CBR 1000RR fica mais leve e potente

Apresentado em Paris, modelo da Honda ganhou linhas arredondadas e novo motor de 177 cv.

Por Leandro Alvares

Murillo Ghigonetto

A Honda aproveitou o Salão de Paris, na França, para apresentar uma bela novidade aos aficionados por motos superesportivas. Trata-se da CBR 1000RR Fireblade 2008, totalmente remodelada, e com uma série de alterações em seu conjunto ciclístico e mecânico.

Com a nova CBR 1000, os projetistas procuraram aliar modernidade e esportividade, sem deixar de lado o estilo consagrado que fizeram do modelo um sucesso no mundo inteiro. Basta uma rápida olhada para perceber as principais alterações estéticas.

A carenagem dianteira está mais curta, com aspecto levemente achatado e arredondado, além de um novo desenho da entrada de ar. Os piscas agora estão integrados aos espelhos retrovisores, como já acontece em outras superesportivas de 1000cc concorrentes, como a Suzuki GSX-R 1000.

Com o objetivo de centralizar melhor as massas e seguir uma tendência de mercado, o novo escape agora tem desenho curto e está fixado na lateral do modelo, não mais na rabeta. As carenagens laterais também ganharam novas linhas, sem vincos. Mais compacta e com menos arrasto aerodinâmico, segundo a marca japonesa.
 
O assento do piloto (com 820 mm de altura) e a rabeta estão menores, com visual mais fino e compacto. A nova CBR 1000RR ganhou ainda um útil amortecedor de direção eletrônico (HESD), de segunda geração, inspirado na RC 212V da MotoGP. O objetivo foi oferecer melhor estabilidade ao conjunto em altas velocidades.

Apesar de todas as alterações estéticas, nada chama mais a atenção do que o motor desta esportiva nipônica. Neste sentido, cada componente do conjunto mecânico foi redesenhado e concebido com base nas motos de competição, buscando, é claro, o máximo em desempenho e leveza.

Equipada com um quatro cilindros em linha de 999 cm³ DOHC (duplo comando de válvulas no cabeçote), a Fireblade agora gera 177 cv de potência a 12.000 rpm (ante os 171,3 a 11.250 rpm da versão 2007). Com uma curva de torque mais linear, chegando ao pico de 11,3 kgf.m a 8.500 rpm, as respostas estão mais “mansas” ao acelerador. O câmbio continua o mesmo: seis velocidades com a transmissão final feita por corrente.

Para cumprir as restritas normas ambientais européias, a atual Euro 3, recorreu-se ao uso de um sistema catalisador com sensor de oxigênio HECS3, que monitora as emissões poluentes e controla a admissão da mistura de ar/combustível para manter uma máxima eficácia de combustão e a neutralização dos gases nocivos. Outros destaques do propulsor incluem ainda partes confeccionadas em titânio, além dos novos cilindros, mais leves.

Ciclística de competição

Como se já não bastasse todas as novidades, a Honda inovou na ciclística da nova Fireblade 2008. Para conseguir uma redução no peso do conjunto e uma melhor centralização de massas, o número de componentes utilizados na construção do quadro foi reduzido de nove para quatro peças principais fundidas, resultando numa diminuição de quase 2,5 quilos no peso total da moto (199 kg em ordem de marcha).

As quatro seções do quadro incluem uma nova e maior coluna de direção fundida, com dois espaços que funcionam como condutores do sistema de ar; duas seções laterais intermediárias que suportam o motor e uma peça única em forma de “U” posicionado sob a seção traseira do motor que, segundo a fabricante, gera maior rigidez estrutural.
 
A suspensão dianteira é invertida, com tubos de 43 mm e 120 mm de curso totalmente regulável. A suspensão traseira, com a balança em alumínio, usa um monoamortecedor com 135 mm de curso, também com possibilidade de múltiplos ajustes. O freio dianteiro utiliza dois discos de 320 mm, com pinças de quatro pistões radiais. Já na traseira o sistema usa disco simples de 220 mm.

No Brasil, o novo modelo ainda não tem data prevista para desembarcar. Quem sabe no meados do próximo ano. Na Europa, a nova CBR 1000RR Fireblade vai ser oferecida nos próximos meses nas cores preta, branca, vermelha e vinho. O preço do modelo ainda não foi divulgado.

Ficha Técnica

Motor: Quatro cilindros em linha, DOHV, refrigeração líquida
Capacidade cúbica: 999 cm³
Potência máxima (declarada): 177 cv a 12.000 rpm
Torque máximo (declarado): 11,3 kgf.m a 8.500 rpm
Câmbio: 6 velocidades
Transmissão final: corrente
Alimentação: Injeção Eletrônica PGM-DSFI
Partida: Elétrica
Quadro: Em alumínio do tipo diamante
Suspensão dianteira: Invertida, com tubos de 43 mm e 120 mm de curso
Suspensão traseira: Monoamortecedor com 135 mm de curso
Freio dianteiro: Disco duplo de 320 mm
Freio traseiro: Disco simples de 220 mm
Comprimento: 2075 mm
Largura: 685 mm
Altura: 1130 mm
Distância entre-eixos: 1405 mm
Altura do assento: 820 mm
Peso em ordem de marcha: 199 kg
Tanque de combustível: 17,7 litros (4 litros reserva)
Cor: Preta, Branca, Vermelha e Vinho

Fotos: Divulgação.

Fonte:
Agência Infomoto

Compartilhe:

Receba notícias de moto.com.br