moto.com.br
Publicidade:

Viagens

Expedição Inca: De Honda CG pela Cordilheira dos Andes

Moto Repórter é o canal colaborativo em que o motociclista pode compartilhar experiências e histórias de moto

01 de December de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Os textos e fotos publicados no canal Moto Repórter são enviados por motociclistas e internautas, leitores do MOTO.com.br, sem compromisso profissional de estilo e padrões, apenas com o objetivo de compartilhar suas experiências e histórias com outros fãs do mundo das duas rodas. Participe você também do Moto Repórter, canal de jornalismo participativo do MOTO.com.br. Envie sua notícia!

Alisson Campos

O sonho de vários motociclistas brasileiros, e também de todo o mundo, é ter a oportunidade de viajar e aproveitar ao máximo das belezas que compõem a Cordilheira dos Andes, na América do Sul. Muitos buscam uma moto ideal para essa jornada, economizam uma quantia financeira alta e pensam que tal empreitada demanda muito tempo. Mas e se de repente tudo isso fosse percorrido em uma pequena e notável moto de 150cc? No decorrer do texto vocês constatarão que é possível, e acreditem... Tudo foi muito prazeroso. 

Meu nome é Alisson Henrique Campos, sou brasileiro, nascido e criado no Estado de Minas Gerais, tenho 26 anos e durante 48 dias percorri 6 países, totalizando 17 mil quilômetros e conhecendo em uma única expedição lugares como Pantanal, Carretera de la Muerte, Lago Titicaca, Machu Picchu, La Portada e La Mano del Desierto, Oceano Pacífico, Salar de Uyuni, Deserto do Atacama, Cordilheira dos Andes e diversos outros lugares fantásticos

Muitas pessoas sonham com uma viagem dessas, mas por medo do desconhecido e por falta de coragem em se arriscarem, diversas vezes acabam não realizando seus grandes sonhos. Logicamente se necessita de planejamento para pegar a estrada e viver 48 dias longe de casa, ainda mais quando não se possui muitos recursos financeiros, mas é justamente disso que vou falar um pouco... Além de contar alguns relatos da viagem, claro. 

Ainda no mês de setembro, saí de minha casa na cidade de Patrocínio/MG, e comecei a jornada até os Andes, fui viajando e curtindo as paisagens pelos Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, estes últimos me surpreenderam com suas belezas únicas, tanto em termos de flora e fauna, sim, estou falando das belezas do Pantanal, rodei pelas famosas Transpantaneira e Estrada Parque, e aconselho aos amigos, compensa e muito esta viagem.

Entrei na Bolívia pela divisa em Corumbá/MS, onde encarei mais uma grande reta até a cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra, fui conhecendo lugares como La Higuera, onde morreu Che Guevara, Cochabamba, La Paz... Percorri estradas fantásticas e repletas de curvas e com muita terra, diga-se de passagem, e fui seguindo até o maior lago de água doce do mundo, e também o que se localiza em maior altitude, o Lago Titicaca. Conheci a cidade de Copacabana, e realizei vários passeios por lá, conhecendo as místicas Ilhas Incas.

Logo depois a aventura continuou pelo Peru, onde conheci estradas maravilhosas e as ilhas flutuantes de Los Uros, além de vários sítios arqueológicos até chegar à sagrada cidade Inca, Machu Picchu, este era o ápice da expedição, já que a mesma foi batizada em homenagem ao povo Inca que dominou durante um tempo a região dos Andes. 

Acelerando e seguindo viagem, fui rumando sentido Sul, até chegar à divisa com o Chile, o quarto país abrangido pela expedição. O Deserto do Atacama já me envolvia, já estava acampando no mesmo por algumas noites, e no Chile pude rodar por rodovias maravilhosas, sem nenhum defeito e de vez em quando nas margens dessas rodovias me deparava com monumentos diferentes e bem exóticos, paradas garantidas para fotos e recordações por toda a vida. Foi até que cheguei à cidade litorânea de Antofagasta, onde conheci o monumento natural La Portada, de beleza inigualável, e logo depois a tão sonhada Mano del Desierto, muitas fotos e mais um dia de acampamento.

Retornando à Bolívia, conhecendo vários salares e lagunas pelo caminho, isso sem falar nas grandes altitudes enfrentadas, fui rodando até chegar à cidade de Uyuni, onde passei a noite e no dia seguinte visitei lugares como o cemitério de trens e o maior salar do mundo, o surpreendente Salar de Uyuni. Depois disso foi a vez de seguir novamente para fronteira com o Chile e conhecer a cidade de San Pedro de Atacama, passando pela Reserva Nacional Eduardo Avaroa, onde estão as mais famosas lagunas do Atacama... É, mas nem tudo são flores, acampei no caminho e no dia seguinte acordei com um dia maravilhoso, um nascer do sol fantástico no deserto, mas a moto teve problemas e não ligou, depois de esperar por mais de três horas consegui socorro, e em uma caminhonete coloquei a moto e segui até o Chile, onde reparei minha moto e pude seguir a viagem, ainda com problemas, mas devagar e sempre fui dando continuidade ao meu roteiro.

Depois de semanas na estrada, chegou o momento de rodar pela Argentina, país onde mais uma vez fiz vários amigos, rodei bastante até vencer o último trecho de altitude em Jujuy e logo após fui contemplado com tamanha beleza nas regiões de Purmamarca e San Salvador de Jujuy. Logo após, chegou a vez de enfrentar uma reta pelas pampas argentinas, uma reta com mais de 500 quilômetros até chegar em Resistência, e enfim seguir rumo ao Paraguai. No Paraguai, mais uma vez fiquei na casa de amigos, e em seguida fui rodando e me readaptando ao clima mais quente, até chegar novamente ao Brasil e curtir mais alguns dias até chegar em casa.

Agora, retornando ao assunto de realizar seus sonhos, e enfrentar as dificuldades, tenho algo a dizer para os amigos e leitores... Quando se quer realizar uma grande viagem, logo no início do planejamento nos deparamos com três grandes dilemas: dinheiro, tempo e saúde. Costumo dizer algo e considero isso um fato consolidado, nunca teremos estes três requisitos, porque na grande maioria das vezes se temos dinheiro, não temos tempo, e assim vice versa, e se tivermos os dois e não temos saúde, a aventura não poderá ser mais concretizada.

Então amigos, simplesmente planejem bem, economizem o necessário e vivam, aproveitem a vida agora, enquanto temos saúde, enquanto temos tempo, o dinheiro é um bem que se recupera, não deixem de viver seus grandes sonhos. Tudo isso que realizei foi feito em 48 dias, gastei pouco mais de 4 mil reais com tudo e retornei muito bem para casa.

Como dizia meu finado amigo Guillermo Godoy “Querer é Poder!”, se você realmente quer você é capaz de realizar seus sonhos, assim como fiz mais uma vez a bordo de minha simples CG Fan 150cc, batizada como Poderosa.

Desejo boa sorte a todos, e que este breve relato com algumas fotos sirva de inspiração para outros aventureiros... Valeu!!!


Fotos: Alisson Campos/Arquivo Pessoal



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Honda CRF 1000L Africa Twin enfrenta aventura de 6.000 km

Passeio histórico do IMRG com motos Indian em Belo Horizonte

Megacycle Campos do Jordão é a grande festa das motos

Aventura pilotando quadriciclos e UTVs no Marrocos

Jeri Adventure Ride tem seguro-viagem em seus pacotes

Viagem pela Serra do Rio do Rastro de Yamaha Midnight Star

RoadStock abre inscrições para aventura de moto em MG

Megacycle Campos do Jordão é a grande festa das motos

Passeio histórico do IMRG com motos Indian em Belo Horizonte

Yamaha realiza expedição de 2.449 km com Crosser 2017

Viagem pela Serra do Rio do Rastro de Yamaha Midnight Star

Aventura pilotando quadriciclos e UTVs no Marrocos

Viagem pelo Pantanal de Yamaha XVS 950 Midnight Star

Capacetes: Ruído do vento x surdez do piloto


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras