moto.com.br

Publicidade:

Testes

Teste: Primeiras impressões do scooter Honda PCX 150

30 de April de 2013
Compartilhe este conteúdo:

Paulo Souza

A Honda apresentou na última semana a chegada do scooter PCX, um lançamento no mercado brasileiro, que chega como opção para quem deseja um modelo sofisticado e com design diferenciado. A previsão é que o modelo chega às concessionárias de todo o Brasil no dia 20 de maio, com preço sugerido de R$ 7.990.

A convite da Honda tivemos a oportunidade de andar no PCX e conhecer melhor suas características e tecnologias. Confira agora a nossa avaliação e as primeiras impressões do modelo.

Motor

O PCX já se diferencia dos outros modelos de scooters logo pelo seu design, porém, sua grande novidade é o sistema “Idling Stop System”, que desliga o motor em paradas rápidas e o religa automaticamente quando acionado o acelerador. Isso acontece, por exemplo, quando paramos no farol, em três segundos parado o motor desliga ajudando a contribuir na economia de combustível, para retomar basta acelerar novamente.

De acordo com a equipe de tecnologia da Honda, com esse sistema é possível economizar até 5,5% de combustível. Outro atributo do PCX está em seu motor de 150 cm3, arrefecido a líquido, capaz de gerar 13,6 cv a 8.500 rpm, e torque máximo de 1,41 kgf.m a 5.250 rpm. Alimentado por injeção eletrônica este propulsor surpreendeu, possui bastante força e sua velocidade final atinge os 120 km/h.

Equipado com câmbio de transmissão automática CVT (V-Matic), onde não é necessário realizar a troca de marchas, o PCX possui incrível poder de entrega de potência. Em poucos segundos é possível atingir a casa dos 80 km/h com facilidade, para uso urbano é ideal, pois possui uma boa retomada nas acelerações.

Tecnologia

Além do sistema exclusivo “Idling Stop”, a PCX possui outros atributos importantes, principalmente na segurança. Nos freios o modelo possui o sistema CBS (Combined Brake System), que permite o acionamento simultâneo dos freios. Quando acionamos o manete direito, este sistema aciona 70% do freio traseiro e 30% do dianteiro. Já se acionar o manete esquerdo ele freia apenas a roda dianteira. Um conjunto bem eficiente para frear a moto, além de não permitir o travamento total da roda traseira.

Na dianteira, recebe freio a disco com 220 mm de diâmetro, e na traseira a tambor com 130 mm de diâmetro. Suas rodas são de aro 14’ e em conjunto com a suspensão dianteira, garfo telescópio com 100 mm de curso e traseira, sistema de duplo amortecimento com 85 mm de curso, dão ao piloto maior conforto na hora de enfrentar as ruas irregulares.

Ainda falando de conforto a PCX possui encosto no banco para o piloto, ainda que pequeno, da ao piloto a noção exata de onde se posicionar. Sob este banco, aberto por meio de um botão, o compartimento possui 25 litros e permite guardar um capacete fechado. O painel de instrumentos é completo com velocímetro analógico e hodômetro total, e marcador de combustível digital, além de luzes-espia da injeção eletrônica e do sistema de parada automático.

Desfecho

Com a expectativa de produzir 10.000 unidades durante o ano, a Honda anunciou que não irá deixar de produzir a Lead 110, pois crê que os modelos não são concorrentes e possuem públicos diferentes. As cores comercializadas serão vermelha metálica e branca perolizada, com preço sugerido de R$ 7.990 (valor não inclui despesas com frete e seguro).

Com uma pilotagem confortável e agradável, a PCX se mostrou bastante interessante para quem busca outro conceito de scooter. Seu propulsor é bastante eficiente e cumpre bem o seu papel. Prática no uso urbano com estilo e preço competitivo, a PCX é mais uma opção de entrada no universo das duas rodas.

Confira o vídeo de apresentação do Honda PCX:

Ficha Técnica
Motor    153cm3, OHC, monocilíndrico, 4 tempos, arrefecido a líquido
Potência máxima    13,6 cv a 8.500 rpm
Torque máximo    1,41 kgf.m a 5.250 rpm
Diâmetro X Curso    58,0 x 57,9 mm
Alimentação    Injeção eletrônica de combustível PGM-FI
Relação de compressão    10,6 : 1
Sistema de lubrificação    Forçada, por bomba trocoidal
Sistema de Ignição    Eletrônica
Bateria    12V – 6 Ah
Farol (ALTO/BAIXO)    35/30W
Sistema de partida    Elétrica
Capacidade do tanque    5,9 litros
Óleo do motor    0,9 litro (0,8 litro para troca)
Transmissão  Automática, tipo CVT (V-Matic)
Embreagem   Automática centrífuga (tipo seco)
Suspesão dianteira    Garfo telescópico com 100 mm de curso
Supensão traseira    Duplo-amortecido com 85 mm de curso
Freio dianteiro    Disco de 220 mm de diâmetro com cáliper de pistão duplo
Freio traseiro    A tambor com 130 mm de diâmetro
Pneu dianteiro    90/90-14
Pneu traseiro   100/90-14
Chassi   Monobloco (underbone)
Altura do assento    760 mm
Altura mínima do solo    140 mm
Dimensões (C x L x A)    1.917 mm x 738 mm x 1.094 mm
Entre-eixos    1315 mm
Peso seco    124 kg

Fotos: Caio Mattos/Divulgação



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW S1000RR emagrece e fica mais sofisticada

Teste: Para Kawasaki Z300 tamanho não é documento

Na lata! Avaliamos a nova BMW F 800 R

Teste: Tiger 800 XRx é aventureira para o mundo real

Na lata! Avaliamos a Honda NC 750X

Teste: Honda PCX 150 encara a estrada

Teste: Harley-Davidson Night Rod tem design radical

Na lata! Avaliamos a Honda NC 750X

Teste: KTM Duke 690R uma moto e muita diversão

Teste: Harley-Davidson Night Rod tem design radical

Na lata! Avaliamos a Triumph Tiger 800 XRx

Teste: Para Kawasaki Z300 tamanho não é documento

Teste: Honda PCX 150 encara a estrada

Na lata! Avaliamos a Traxx Fly 250


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras