moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Triumph Bonneville, a verdadeira moto clássica

03 de July de 2013
Compartilhe este conteúdo:

Aladim Lopes Gonçalves

Os fãs de motos clássicas do Brasil tem desde o final de 2012 a possibilidade de levar para a garagem de sua casa uma moto que carrega uma bagagem de mais de 50 anos. A lendária Bonneville T100 é o maior expoente do estilo Cafe Racer da centenária marca inglesa Triumph. Produzida no Brasil, na fábrica da Triumph, no Polo Industrial de Manaus (AM), essa custom inglesa pode ser encontrada com preço sugerido de R$ 29.900 nas concessionárias da marca no país, que devem somar 12 lojas até o final de 2013. 

Com um conjunto visual retrô, farol redondo, pintura clássica em dois tons na lateral, rodas raiadas, a Bonneville é um convite para reviver o passado. Mas não se engane, apesar das dimensões compactas e do disfarce do duplo carburador, que na verdade abriga o sistema de injeção de combustível, essa custom esconde o seu espírito selvagem. O botão do afogador é um charme a mais. 

O motor que desponta na Bonneville T100 é um moderno dois cilindros paralelos de 865 cm³, duplo comando, com sistema de refrigeração a ar com o auxílio de radiador de óleo, que desenvolve uma potência de 67 cavalos a 7.500 rpm e torque de 6,8 kgfm a 5.800 rpm. A receita do propulsor bicilíndrico é a mesma do modelo original, mas a cilindrada foi ampliada. O sistema de transmissão é de cinco marchas. 

O painel de instrumentos também é nostálgico, apesar de esconder dispositivos modernos. Com dois mostradores analógicos (velocímetro e conta-giros) e um display digital no centro, oferece uma boa visualização para o motociclista. O detalhe curioso são os números da marcação da velocidade principal em milhas por hora, uma praxe na Inglaterra, e em menor escala o de quilômetros por hora, indicação mais utilizada no Brasil. 

Quem imagina que a moto de entrada da Triumph poderia passar despercebida no trânsito da cidade de São Paulo, em meio à multidão de motocicletas de todos os portes e tipos, até com algumas bem mais chamativas, vai estranhar a popularidade da Bonneville. Para cada parada em semáforo é preciso responder pelos menos duas ou três curiosidades dos motociclistas em volta. 

“Puxa quase 900cc para uma moto desse tamanho. É impressionante!”, afirmou espantado o dono de uma custom japonesa. “O motor é três cilindros também?”, questionou o proprietário de uma trail alemã. “Queria trabalhar com uma moto dessas”, ressaltou um mensageiro de moto 150cc. A curiosidade alheia era impressionante e cada parada no farol demorava mais que o tempo normal. 

Fora as conversas e as curiosidades sobre a moto, a Bonneville se mostra bem adequada e com uma proposta bem versátil para o uso urbano. A posição de pilotagem é bastante confortável no melhor estilo das custom dos anos 1980 com assento ultramacio e o guidão mais aproximado do piloto, permitindo uma posição ereta e ergonômica para o motociclista. A sensação que fica é de andar com uma moto compacta, só que equipada com “motorzão”. 

O conjunto de suspensões, com garfos telescópicos (com nostálgicas coifas de borracha) na dianteira e sistema bichoque com regulagem na pré-carga da mola na traseira se mostrou bem acertado para absorver os impactos dos pisos mais irregulares e boa estabilidade nas curvas e manobras. As partidas têm boa vitalidade e o câmbio mostra força, não exigindo muitas trocas de marchas na cidade. 

Já no ambiente rodoviário o desempenho da Bonneville T100 aparenta ser mais modesto. Rodando em uma faixa de velocidade na faixa de 120 km/h o motor apresenta um pouco de vibração, o que pode aumentar o cansaço do motociclista. Outro aspecto que pode tornar as viagens mais cansativas é a ausência de para-brisa. De fato, essa custom da Triumph parece mais familiarizada com cenários nostálgicos, como percebemos durante nossa passagem pela Vila de Paranapiacaba, que fica na região de Santo André (SP). 

A média de consumo da Bonneville durante o teste oscilou entre 19 e 23 km/litro na cidade e na estrada. Levando em conta a capacidade de 16 litros do tanque de combustível é possível alcançar uma autonomia na faixa entre 320 km e 350 km, permitindo fazer viagens curtas e médias sem grandes preocupações com abastecimentos no percurso. 

Em relação aos freios, apesar da sua mecânica moderna, a Bonneville T100 não vem equipada com o reforço de ABS (antitravamento), mas o sistema adotado no modelo mostra grande eficiência na hora de parar seus 225 kg (peso em ordem de marcha). O conjunto é composto de disco simples de 310 mm na frente e disco simples de 255 mm na traseira. 

Com uma proposta visual clássica e uma mecânica moderna, a Bonneville T100 tem qualidades de sobra para encantar tanto os motociclistas mais experientes quantos os mais jovens que buscam iniciar uma jornada entre as motos custom. Uma rara oportunidade de ter em casa uma moto antiga de 1959 (ano de seu lançamento), só que zero Km e com todas as facilidades das motos novas. 

O jornalista utilizou no teste capacete Airoh, calça, jaqueta, botas e luvas Alpine Stars

 

COTAÇÃO DE SEGURO (*)

À vista: R$ 1.242,24

Franquia: R$ 1.903,25 

(*) Perfil médio: Homem, 25 a 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, morador de São Paulo e com residência em região razoável (bairro da zona sul ou zona oeste, por exemplo).

Agradecimento
Cycle Assessoria e Corretora de Seguros
(11) 3159-0733
 
 
FICHA TÉCNICA
Motor Dois cilindros paralelos, DOHC, refrigeração a ar com radiador a óleo
Capacidade 865 cm³
Câmbio Cinco marchas
Potência máxima 67 cv a 7.500 rpm
Torque máximo 6,8 kgf.m a 5.800 rpm
Suspensão dianteira Garfo telescópico convencional Kayaba de 41 mm de diâmetro e 120 mm de curso
Suspensão traseira Sistema bichoque com dois conjuntos mola-amortecedor Kayaba com 106 mm de curso
Freio dianteiro Disco simples de 310 mm com pinça flutuante de dois pistões
Freio traseiro Disco simples de 255 mm com pinça flutuante de dois pistões
Pneu dianteiro 100/90 R19
Pneu traseiro 130/80 R17
Comprimento total 2.230 mm
Largura total 740 mm
Altura (sem espelhos) 1.100 mm
Entre-eixos 1.500 mm
Altura do assento 775 mm
Peso (em ordem de marcha) 225 kg
Tanque de combustível 16 litros
Cores Vermelho Cranberry com Branco New England, Grafite com Preto Phantom e Preto Jet
Preço R$ 29.900
 
Fotos: Paulo Souza


Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Triumph acrescenta tecnologia à Tiger Sport

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras