moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Triumph Street Triple 675, esta naked promete!

06 de August de 2013
Compartilhe este conteúdo:

Paulo Souza

Ainda pouco conhecida no mercado brasileiro, a Street Triple faz sucesso lá fora desde o seu lançamento em 2007. No ano passado esta naked recebeu uma grande transformação e foi ainda mais elogiada pelos motociclistas de todo o mundo.

A Triumph iniciou suas operações no Brasil em outubro do ano passado, porém, esperou um pouco para trazer sua “pequena” naked, a fim de inserir no mercado a nova versão da Street Triple. Após as primeiras impressões do modelo na pista, testamos a moto no uso urbano e também na estrada, confira como ela se sai.

Assista ao vídeo que preparamos com a Street Triple 675

Dia a dia
Como proposta para os motociclistas que desejam uma moto potente para o uso urbano, a Street Triple chega para completar a gama dos modelos nakeds de média cilindrada. Logo de cara quando encaramos o trânsito de São Paulo, percebemos que apesar de ter melhorado o ângulo de esterço com o seu novo chassi, ainda há uma limitação na hora de trafegar em meio aos carros nos congestionamentos da cidade.

Já a sua ciclista é fantástica, ao pilotá-la parece que ela é sua moto de anos, bem fácil e prazerosa sua condução. Um fato que ajuda bastante ela ser essa “bicicletinha” é a sua pequena distância de entre-eixos, apenas 1 410 mm, a menor de todas as nakeds da categoria. Seu peso de 183 kg em ordem de marcha também contribui para sua versatilidade.

Os freios são excelentes e precisos, principalmente quando andamos em piso molhado. Conta com ABS de série regulável, e vem equipado na dianteira por discos duplos flutuantes de 310 mm, com pinças deslizantes de dois pistões da marca Nissim, e na traseira possui disco único de 220 mm, pinça de pistão único Brembo.

Seu conjunto de suspensões foi colocado à prova, e apesar de dar conta do recado de forma geral, não se saiu tão bem em ruas esburacadas e nas imperfeições do asfalto. Na dianteira possui curso de apenas 110 mm e como não possui opção de regulagem às vezes acaba batendo no final do curso. Já a traseira o sistema é monoamortecedor com regulagens, que facilitam a adaptação ao tipo de pilotagem e ambiente.

Estrada
Ainda falando de seu conjunto de suspensões, a Street Triple muda completamente quando a tiramos do cenário urbano e a colocamos na estrada. Em uma rápida viagem de São Paulo à cidade de Sorocaba no interior paulista, percebemos uma moto completamente estável e muito prazerosa para pequenas viagens.

Por possuir um curso menor que as demais nakeds da categoria, ela parece te dar total segurança, principalmente em mudanças rápidas de direção e também nas curvas. Calçada com pneus Pirelli Diablo Rosso Corsa, ela gruda no chão e te convida a acelerar o seu prazeroso motor de três cilindros.

Este propulsor de 675 cm³ garante respostas rápidas desde baixas rotações e gera 85 cv de potência. Um prato cheio para quem deseja uma moto rápida e ágil! Os engenheiros ingleses também ajustaram a geometria da moto, com um novo chassi e também conjunto de escapamento, eles melhoraram a centralização de massa da moto, além de reduzir seis quilos da versão anterior.

Com isso, a Street Triple tornou-se uma motocicleta ainda mais ágil e estável. A sua posição de pilotagem é confortável e prazerosa, no mais estilo esportivo, além de possuir um banco macio e confortável. Na estrada pilotando por cerca de uma hora sem parar não senti nenhum cansaço. A média de consumo de combustível ficou entre 14,4 e 16,1 km/l.

Conclusão
Sem sombra de dúvidas esta naked chegou com muito prestígio para brigar com suas concorrentes, principalmente pelo preço público sugerido de R$ 31.900. Além de ser bastante divertida com um motor tricilíndrico empolgante, possui diversos atributos positivos, destacando-se o sistema de freios ABS e seu design diferenciado e inovador. Ter uma na garagem de casa é satisfação garantida!

E para quem deseja equipar ainda mais a Street Triple 675, a Triumph disponibiliza alguns acessórios extras, que podem ser facilmente instalados na naked deixando-a ainda mais requintada para uma tocada mais esportiva. Entre eles destaque para o quick-shift, encontrado nas concessionárias pelo preço sugerido de R$ 1.761,64 e que pode ser instalado sem a necessidade de reprogramação.

O jornalista utilizou no teste capacete LS2, jaqueta, calça e luvas Race Tech e bota Deinese.

Cotação de Seguro (*)
À vista: R$ 1.929,67
Franquia: R$ 5.028,67
(*) Perfil médio: Homem, 25 a 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, morador de São Paulo e com residência em região razoável (bairro da zona sul ou zona oeste, por exemplo).

Agradecimento
Cycle Assessoria e Corretora de Seguros
(11) 3159-0733

Ficha Técnica
Motor:  Refrigeração líquida, 12 válvulas, DOHC, três cilindros em linha.
Cilindrada:  675 cc
Diâmetro x Curso: 74,0 x 52,3 mm
Potência máxima:  85,1 cv a 11.200 rpm
Torque máximo:  59,9 Nm a 8.300 rpm
Alimentação: Injeção eletrônica multiponto sequencial
Capacidade de óleo    3,4 litros
Marchas:  6 marchas
Transmissão final: Corrente
Embreagem:  Discos múltiplos, a banho de óleo.
Chassi: Quadro dianteiro com perfil de alumínio e dupla viga.
Traseiro com duas peças fundidas sob alta pressão.
Balança: Nas duas laterais, liga de alumino fundido.
Roda dianteira: Liga de alumínio fundido de 5 raios, 17 x 3,5 polegadas.
Roda traseira:  Liga de alumínio fundido de 5 raios, 17 x 5,5 polegadas.
Pneu dianteiro: 120/70 ZR17
Pneu traseiro:  180/55 ZR17
Suspensão dianteira: KYB, 41 mm, garfos invertidos, curso de 110 mm.
Suspensão traseira: KYB, amortecedor único, curso de 124,5 mm.
Freio dianteiro: Discos duplos flutuantes de 310 mm, com pinças deslizantes Nissin com dois pistões, sistema ABS regulável de série.
Freio traseiro: Disco único de 220 mm, pinça de pistão único Brembo, sistema ABS regulável de série.
Painel: Funções de Tela de LCD, contador de voltas integrado, luzes indicadoras de mudanças de marchas, medidor de combustível, relógio, conta-giros, velocímetro digital e indicador da pressão dos pneus.
Tanque de combustível: 17,4 litros
Comprimento:  2.055 mm
Largura:  740 mm
Altura (sem espelhos retrovisores): 1.060 mm
Altura do assento:  800 mm
Distância entre eixos:  1.410 mm
Peso (tanque de combustível cheio): 183 kg
Garantia: 2 anos, sem limite de quilometragem.

Fotos e vídeo: Cine Photo



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Triumph acrescenta tecnologia à Tiger Sport

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras