moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Primeiras impressões Daytona 675R e Street Triple 675

20 de May de 2013
Compartilhe este conteúdo:

Paulo Souza

A Triumph anunciou a chegada de dois modelos que chegam para agitar o mercado de motos de média cilindradas, são elas, a esportiva Daytona 675R e a naked Street Triple 675. Ambas chegam às concessionárias no mês de junho ampliando a linha de motocicletas da Triumph no Brasil. Tivemos a oportunidade de "andar" com essas duas máquinas e avaliar as primeiras impressões de cada modelo, confira!

- Confira o vídeo de apresentação dos modelos Daytona 675R e Street Triple 675, produzido em parceria com a produtora Cine Photo

Daytona 675

Um dos modelos mais desejados entre as esportivas, a Daytona 675 chega oficialmente no Brasil com sua última versão. Totalmente reestilizado o modelo conta com o mesmo propulsor de três cilindros, porém com potência ampliada para 128 cavalos, um novo chassi e visual renovado, não sobrou quase nada da última versão.

Motor

As características do motor continuam as mesmas, possui uma potência incrível semelhante aos modelos de quatro cilindros e força intermediária de um motor dois cilindros. Porém, foram feitas diversas modificações para garantir melhor desempenho. Entre elas, destaque para o diâmetro que foi aumentado e o curso diminuído, isso faz com que os pistões tenham uma menor distância para percorrer, o que permitiu uma rotação maior do motor - mais 500 rpm.

Outros fatos que mudaram foram os pistões, agora, em cilindros com revestimento em nicasil e o uso de válvulas feitas de titânio, um material consideravelmente mais leve e resistente do que o aço. Com isso a moto ficou um quilo mais leve, pesando 184 quilos em ordem de marcha.

Na prática o seu desempenho é sensacional, toda tecnologia que a Daytona 675R recebeu permitiram além de aumento de potência (128 cv) e torque (7,64 kgm.f), ainda mais precisão para quem deseja baixar o tempo nas pistas. Para auxiliar, a embreagem é do tipo deslizante com slip-assist, que previne o travamento da roda traseira e para completar possui o sistema de transmissão quick-shift de mudança rápida das marchas.

Mudanças

Além do motor, quase todos os itens foram alterados na versão esportiva. O chassi é novo e melhorou a distribuição de peso da motocicleta, o visual ganhou linhas mais retas em suas carenagens e o sistema de escapamentos alterados para a lateral da moto, tudo para garantir uma pilotagem melhor e mais segura.

O conjunto de suspensões é de primeira linha da marca Öhlins, com bengalas invertidas na dianteira e monoamortecida na traseira. Durante o teste na pista este conjunto trabalhou perfeitamente resultando em uma moto ágil e bastante estável, principalmente nas entradas de curvas.

O sistema de freios possui ABS de série, com três funções diferentes, você pode optar por desligar, manter o sistema acionado ou então utilizar o modo racing, para utilização nas pistas. Esta última função foi a que utilizamos no teste, é bastante interessante, pois permite que você utilize os freios quase em seu limite e se o piloto errar na dose ela evita o travamento da roda.

Conclusão

Sem dúvidas, a Daytona 675R chega como forte concorrente no mercado das médias esportivas. Toda tecnologia aplicado no modelo, que segundo a marca britânica demorou cerca de três anos em seu desenvolvimento, foram bastante precisas e acertadas. Com o preço sugerido de R$ 48.690, com certeza a Daytona 675 pode provocar alterações nos preços de mercado, já que suas concorrentes estão com preços mais elevados, como exemplo, a Honda CBR 600RR por R$ 50.900 (ABS) e a Kawasaki ZX-6R por R$ 52.990 (ABS).

Street Triple 675

O modelo naked Street Triple 675 foi totalmente remodelado e possui diversas mudanças que deixaram a moto seis quilos mais leve que a versão anterior (183 quilos em ordem de marcha), tudo para garantir uma melhor pilotagem em uso urbano.

No entanto, o modelo chegou com potência diferenciada das versões comercializadas em outros países. No Brasil o propulsor que equipa a Street Triple 675 gera 85 cavalos de potência, enquanto no exterior possuem modelos de 95 cv e 105 cv. Isso ocorreu devido às alterações que a marca teve que fazer no sistema de escape para as regras de emissões de ruídos do Brasil.

Motor para lazer e esportividade

Apesar de ter a mesma base do tricilíndrico de 675 cm³ da Daytona, com refrigeração líquida e injeção eletrônica, o motor da Street Triple 675 possui outros componentes em sua estrutura interna, que mudou completamente a potência, o que não quer dizer que seja menos tecnológico.

Na prática é um excelente conjunto que garante ótimo desempenho, mesmo com os seus 85 cavalos de potência. Na pista a primeira impressão foi de uma moto um pouco mais mansa em relação ao seu estilo, pudemos observar que possui bastante força com giros baixos e médios e é super fácil de ser pilotada.

O conforto encontrado na naked revelou o seu lado de lazer, mesmo tendo as pedaleiras um pouco mais recuadas, o piloto se encaixa perfeitamente em cima da moto e ainda fica com os braços relaxados. Isso mostra que o seu uso em vias urbanas é perfeitamente combinado com uma aventura mais “racing” aos fins de semana.

Para confirmar este lado de pilotagem mais agressiva o modelo conta com ABS de série que pode ser facilmente desligado. Durante o teste na pista pudemos comprovar a eficiência deste conjunto equipado com dois discos de 310 mm na dianteira e um disco de 220 mm na traseira, ambos da marca Nissim, que transmitiram total segurança quando exigidos.

Durante as curvas as suspensões se mostraram bem rígidas e eficientes, permitindo deitar a moto até as pedaleiras rasparem. Na dianteira, a suspensão invertida não tem opção de regulagens, já na traseira o sistema é monoamortecedor com regulagens, que facilitam a adaptação ao tipo de pilotagem e ambiente.

Conclusão

Mesmo com a redução de sua potência para o mercado nacional a naked de média cilindrada da marca britânica possui seus atributos para entrar na briga deste segmento. Destaque para seu acabamento e ABS de série, que pode ser um diferencial na escolha dos motociclistas, uma vez que seu preço é único, sugerido de R$ 31.990.

Outro diferencial são os acessórios oferecidos pela montadora, que podem ser facilmente instalados na naked deixando-a ainda mais requintada para uma tocada mais esportiva. Entre eles destaque para o quick-shift, encontrado nas concessionárias pelo preço sugerido de R$ 1.761,64 e que pode ser instalado sem a necessidade de reprogramação.

Ficha Técnica

Daytona 675R

Motor: Refrigeração líquida, 12 válvulas, DOHC, três cilindros em linha.
Cilindrada: 675 cc
Diâmetro x Curso: 76 x 49,6 mm
Potência máxima: 128 cv a 12.500 rpm
Torque máximo: 74 Nm a 11.900 rpm
Alimentação: Injeção eletrônica multiponto sequencial, com dois injetores por cilindro
Capacidade de óleo: 3,6 litros
Marchas: 6 marchas
Transmissão final: Corrente
Embreagem: A banho de óleo, com discos múltiplos deslizantes.
Chassi Quadro: Dianteiro com perfil de alumínio com dupla viga e traseiro com duas peças fundidas sob alta pressão.
Roda dianteira: Liga de alumínio fundido, de cinco raios, 17 x 3,5 polegadas.
Roda traseira:  Liga de alumínio fundido, de cinco raios, 17 x 5,5 polegadas.
Pneu dianteiro: 120/70 ZR17
Pneu traseiro:  180/55 ZR17
Suspensão dianteira: Öhlins de 43 mm, garfos NIX30 invertidos com regulagem de amortecimento de pré-carga, rebote e compressão de alta/baixa velocidade, curso de 120 mm.
Suspensão traseira:  Amortecedor único Öhlins TTX36 Twin Tube com dois cilindros internos e com reservatório, regulagem de amortecimento de rebote e compressão, curso de 133 mm.
Freio dianteiro: Discos flutuantes duplos de 310 mm, pinças radiais em monobloco com 4 pistões Brembo, sistema ABS regulável como item de série.
Freio traseiro: Disco único de 220 mm, pinça de pistão único Brembo, sistema ABS regulável como item de série.
Painel Funções: Pacote de instrumentos com tela de LCD multifunções, velocímetro digital, medidor de combustível, computador de bordo, conta-giros analógico, contador de volta, indicador de marcha engatada, luzes de mudança de marchas programáveis, relógio, preparação para instalação de Sistema de Monitoramento de Pressão dos Pneus e sistema de freios ABS.
Equipamentos de série
Painéis internos do cockpit em fibra de carbono, para-lama dianteiro de fibra de carbono, para-lama traseiro do tipo hugger, câmbio com sistema quick-shift com o recurso e imobilizador com código de chave.
Tanque de combustível: 17,4 litros
Comprimento: 2.045 mm
Largura: 695 mm
Altura (sem espelhos retrovisores): 1.112 mm
Altura do assento:  830 mm
Distância entre eixos:  1.375 mm
Ângulo de inclinação/Distância horizontal    23°/87,9 mm
Peso (tanque de combustível cheio): 184 kg
Garantia: 2 anos, sem limite de quilometragem.

Street Triple 675

Motor:  Refrigeração líquida, 12 válvulas, DOHC, três cilindros em linha.
Cilindrada:  675 cc
Diâmetro x Curso: 74,0 x 52,3 mm
Potência máxima:  85,1 cv a 11.200 rpm
Torque máximo:  59,9 Nm a 8.300 rpm
Alimentação: Injeção eletrônica multiponto sequencial
Capacidade de óleo    3,4 litros
Marchas:  6 marchas
Transmissão final: Corrente
Embreagem:  Discos múltiplos, a banho de óleo.
Chassi: Quadro dianteiro com perfil de alumínio e dupla viga.
Traseiro com duas peças fundidas sob alta pressão.
Balança: Nas duas laterais, liga de alumino fundido.
Roda dianteira: Liga de alumínio fundido de 5 raios, 17 x 3,5 polegadas.
Roda traseira:  Liga de alumínio fundido de 5 raios, 17 x 5,5 polegadas.
Pneu dianteiro: 120/70 ZR17
Pneu traseiro:  180/55 ZR17
Suspensão dianteira: KYB, 41 mm, garfos invertidos, curso de 110 mm.
Suspensão traseira: KYB, amortecedor único, curso de 124,5 mm.
Freio dianteiro: Discos duplos flutuantes de 310 mm, com pinças deslizantes Nissin com dois pistões, sistema ABS regulável de série.
Freio traseiro: Disco único de 220 mm, pinça de pistão único Brembo, sistema ABS regulável de série.
Painel: Funções de Tela de LCD, contador de voltas integrado, luzes indicadoras de mudanças de marchas, medidor de combustível, relógio, conta-giros, velocímetro digital e indicador da pressão dos pneus.
Tanque de combustível: 17,4 litros
Comprimento:  2.055 mm
Largura:  740 mm
Altura (sem espelhos retrovisores): 1.060 mm
Altura do assento:  800 mm
Distância entre eixos:  1.410 mm
Peso (tanque de combustível cheio): 183 kg
Garantia: 2 anos, sem limite de quilometragem.

Fotos: Cine Photo/Stephan Solon

Imagens: Cine Photo



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Triumph acrescenta tecnologia à Tiger Sport

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras