moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Nova Ducati Multistrada 950 quer ser mais racional e acessível

Aventureira da Ducati deve chegar ao Brasil no segundo semestre de 2017 mais em conta que o modelo de 1.200 cc

26 de December de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Com a proposta de ser mais simples, acessível e fácil de pilotar do que sua irmã maior de 1.200 cc, a nova Ducati Multistrada 950 é também uma das mais racionais fabricadas pela marca italiana. Tem motor menos potente, assento mais baixo, roda dianteira de 19 polegadas e, ao invés do monobraço, a aventureira esportiva de entrada da Ducati conta com a tradicional balança traseira.

Embora não abra mão da tecnologia embarcada, a nova Multistrada 950 deverá ser mais em conta do que o modelo de 1.200cc. Segundo a Ducati do Brasil, o modelo deverá chegar ao Brasil no segundo semestre de 2017 com preço entre R$ 55.000 e R$ 60.000. A Multistrada 1200 hoje é vendida a partir de R$ 71.900.



Modos de pilotagem
Como sua irmã mais velha, a Multistrada 950 conta um bom pacote tecnológico: quatro modos de pilotagem, oito níveis de controle de tração e ABS (em três níveis de atuação). Nos modos “Touring” e “Sport”, a moto usa os 113 cv de potência máxima – contra os 160 cv da versão de 1.200cc. Já nos modos “Urban” e “Enduro”, a cavalaria é limitada em 75 cv. As mudanças no gerenciamento do motor são feitas de forma bem intuitiva usando um botão que fica no punho esquerdo. É possível acompanhar toda a reconfiguração da entrega de potência do motor por meio do grande painel LCD.

Porém, a moto em questão é uma Ducati e em nenhum momento a MTS 950 abandonou seu caráter esportivo. O diferencial é que o motor de dois cilindros em “L” e 937 cm³ de capacidade cúbica oferece mais torque em baixos e médios regimes – até atingir o máximo de 9,8 kgm a 7.750 rpm. Porém, acima de quatro mil giros o “L2” da Ducati começa a falar alto e a diversão está garantida.



Boa de curva e aceleração
Com mais de 200 km, o test-ride organizado pela Ducati em Fueteventura, no Arquipélago das Canárias (Espanha), tinha como objetivo extrair da moto toda sua versatilidade, em termos de motor e ciclística. Neste grande parque de diversões pudemos acelerar por longas retas, estradas sinuosas com curvas fechadas e de alta velocidade, subidas, descidas, além de deslocamentos em trechos urbanos.

Numa tocada na estrada, com o modo “Touring” selecionado, e controle de tração e ABS agindo de forma mais intrusiva, a Multistrada 950 roda tranquilamente a 100 km/h com o motor a apenas 4.000 rpm. Basta um giro no acelerador, para que a velocidade salte para 120 km/h e os giros aumentem para 5.000. Sem forçar o motor é fácil chegar a 150 Km/h. Em várias situações, não era nem mesmo necessário reduzir uma marcha no câmbio de seis velocidades para obter uma retomada eficiente.



Em giros mais altos o motor enche de forma mais agressiva, querendo sempre mais, como acontece com suas primas superesportivas. Em função de suas características (motor + ciclística) não há sensação igual a de frear, reduzir uma marcha para contornar uma curva fechada e depois girar o acelerador com vontade nas saídas de curva, subindo marcha, giro do motor crescendo e a velocidade aumentando. Apesar da proposta aventureira, o caráter esportivo do motor e a boa ciclística da marca italiana também estão presentes no modelo.

Segundo a Ducati, a Multistrada 950 chega a 200 km/h. Neste tour por Fuerteventura o consumo médio foi de 18 km/l. E a capacidade do tanque de combustível é de 20 litros. Ou seja, uma autonomia de mais de 300 quilômetros.



Suspensão e freios
O ajuste fino das suspensões não é eletrônico, mas sim feito de forma manual, tanto na dianteira, como na traseira, que traz uma útil borboleta para regular a pré-carga da mola. Em ambas, o curso é de 170mm.

Nesta avaliação, o conjunto de suspensão estava configurado para dar mais conforto, copiando bem as irregularidades do piso. Porém, numa tocada mais esportiva (e tivemos vários momentos assim), era preciso uma regulagem mais firme em ambas suspensões. Mas mesmo com ajuste mais “macio”, a moto mostrou bom ângulo de inclinação nas curvas.

Destaque também para os “nervosos” freios com sistema ABS de última geração e com disco duplo com pinças de fixação radial da grife Brembo, como nas motos esportivas da Ducati. Tudo ancorado em um novo chassi em treliça, fabricado em aço.

A moto é uma estradeira nata, porém pode fazer pequenos deslocamentos por estradas de chão batido. Os responsáveis pela agilidade na terra são a roda dianteira aro 19 (a MTS 1200 te roda de 17 polegadas) e os pneus Pirelli Scorpion Trail II, de uso misto.



Concorrência de peso
Em função de suas características aventureiras, a Multistrada 950 terá como principais concorrentes a Triumph Tiger 800 XCx (três cilindros, 95 cv e vendida no Brasil por R$ R$ 46.990) e a BMW F 800 GS Adventure (dois cilindros paralelos, 85 cv e que custa a partir de R$ 49.900).

A nova aventureira esportiva da Ducati deverá ser uma das atrações da marca no Salão Duas Rodas 2017, que acontece em novembro. "Ainda não temos o valor definido, até por que a moto chega na Europa em março, com preço a partir de 13.690 Euros (R$ 48.400, na conversão direta). Porém, meses antes do salão iniciaremos a pré-venda do modelo aqui no Brasil", afirma Fernando Filié, gerente de marketing da Ducati do Brasil, dizendo que a nova Multistrada 950 também será montada em Manaus (AM).

* O jornalista viajou a convite da Ducati


Ficha Técnica
Ducati Multistrada 950 
Motor Dois cilindros em “L”, distribuição Desmodrômica, quatro válvulas por cilindro e refrigeração líquida
Capacidade cúbica 937 cm³
Diâmetro x curso 94 x 67.9mm
Taxa de compressão 12,6:1
Potência máxima 113 cv a 9.000 rpm
Torque máximo 9,8 kgf.m a 7.750
Câmbio Seis marchas
Transmissão final Corrente
Alimentação Injeção eletrônica
Partida Elétrica
Quadro Treliça em tubos de aço
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Kayaba de 48 mm de diâmetro com 170 mm de curso totalmente ajustável
Suspensão traseira Balança em alumínio com monoamortecedor Sachs totalmente ajustável e com170 mm de curso
Freio dianteiro Disco duplo de 320 mm de diâmetro com pinças radiais Brembo de quatro pistões e ABS
Freio traseiro Disco simples de 265 mm de diâmetro com pinça de dois pistões e ABS
Pneus 120/70-R19 (diant.)/ 170/60-R17 (tras.)
Distância entre-eixos 1.594 mm
Altura do assento 840 mm
Peso em ordem de marcha 227 kg 
Peso a seco 204 kg 
Tanque de combustível 20 litros
Cores Vermelha e Branca
Preço estimado Entre R$ 55 mil e R$ 60 mil


TEXTO: Aldo Tizzani / Agência INFOMOTO das Ilhas Canárias (ESP)*

FOTOS: Divulgação



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Triumph Street Triple 765 RS é explosiva, empolgante e ágil

Honda NC 750X entra na briga com preço mais baixo

São Paulo-Sorocaba: Bate e volta de Indian Chieftain

BMW F 700 GS é versátil e ótima opção para viagens

Nova Triumph Bobber une visual clássico à tocada moderna

BMW G 310 R é motocicleta divertida e ágil na pista

Nova Yamaha Factor 150 UBS traz freios mais eficientes

Honda NC 750X entra na briga com preço mais baixo

BMW F 700 GS é versátil e ótima opção para viagens

Nova Yamaha Factor 150 UBS traz freios mais eficientes

Teste: Yamaha Neo mostra agilidade e economia no trânsito

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras