moto.com.br
Publicidade:

Testes

Vídeo: KTM 390 Duke é divertida e pronta para pegar a estrada

12 de February de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Imponência. Essa é uma das palavras que combina bastante com a KTM 390 Duke. Por onde passa, com seu visual agressivo e musculoso, com os grafismos bastante chamativos no esquema de cores tradicional da marca (laranja, branco e preto), essa streetfighter austríaca atrai olhares curiosos e admirados.

Equipada com motor de um cilindro de 373,2 cm³, com duplo comando de válvulas (DOHC), a naked da KTM pesa 139 kg (a seco) e seu motor - duplo comando no cabeçote, quatro válvulas e refrigeração líquida - produz 44 cavalos de potência máxima a 9.500 rpm. Seu torque, de 3,57 kgfm, está disponível a 7.250 giros.

Sua suspensão dianteira invertida, com tubos de 43 mm, e monoamortecedor fixado diretamente na balança traseira, ambas com 150 mm de curso, o quadro em treliça e o guidão em alumínio completam o conjunto bastante estiloso dessa pequena naked austríaca recém-chegada ao País.

Na cidade, essa motocicleta se mostra bastante esperta, ágil e com muita disposição. Escapar do trânsito não é um problema para a KTM 390 Duke, que passa com tranquilidade entre os carros nos corredores de grandes avenidas.

A posição de pilotagem da pequena streetfighter da KTM é boa, mas a espuma do banco poderia ser um pouco mais densa, já que é bastante fina e chega a causar leve incômodo tanto no piloto como no garupa, que fica mais desconfortável. Outro ponto negativo, por assim dizer, fica por conta do aquecimento, mesmo em dias não muito quentes, a ventoinha liga após pouco tempo em ação e o motor chega a esquentar bastante para o seu tamanho.

Na hora de parar esse “brinquedo”, os freios dão conta sem qualquer sufoco, já que a motocicleta vem equipada com freios ABS comutáveis, disco dianteiro de 300 mm de diâmetro e pinça de fixação radial com quatro pistões, fabricados pela ByBre, e disco de 230 mm com pinça flutuante de um pistão na traseira.

Quando pegamos a estrada para São Sebastião (SP), imaginamos que a Duke em determinado momento transmitiria insegurança com o vento, mas pelo contrário, a moto apesar de ser muito leve não ficou instável em momento algum, mesmo acelerando ao máximo. Nossa equipe de teste acelerou com um grupo de motos com mais de 600cc e toda arrancada de ultrapassagem a motocicleta da marca austríaca consegui acompanhar sem problemas. O torque da máquina corresponde muito bem a cada acelerada.

Nas curvas é possível deitar que a moto acompanha muito! No trecho da Rio - Santos, que apresenta muitas curvas, a 390 Duke aparentava ter até mais cilindradas que as 373,2 originais. O quadro de aço em formato treliça reserva alta rigidez estrutural, algo bem aproveitado pela longa balança traseira de alumínio “recortado”, para baixo peso. As suspensões da (grife) WP usam bengalas dianteiras invertidas, e revelam ação firme aliada a um curso longo nos dois eixos – 15 cm.

Os freios com ABS trazem muita segurança nas frenagens em alta velocidade na estrada, muito bem balanceada, com pincas dianteiras de fixação radial (fica junto das “canelas”, uma herança das esportivas) e disco de 300 mm. Atrás, o disco tem 230 mm de diâmetro. O ABS pode ser desligado, mas mesmo quando está ativo, o sistema é pouco intrusivo e permite frenagens fortes, como em entradas de curvas. Assim como constatado na cidade, o banco que é um pouco mais duro, lembrando muito uma moto esportiva em longas viagens.

O veredicto: a KTM 390 Duke proporciona uma pilotagem muito divertida e emocionante, empolgando até mesmo quem já tem experiência com motocicletas maiores e transmitindo segurança e fácil manejo para motociclistas iniciantes.

Veja o vídeo:

FICHA TÉCNICA
KTM 390 Duke
Motor Um cilindro, DOHC, quatro válvulas com refrigeração líquida 
Capacidade cúbica 373,2 cm³
Potência máxima 44 cv a 9.500 rpm
Torque máximo 3,57 kgf.m a 7.250 rpm
Câmbio Seis marchas
Transmissão final corrente
Alimentação Injeção eletrônica Bosch
Partida Elétrica
Quadro Treliça de aço 
Suspensão dianteira Garfo invertido WP com tubos de 43 mm de diâmetro e 150 mm de curso
Suspensão traseira Monoamortecedor WP com 150 mm de curso fixado diretamente à balança
Freio dianteiro Disco simples de 300 mm de diâmetro, pinça radial ByBre com quatro pistões e ABS desligável
Freio traseiro Disco simples de 230 mm de diâmetro, pinça flutuante ByBre de um pistão
Pneus 110/70 ZR17 (dianteira) /150/60 ZR17 (traseira) 
Comprimento 2.145 mm
Largura 760 mm
Altura não disponível
Altura do assento 800 mm
Distância entre-eixos 1.367 mm
Distância do solo 170 mm
Peso a seco 139 kg
Tanque de combustível 11 litros
Cores Branca e Preta 
Preço: R$ 21.990,00

Fotos e vídeo: Kiko Tokuda/MOTO.com.br
Texto: Alexandre Ciszewski e Marcio C. Viana



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Honda XRE 190 é nova opção compacta no país

Teste: H-D Iron 883 muda para atrair novos clientes

Teste: NMax 160 põe Yamaha na briga dos scooters

Vídeo: Kawasaki Ninja 300 ou Z300, qual é a sua pegada?

Teste: Triumph Explorer 1200 XCx, a rainha inglesa

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Yamaha MT-03 tem desempenho e preço acessível

Teste: H-D Iron 883 muda para atrair novos clientes

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: KTM Duke 390 tem perfil de moto grande

Primeiras impressões: BMW S 1000 XR é esportiva camuflada

Teste: Yamaha Ténéré 250 encara Honda XRE 300

Teste: Kawasaki Vulcan S é nova custom acessível

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras