de vendas ainda está nas mãos dos tradicionais fabricantes de motocicletas. Apesar da crise, a Honda, por exemplo, ampliou seu market share”, explica o presidente da Fenabrave.

Ranking das montadoras

No ranking das montadoras, a Honda lidera com ampla margem. Hoje, detém 77,23% do mercado. Nos primeiros quatro meses de 2010, a marca japonesa já emplacou 423.753 motocicletas. A segunda colocação está com a Yamaha, com 11,28% (61.911 unidades). A terceira e quarta posições, disputa acirrada entre a Suzuki (4%) e a Dafra (3 %). Na seqüência estão Sundown, Traxx, Kasinski, Kawasaki, Shineray e Harley-Davidson.

Com o resultado das vendas de motos no primeiro quadrimestre do ano, a Fenabrave alterou sua previsão para 2010. Segundo a entidade, o setor de duas rodas deve fechar o ano com cerca de 1.772.000 unidades emplacadas. O que representa um crescimento de 10,13% sobre o resultado do ano passado.

O número é superior ao registrado em 2007 (1.708.640 motos) e 2009 (1.609.173 unidades), porém inferior a 2008, ano em que foram emplacadas 1.925.514 motocicletas, recorde histórico para o setor. Se a crise mundial não tivesse explodido em setembro daquele ano, o resultado poderia ter sido ainda superior. O Brasil teria vendido mais de 2.044.000 motos em 2008.


Fonte:
Agência Infomoto

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br