moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Remodelação dá status de moto grande à CB 500F 2016

01 de August de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Nascida há três anos como uma motocicleta racional e multiplataforma – pois quadro e motor são compartilhados com a CBR 500R e a CB 500X - a Honda CB 500F pretendia ser a porta de entrada para as motos maiores com uma pilotagem acessível. Para 2016, toda a família passou por uma reformulação. A versão naked, a 500F, recebeu ajuste na suspensão dianteira, manetes reguláveis, novo sistema de iluminação com LEDs e, o principal, um design novo que lhe conferiu status de uma moto maior.
 
Pode parecer pouco, mas não é. Afinal, muitos consumidores escolhem a moto pela aparência. E nesse quesito o modelo 2016 dá de goleada na geração anterior. O farol e a lanterna em LED não trouxeram somente mais eficiência ao sistema de iluminação, conferiram também um porte mais sofisticado à naked. Da mesma forma, o tanque com capacidade para 16,7 litros (um litro a mais), as novas aletas, a rabeta facetada e a encorpada ponteira de escapamento dão à impressão de que se trata realmente de uma moto grande, e não apenas um modelo de entrada. O ruim é que essa remodelação veio acompanhada de um aumento de preço: a CB 500F 2016 com freios ABS custa R$ 28.000, 13% mais cara que o modelo anterior (R$ 24.625).



Docilidade e economia
A parte boa da reformulação é que a Honda manteve a proposta original da CB 500F, o motor bicilíndrico, com 471 cm3 de capacidade, manteve os mesmo 50,4 cv de potência máxima a 8.500 rpm, entregues de uma forma linear, que não assusta aos motociclistas entrantes, mas também não decepciona pilotos mais experientes. Há bom torque em diversas faixas de giro e o câmbio foi o único a receber mudanças para proporcionar engates ainda mais suaves. Vale ressaltar que o ronco do novo escapamento, embora seja tímido, está mais empolgante que no modelo anterior. 

Como não houve mudanças mecânicas, o consumo foi o mesmo: em 276 km consumiu apenas 10,35 litros de gasolina, uma média de 26,6 km/litro. Uma boa marca para uma moto de 500 cc e, agora com mais um litro no tanque, a autonomia pode chegar a 400 km. 



Ajuste ao gosto do piloto
A ciclística foi aprimorada. O garfo telescópico dianteiro foi retrabalhado internamente e agora oferece ajuste na pré-carga da mola para atender pilotos mais pesados. O ajuste também está presente no monoamortecedor traseiro. Em uma estrada sinuosa, o amortecimento dianteiro mostrou um funcionamento mais suave e eficiente, mas a balança traseira ainda é macia demais para uma pilotagem esportiva e exige ferramentas para ajustar a pré-carga, infelizmente.

Outra novidade que permite ao piloto ajustar a CB 500F ao seu gosto é o manete de freio, que ganhou regulagem de altura. O conjunto, porém, continua igual: disco de 320 mm com pinça Nissin de dois pistões na dianteira, e disco de 240 mm com pinça simples na traseira. São modulares e freiam com eficácia os 178 kg a seco (2 kg a menos por conta da nova ponteira) da CB 500F. O sistema ABS atua mesmo só em casos de emergência e normalmente nem é notado.



Desejável, porém cara
A Honda conseguiu remodelar a CB 500F, sem alterar sua proposta de ser uma moto fácil de pilotar e econômica. Ao longo de uma viagem de mais de 300 km, encontrei muitos motociclistas que elogiaram a nova naked média. Alguns chegaram a dizer que o novo desenho despertava a vontade de ter uma dessas na garagem. Isso até saberem o preço da novidade. 

A nova Honda CB 500F continua sendo uma moto racional: econômica, fácil de pilotar e divertida. O único problema na remodelação da naked de 500 cc foi mesmo o aumento exagerado no valor do modelo. Com preço sugerido de R$ 28.000, a comportada e agora atraente CB 500F passa a competir com outras motos que têm especificações superiores. Para se ter uma ideia, com esse valor é possível adquirir uma Yamaha MT-07 modelo 2015 sem freios ABS, que tem motor de dois cilindros e 74,8 cv de potência máxima. 



FICHA TÉCNICA
Honda CB 500F ABS 2016
Motor: Dois cilindros, DOHC, 471cm³, quatro tempos, arrefecido a líquido e injeção eletrônica de combustível PGM-FI
Diâmetro x curso: 67,0 x 66,8 mm
Câmbio: seis marchas
Potência máxima: 50,4 cv a 8.500 rpm
Porque máximo: 4,55 kgf.m a 7000rpm
Suspensão
Dianteira: Garfo telescópico com 120 mm de curso e ajuste na pré-carga da mola
Traseira: Monoamortecida com 119 mm de curso e ajuste na pré-carga da mola
Freios
Dianteiro: Disco de 320 mm com pinça de dois pistões e ABS
Traseiro: Disco de 240 mm com pinça simples e ABS
Rodas e Pneus
Dianteiro: Liga leve - 120/70-17 
Traseiro: Liga leve - 160/60-17
Comprimento: 2.081 mm 
Largura: 791 mm
Altura: 1.056 mm
Altura do assento: 789 mm
Altura mínima do solo: 156 mm
Entre-eixos: 1409 mm
Capacidade do tanque: 16,7 litros 
Peso: 178 kg (seco)
Cores: Preta fosca, tricolor e vermelha (ABS)
Preço público sugerido R$ 28.000 (ABS)

Texto: Arthur Caldeira / Agência INFOMOTO

Fotos: Mario Villaescusa / Agência INFOMOTO



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Longa Duração: Honda Pop 110i supera os 1.000 km rodados

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras