Especial: Semana Nacional de Trânsito

'Jovem: paz e amor no trânsito' é o tema da ação educativa para motoristas e motociclistas.

Por Leandro Alvares

Aldo Tizzani

Como diria o velho ditado popular: “É de pequeno que se torce o pepino”. Com o aumento gradativo da frota circulante de motocicletas — são cerca de nove milhões atualmente —, os números de acidentes também vêm crescendo.

Para diminuir as ocorrências e aumentar a conscientização dos condutores de veículos, o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) decidiu voltar seus holofotes aos motoristas e motociclistas principiantes.

Por isso, o tema da Semana Nacional de Trânsito deste ano, que vai até o dia 25 deste mês, é “Jovem: paz e amor no trânsito”.

Para que a conscientização floresça em cada motociclista, alguns dados são de suma importância para compreender melhor a situação. O Ibope entrevistou mil jovens entre 16 e 25 anos em 66 cidades brasileiras com mais de 300 mil habitantes. O instituto de pesquisa revela que 61% dos motociclistas entre 18 e 25 anos pilotam sem ter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH - categoria A). Além disso, 15% dos ouvidos, entre 16 e 17 anos, afirmaram pilotar motos.

Do total dos entrevistados, 79% aprenderam a andar com parentes ou amigos. Só 10% aprenderam a pilotar com instrutores. Outra informação alarmante é da ANTP (Associação Nacional de Transportes Públicos). A entidade estima que os custos anuais de acidentes de trânsito no Brasil ficam na casa dos R$ 28 bilhões.

A pesquisa do Ibope revelou também que o jovem brasileiro tem consciência de que é imprudente no trânsito. Ele reconhece que essa imprudência é ainda maior quando está em grupo e acredita que este comportamento é motivado pela adrenalina.

Esta idade de auto-afirmação, competitividade, exibicionismo, onipotência, busca de intensas e prazerosas sensações, em conjunto com a bebida alcoólica, faz do jovem um forte candidato a fazer parte das tristes estatísticas de acidentados no trânsito.

“Para agravar ainda mais este quadro, há uma clara conivência dos pais nesse comportamento imprudente. Além dos pais ensinarem a dirigir, nos grupos de discussão, os jovens declararam que dirigem os veículos dos pais”, avalia a coordenadora da pesquisa do Ibope, a pedagoga Nereide Tolentino. Pelo Código de Trânsito Brasileiro, entregar veículo para menores de 18 anos é crime.

É por essas e outras que a cultura motociclística deve estar sempre em permanente discussão. Para melhorar o trânsito e reduzir o número de acidentes é preciso, segundo os próprios jovens ouvidos pelo Ibope, investir em campanhas educativas, em fiscalização e na punição mais rigorosa dos infratores.

Programa de Prevenção de Acidentes

Desde sua fundação, em março de 1997, a Abram (Associação Brasileira de Motociclistas) tem desenvolvido vários projetos para que o motociclista adquira uma consciência crítica, de cidadania, meio ambiente e segurança no transito. Para ampliar seus horizontes educacionais, a entidade lançou o PRAM (Programa de Prevenção de Acidentes com Motocicletas). Com foco principal nas empresas de moto-frete, o programa tem como missão preparar e estimular o motociclista a não se envolver em acidentes de trânsito.

Aproveitando a Semana Nacional do Trânsito, coordenada pelo Contran, a Abram começou a distribuição do cartaz do PRAM com a mensagem:  “Você trabalha com segurança hoje e garante o amanhã”. Assim, a associação enfatizará a nova postura do motociclista profissional, com foco na segurança no trânsito.
 
Para Lucas Pimentel, presidente da Abram, o programa de prevenção de acidentes estimulará a conscientização das empresas de entregas rápidas e dos motociclistas profissionais (os populares motoboys) sobre a importância da segurança no dia-a-dia.

“Hoje, o PRAM conta com 50 empresas de motofretes e mais de 2500 motociclistas profissionais. Responsabilidade social e segurança devem andar sempre juntas. Por isso é importante estar sempre equipado e antenado no que acontece a sua volta”, afirma Pimentel.

Fonte:
Agência Infomoto

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br