Kit de transmissão vai passar a ter certificação em 2018

A partir de março de 2018 passam a valer novas regras para o setor de motopeças: as peças de reposição para motocicletas – de fabricação nacional ou importadas – que deverão atender às normas do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia). Até então a exigência valia apenas aos fabricantes e importadores de autopeças,  
 
O processo de certificação no segmento de duas rodas começou pelo capacete e, na sequência, veio a bateria. O próximo grupo de peças certificadas será o kit de transmissão/relação, formado por corrente, coroa e pinhão; além do escapamento.
 
Depois de um longo período de ensaios e prazos, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) elaborou a padronização para correntes de rolos de motocicletas (motonetas, ciclomotores, triciclos e quadriciclos), bem como de coroas e pinhões que compõem o sistema de transmissão, que é responsável por transferir o movimento da caixa de câmbio para a roda traseira.
 
Benefícios para o consumidor
As análises da ABNT foram feitas para atestar a qualidade dos componentes. Segundo o Inmetro, o consumidor terá mais segurança ao adquirir um produto certificado.
 
A Anfamoto, associação dos fabricantes de motopeças, também apoia a certificação. “As peças de reposição devem ter requisitos mínimos de qualidade e durabilidade. Sempre alertamos para que o consumidor compre qualidade e não preço”, explica Orlando Leone, presidente da Anfamoto.
 
Um dos maiores mercados de motopeças do mundo, o Brasil sofre com peças de procedência e qualidade duvidosas, que inevitavelmente são comercializadas no mercado interno. Tais componentes geram prejuízos aos fabricantes e importadores. Peças de má qualidade podem quebrar e, com isso, até causar acidentes com motociclistas.
 
Novas certificações
O processo de certificação de motopeças não vai parar por aí. Porém, o Inmetro ainda não disponibilizou portarias específicas para a certificação de novos componentes, ficando a critério do fabricante a opção pela certificação voluntária.
 
Mas há produtos que também são utilizados nos automóveis e que passam por uma Avaliação da Conformidade como, por exemplo, fluido de freio, baterias chumbo-ácido e pneus novos. A ABNT já dispõe de um processo de certificação voluntária para cabos e velas de ignição para motocicletas.
 
 
Fotos: Divulgação


Fonte:
Agência Infomoto




Compartilhe essa notícia

Receba notícias de moto.com.br