moto.com.br
Publicidade:

Testes

Vídeo: Fácil de pilotar, confira a Ducati Scrambler em ação

14 de March de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Apresentada oficialmente no Brasil em Setembro do ano passado, a nova Ducati Scrambler mexeu com a cabeça e o coração dos mais diversos motociclistas, misturando o que é há de melhor entre o tradicional e o moderno. Com linhas retrô e visual minimalista, mas carregada de tecnologia de ponta, como farol com LED, painel de instrumentos digital em LCD e freios ABS, para citar apenas alguns itens, a Scrambler italiana com design "pós-vintage" agradou muito e parece ter chegado para ficar.

A onda de customização está aquecendo o mercado brasileiro de motos, e a cada dia aparece um modelo para os artistas colocarem a arte em prática. Pegamos a Ducati Scrambler para fazer avaliação e a máquina surpreendeu pela leveza e ciclística. Um motor forte de dois cilindros em L de 803cc com 75 cv a 8.250 rpm nos dá uma pilotagem agradável e segura. Outro dado interessante desse motor é a força já em baixa rotação. Mesmo sem usar acelerador eletrônico a resposta é muito rápida e vigorosa.

A suspensão traseira, com amortecedor Kaiaba com ajuste de pré-carga, ajuda muito nas curvas bem fechadas.  Ao sentar na moto e colocar facilmente os dois pés no chão, pois a moto é baixa (790 mm do banco ao solo), não parece que a moto tem 175 kg, sendo muito fácil de manobrar e passar no meio do transito e lugares travados.

Hora de pegar a estrada, oba! A moto sobe de giro muito rápido e no limite da velocidade a moto é bem estável e apresenta pouca vibração, o que transmite muita segurança em alta velocidade e para segurar conta com um conjunto de freios ABS.

A Ducati Scrambler ICON é bem atraente para um consumidor mais jovem pelas cores vibrantes, em especial a de cor amarela! A nova motocicleta manteve algumas linhas de sua antecessora, como o formato de gota do tanque de gasolina (com capacidade para 13,5 litros) e suas tampas laterais feitas em aço escovado com o logo do modelo. Por ser uma motocicleta “pós-moderna”, a Ducati Scrambler carrega tecnologias atuais com toques clássicos. O farol dianteiro redondo, por exemplo, conta com luzes de LED e iluminação diurna em volta do aro.

Olhando a máquina de perto, a princípio não é preciso fazer modificação nenhuma, mas assim que você começa a analisar a linha de peças que a própria montadora criou para a moto (veja mais!), você vai querer personalizá-la.

Bancos, escapamento, guidão, grafismo, etc, todo um lifestyle, que em pouco tempo vamos ver nas ruas a tendência que ocorreu com motos da Harley-Davidson e Triumph Bonneville, por exemplo, nas quais cada um modifica da sua maneira.

Passamos em algumas oficinas de customização e todos piraram com o que pode ser feito nesta Ducati que lembra as motos dos anos 1960 e 1970, mas hi-tech. O crescimento dos estilos Café Racer, Flat Track e Scrambler, alavancaram preços de motos que estavam quase esquecidas como Honda CB 500 e CB 750 e até CB 400, motos antigas que dependendo do estado de conservação podem custar mais que a Ducati Scrambler que tem preço inicial de R$ 38.900.

Na terra, com os pneus Pirelli, a moto tem boa estabilidade, não que a moto seja uma legitima off road, mas o conjunto suspensão e pneu absorve parte das irregularidades. O painel conta com apenas um instrumento, e ainda por cima deslocado para a direita. O velocímetro é fácil de ver, assim como as luzes de advertência, mas o conta-giros, esquece! Está lá só pra dizer que existe. As demais informações estão todas lá, inclusive um computador de bordo que dá o consumo instantâneo e a luz de reserva. 

Para quem gosta do estilo, tem que acelerar e depois dar a opinião!

 

Confira a Ducati Scrambler em ação:

 

Fotos e vídeo: Kiko Tokuda/MOTO.com.br e Divulgação
Texto: Alexandre Ciszewski e Marcio Viana

 

FICHA TÉCNICA
Ducati Scrambler 
Motor Dois cilindros em “V”, duas válvulas por cilindro e refrigeração a ar
Capacidade cúbica 803 cm³
Diâmetro x curso 88 x 66mm
Taxa de compressão 11:1
Potência máxima 75 cv a 8.250 rpm
Torque máximo 6,9 kgf.m a 5.750
Câmbio Seis marchas
Transmissão final Corrente
Alimentação Injeção eletrônica
Partida Elétrica
Quadro Treliça em tubos de aço
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Kayaba de 41 mm de diâmetro com 150 mm de curso 
Suspensão traseira monoamortecedor e balança oscilante em alumínio com 150 mm de curso
Freio dianteiro Disco simples dianteiro de 330 mm de diâmetro, mordido por pinça Brembo de quatro pistões e ABS
Freio traseiro Disco único de 245 mm de diâmetro e ABS
Pneus 110/80 aro 18 (D) e 180/55 aro 17 (T)
Comprimento 2.100 mm
Largura 845 mm
Altura 1.150 mm
Distância entre-eixos 1.445 mm
Altura do assento 790 mm
Peso a seco 170 kg 
Peso em ordem de marcha 186 kg 
Tanque de combustível 13,5 litros
Cor Amarela
Preço sugerido R$ 38.900



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras