moto.com.br

Publicidade:

Testes

Yamaha Neo CVT 2008

04 de June de 2007
Compartilhe este conteúdo:
Aldo Tizzani

A Yamaha radicalizou no design da motoneta Neo CVT 2008. O modelo chega à rede de concessionárias com linhas e grafismo totalmente novos. Na dianteira, está a maior surpresa: o desenho do conjunto óptico segue praticamente o mesmo estilo utilizado na YZF-R1, a superesportiva da marca. Ou seja, duas lentes lisas de policarbonato, que contam com multirefletor, duas lâmpadas halógenas e duas convencionais, que melhoraram sensivelmente o feixe de luz.

Já os piscas foram embutidos nas extremidades das lentes triangulares. Com uma cara de produto mais esportivo, a Neo 2008 traz outros atrativos que podem fazer a diferença na hora da compra: rodas aro 16 polegadas, freio a disco na dianteira e compartimento sob o banco com capacidade de 17 litros. Apesar de tantas mudanças, o preço é o mesmo de sua antecessora, a Neo AT 115, R$ 6.087,00.

Mas as novidades do modelo 2008 da Neo não param por ai. O veículo tipicamente urbano ganhou nova lanterna traseira, com lentes transparentes; novo painel de instrumentos, dois porta-objetos no escudo frontal, estribos dianteiros maiores e novo assento.

Para dar mais comodidade à garupa, as pedaleiras e suporte também foram redesenhados. Na parte ciclística a novidade fica por conta dos dois amortecedores traseiros de maior curso. Na mecânica, ganhou afogador eletrônico para facilitar as partidas em dias frios e novo carburador.

Motor e transmissão

A motoneta da Yamaha está equipada com um motor monocilíndrico de quatro tempos e 114cc, OHC (Over Head Camshaft) de arrefecimento a ar. Desenvolve 8,4 cv a 8.000 rpm e gera torque de 0,78 kgf.m a 7.000 rpm. O sistema conta ainda com sistema de indução de ar e catalisador. A alimentação deste propulsor é por meio do carburador BS 25 Mikuni, com afogador eletrônico.

Na prática, a máquina tem partidas instantâneas e o motor conta com torque em baixas e médias rotações. No modelo, as acelerações são crescentes e constantes. Depois que a Neo “pega o embalo”, a pilotagem é bastante divertida. Porém, não vá pensando que o modelo tem uma força absurda.

Seu torque está compatível com sua proposta, ou seja, veículo urbano destinado a quem quer ingressar no mundo das duas rodas. Com tanque de combustível com capacidade para 4,8 litros, a Neo CVT tem, segundo a Yamaha, autonomia de cerca de 150 quilômetros e sua velocidade máxima pode chegar a 110 Km/h.

A exemplo de outras motonetas, a Neo é bastante fácil de se pilotar ou fazer manobras em baixas velocidades. Não há câmbio rotativo ou convencional, já que esta pequena Yamaha traz transmissão totalmente automática — CVT (Transmissão Variável Contínua), que funciona por meio de uma correia em "V". O câmbio automático tem vida útil mais longa se comparado ao tradicional trio formado por corrente, coroa e pinhão. O CVT oferece ainda rodagem mais confortável, sem sujeiras, ruídos ou ronco. Ecologicamente correta, é só ligar e acelerar.

Parte ciclística

Versátil e completa, a Neo CVT 2008 não traz grandes novidades na ciclística: chassi underbone confeccionado em aço tubular e rodas de liga-leve de 16 polegadas com cinco raios, calçadas com pneus voltados para o asfalto — 70/90 na dianteira e 80/90 na roda traseira.

Na dianteira manteve o garfo telescópico de 90 mm de curso e freio a disco com 220 mm de diâmetro, com pinça de duplo pistão. Já na traseira, que usa braço oscilante, com sistema bichoque, os dois amortecedores têm curso mais longo — 75 mm contra os 55 mm da versão anterior.

O freio é a tambor, com 130 mm de diâmetro e usa sapatas auto-ajustáveis. Resumindo: o conjunto de suspensão e freios da nova Neo CVT 2008 está mais firme é eficiente. Mas tome cuidado, pois os comandos têm algumas diferenças e particularidades em relação a uma motocicleta.

Para ligar o motor, é preciso que o piloto esteja acionando um dos dois manetes de freio. Não há pedal no pé direito para frear. O freio traseiro é acionado pelo manete do lado esquerdo, onde fica a embreagem em uma moto. Conseqüentemente, o manete direito é destinado ao freio dianteiro, igual ao de uma moto.

Porta-objetos e conforto

Agora a nova Neo conta com dois porta-objetos, que ficam no anteparo frontal, e um gancho posicionado na coluna central com capacidade para até um quilo. Funcionais, estas soluções são maneiras práticas para se transportar chaveiros, óculos, luvas ou sacolas de supermercado. Com o novo assento, o piloto ficou um pouco mais alto e roda confortavelmente sentado.
 
Para deslocamentos urbanos, a motoneta dispõe da proteção do escudo frontal. Para a garupa, a estrutura da nova pedaleira está melhor posicionada. Sob o assento, um dos grandes diferenciais da Neo CVT: compartimento com capacidade de 17 litros. A abertura continua sendo por meio da chave no contato.

A nova Neo CVT estará disponível a partir deste mês em toda rede de concessionárias Yamaha. O produto tem e um ano de garantia, sem limite de quilometragem.

Ficha Técnica


Motor:
Monocilíndrico de quatro tempos, OHC (Over Head Camshaft), refrigerado a ar
Cilindrada: 113,7 cm³
Potência máxima: 8,4 cv a 8.000 rpm
Torque máximo: 0,78 kgf.m a 7.000 rpm
Alimentação: Carburador BS 25 Mikuni
Partida: Elétrica e pedal
Chassi: Underbone
Rodas e pneus dianteiros: Liga-leve – 70/90-16 36P
Rodas e pneus traseiros: Liga-leve – 80/90-16 43P
Freio dianteiro: Disco de 220 mm de diâmetro, com acionamento hidráulico
Freio traseiro: Tambor de 130 mm de diâmetro interno
Suspensão dianteira: Garfo telescópico, com 90 mm de curso
Suspensão traseira: Bichoque, com 55 mm de curso
Comprimento: 1935mm
Distância entre-eixos: 1280mm
Altura: 1090mm
Largura: 770mm
Altura do assento: 756mm
Peso: 103 kg
Tanque de combustível: 4,8 L
Cores: Preta, prata e azul
Preço: R$ 6.087,00

Fotos: Mário Villescusa.


Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Traxx Fly 250 vem brigar no segmento trail

Teste: Honda NC 750X Razão, espaço e emoção

Teste: Dafra Cityclass 200i encara Honda PCX 150

Teste: Triumph Commander é uma cruiser com molho inglês

Teste: Ducati Hypermotard é moto para os fortes

Teste: Rivale 800 é uma verdadeira moto italiana

Teste: S 1000 R a naked mais potente do Brasil

Teste: Traxx Fly 250 vem brigar no segmento trail

Teste: Honda NC 750X Razão, espaço e emoção

Teste: Comparativo Flex Honda CB 300R x Yamaha Fazer 250

Primeiras impressões Honda NXR Bros 160: Por que não 200 cc?

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: KTM Duke 390 tem perfil de moto grande

Teste: Dafra Cityclass 200i encara Honda PCX 150


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras