Nova KTM 990 Super Duke

Modelo sofre alterações visuais e ciclísticas na versão 2007, vendida no Brasil a R$ 59.000.

Por Leandro Alvares

Murillo Ghigonetto

Apesar da tradição da KTM estar voltada quase que inteiramente para o mundo das competições off-road, a fabricante austríaca parece cada vez mais disposta a “desbravar” novos terrenos.

Seguindo essa filosofia, a marca resolveu redobrar suas apostas e apresentou na Europa a versão 2007 de sua naked, a 990 Super Duke. Com algumas alterações em seu conjunto, a boa notícia é que o modelo já está disponível no Brasil por R$ 59.000, como informa o representante da marca no país.

À primeira vista, torna-se difícil distinguir qualquer tipo de alteração na nova Super Duke. De fato, sem contar os novos grafismos, a remodelação está um pouco tímida. O estilo encorpado continua o mesmo, com suas linhas imponentes contrastando com o belo propulsor descoberto.

Na dianteira, o pára-lama ganhou um novo desenho e está maior. A carenagem frontal também sofreu uma leve modificação e tem aspecto moderno, mais condizente ao estilo da moto. O tanque de combustível está encoberto por duas semi-carenagens e tem novo formato. Com isso, sua capacidade também foi alterada, passando dos 15 litros na versão antiga para 18,5 litros na atual. O assento, com 855 mm de altura, deixa a vida do garupa um pouco mais complicada pela falta de espaço. Um dos motivos para este único “porém” está na rabeta encurtada.

Para quem procura desempenho, a nova Super Duke é um prato cheio. Já conhecido pelo público, o propulsor segue basicamente com as mesmas especificações da versão anterior. Trata-se do LC8, um bicilindrico em “V” angulado a 75º com 999 cm³ e duplo comando de válvulas no cabeçote (DOHC).

Graças à tecnologia das competições de Rali incorporada, fôlego é o que não falta nesta incrível naked com DNA voltado para off-road. Segundo as medições do fabricante, são 118 cv a 9.000 rpm, capazes de desenvolver torque de 10 Kgf.m a 7000 rpm. O câmbio é de seis velocidades, sendo que a transmissão final é feita por corrente.

Na parte ciclística, a Super Duke também se mostra bastante atraente. O quadro é multitubular em aço cromo-molibdnênio com o subquadro em alumínio. Os freios são da Brembo, com dois discos de 320 mm e pinças de quatro pistões na dianteira; e um disco simples de 240 mm na traseira com pinça flutuante.

As rodas são de 17 polegadas, com os pneus nas medidas 120/70 na dianteira, e 180/55 na traseira. As suspensões são upside-down, com tubos de 48 mm e curso de 135 mm, na frente. Atrás o sistema é do tipo monochoque, com curso de 160 mm. Em ambos os casos há possibilidade de ajustes, dependendo do tipo de condução e, claro, do gosto do motociclista.

Disponível nas cores preta, laranja ou cinza, a versão 2007 da KTM 990 Super Duke já está à venda nas concessionárias da marca no Brasil por R$ 59.000. A KTM produz ainda uma versão denominada Super Duke R, com leves alterações na ciclística que a certificam para as competições, com uma pilotagem mais esportiva e um visual mais invocado.

Fotos: Divulgação.

Fonte:
Agência Infomoto

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br