Primeira supermotard elétrica do mundo

Pronta para andar nas ruas, esta moto tem 31 cv de potência e autonomia de 100 km.

Por André Jordão

BRUNO PARISI

Combustíveis alternativos não-poluentes cada vez mais entram na pauta das montadoras. A busca interminável por menor emissão de poluentes ou virou quase que uma “obrigação” entre os fabricantes de automóveis e motocicletas. Entre os exemplos de veículos “verdes” temos carros movidos a hidrogênio, scooters elétricos e agora é a vez das supermotards. A americana Zero Motorcycles apresenta em sua gama de motocicletas – todas movidas por eletricidade – a primeira supermotard elétrica do mundo para rodar nas ruas: a Zero S.

Custando 9.950 Dólares à vista nos Estados Unidos, a novidade elétrica pode se tornar uma boa opção de locomoção urbana para os americanos. Para isso atributos não lhe faltam.

Rapidez com economia

Andar na cidade com a Zero S será uma tarefa agradável. Logo explico. A potência de 31 cv e a incrível cifra de torque de 8,62 kgf.m são mais que suficientes para o ir-e-vir diário de uma motocicleta que pesa 102 quilos montada em um quadro de dupla trave de alumínio.

Para termos uma noção da força dessa moto elétrica a superesportiva Suzuki GSX-R 750 com seus 150 cv de potência gera 8,8 kgf.m de torque a 11.200 rpm. A tarefa de transmitir a força para a roda traseira é feita por corrente e o câmbio é do tipo sem embreagem e com uma única marcha.
A velocidade final divulgada pelo fabricante é de 60 milhas por hora, algo em torno dos 96 km/h. Para um veículo de proposta urbana os números estão mais que suficientes.

Garantindo a estabilidade da motard elétrica rodas raiadas de 16 polegadas calçadas em pneus de perfil esportivo estão presentes na Zero S. Estes são de medidas generosas: 110/70 – 16 na roda dianteira e 140/70 – 16 na traseira. Colaborando com os pneus as suspensões possuem receita tradicional de uma supermotard a gasolina, com garfo telescópico invertido na dianteira (203 mm de curso) e monoamortecedor na traseira (229 mm de curso).

Mantendo as energias

Uma das grandes desvantagens dos veículos elétricos é sua baixa autonomia. No caso da Zero S, isso não chega a ser um problema. Ela pode rodar quase 100 quilômetros. E, para recarregá-la, leva menos de quatro horas plugada na tomada de 110 ou 220 volts que a motard esteja pronta para mais um passeio. Sem poluir o meio ambiente.

 


Fonte:
Agência Infomoto

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br