moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste Kawasaki Z-800: Radical em todos os sentidos

23 de January de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Paulo Souza

Já vai completar um ano desde o lançamento oficial da Kawasaki Z-800 no Brasil e finalmente podemos avaliar a tão desejada naked japonesa. Com um novo visual e configuração ela chegou para substituir a Z-750, que fez sucesso por aqui sendo a segunda moto mais vendida da marca no país.

Visualmente podemos perceber que a moto esta muito mais atraente e cheia de novidades como novos faróis, painel agora totalmente digital, tanque, escapamento e pneus, que foram substituídos, além do motor, que teve aumento de cilindrada e potência e do novo sistema de freios.

Mas, não foi apenas na aparência que a moto ficou melhor, andando com esta nova streetfighter as surpresas começam desde as primeiras aceleradas. Confira tudo o que mudou nesta bela moto japonesa em mais um teste do moto.com.br!

Propulsor
O novo propulsor que a Kawasaki desenvolveu para a Z-800 pode não ter aumentado tanto a potência, que foi de 106 cv para 113 cv, porém, o trabalho realizado neste motor priorizou o aumento do seu torque e deixou a moto com respostas bem mais rápidas e saídas com bastante força.

O torque aumentou de 8 kgmf para 8,5 kgmf, no entanto, assim como na potência agora o torque máximo aparece com cerca de 300 rpms a menos. Isso em conjunto com uma relação mais curta fez a Z-800 encher o motor de forma mais rápida, te dando aquele soco no peito igual a sua irmã mais velha a Z-1000.

Rodamos com a Z-800 apenas dentro da cidade e também na estrada, com isso, infelizmente não conseguimos utilizar toda sua potência e calcular a velocidade final em ambiente fechado. De certo é que ela apresenta fôlego de sobra em qualquer uma de suas seis marchas e esta muito melhor do que a Z-750. Sua velocidade de painel deve atingir os 250 km/h.

Seu consumo é um pouco elevado, cerca de 16,1 km/litro. Essa informação você encontrada em seu novo painel totalmente digital equipado com computador de bordo, que também indica consumo instantâneo e de autonomia. Só faltou o indicador de marcha para ele ser completo. A autonomia diminuiu e fica na média de apenas 270 km.

Conjunto
Avaliando o conjunto geral a Z-800 melhorou bastante, recebeu novas suspensões e freios, além da troca dos pneus. Por outro lado, o seu peso aumentou junto com o preço e seu tanque de combustível diminuiu a capacidade em 1,5 litros. Agora ela pesa 231 kg (ABS em ordem de marcha), cerca de 10 kg a mais que a Z-1000. Apesar disso sua ciclística é ótima e de fácil condução.

Sua pilotagem esta melhor e muito prática. Engana-se quem pensa que é difícil pilotar uma streetfighter dessas. Sua ciclística melhorou com o novo conjunto de suspensões, na dianteira garfos telescópicos invertidos de 41 mm da Kayaba (com pré-carga ajustáveis) e na traseira o curso aumentou de 124mm para 137mm.

Isso fez a Z-800 ficar bem mais estável nas curvas em comparação a sua antecessora. Aquela falta de estabilidade nas entradas das curvas em baixa velocidade diminuiu bastante, ela esta mais macia e acolhendo bem as imperfeições do asfalto. Mas, para quem deseja uma pegada mais esportiva entrando em velocidades maiores nas curvas é bom um ajuste para evitar surpresas, pois elas são macias de mais.

Com essa nova suspensão ela só não está perfeita para o dia a dia devido ao pouco esterço do guidão. Em meio ao trânsito pesado fica difícil transitar entre um carro e outro e para manobrar em lugar com falta de espaço também é difícil. Fora isso ela está excelente.

Outras mudanças
O novo sistema de freios deixou a moto muito mais segura e precisa na hora da frenagem. Utilizamos no teste o modelo ABS, que foi substituído por um disco duplo em formato margarida de 310 mm (antes era 300 mm) e agora com pinça dupla Nissin e quatro pistões (anterior era pistão duplo).

Uma mudança também bastante comentada e elogiada foram o dos pneus, que permaneceram da marca Dunlop, porém agora o novo modelo sportsmax, que deu maior estabilidade e aderência na moto permitindo utilizar toda a potência da Z-800.

Porém, quem for utilizar a moto em pista ou em circuitos vai uma dica: a sua capa de banco, que contém personalização em “Z” é escorregadia e falta aderência. No uso urbano isso não influenciou em nada.

Conclusão
A Kawasaki mostrou que a Z-800 chegou para incomodar as concorrentes nakeds entre 600 e 1000cc. Seu visual chama a atenção e se destaca pela potência do motor e conjunto bem acertado.

Esta nova streetfighter se encaixa perfeitamente para quem busca uma moto para curtir nos finais de semana, pois para o uso diário não é a melhor opção. Uma viagem de curta ou média distância ela será o “brinquedo” perfeito para te acompanhar. Seu preço sugerido é de R$ 36.390 (standard) e R$ 39.390 (ABS).

Confira o vídeo que preparamos com a Kawasaki Z-800

O jornalista utilizou no teste capacete LS2, jaqueta, calça e luvas Race Tech e botas Dainese.

Cotação de Seguro (*)
À vista: R$ 6.495,84
Franquia: R$ 7.004,31

Seguro somente contra Roubo e Furto
A vista R$ 2.399,00

(*) Perfil médio: Homem, 25 a 35 anos, casado, sem filhos, com garagem em casa e no trabalho, morador de São Paulo e com residência em região razoável (bairro da zona sul ou zona oeste, por exemplo).

Agradecimento
Cycle Assessoria e Corretora de Seguros
(11) 3159-0733

Ficha técnica – Kawasaki Z800
Motor: quatro cilindros em linha, quatro válvulas por cilindro, comando duplo no cabeçote (DOHC) e refrigeração líquida, injeção eletrônica, 806 cm³;
Potência: 113 cv a 10.200 rpm;
Torque: 8,5 kgfm a 8.000 rpm;
Câmbio: seis marchas;
Transmissão final: corrente;
Quadro: estrutura tubular de aço;
Suspensão dianteira: garfo invertido de 41 mm com retorno e pré-carga da mola ajustáveis (120 mm de curso);
Suspensão traseira: monoamortecida com retorno e pré-carga da mola ajustáveis (137 mm de curso):
Freio dianteiro: disco duplo de 310 mm em formato margarida, pinça dupla oposta com quatro pistões;
Freio traseiro:Disco simples de 250 mm em formato margarida, pinça com pistão simples;
Pneus: 120/70 ZR17 na frente e 180/55 ZR17 atrás;
Medidas: comprimento 2.100 mm, largura 800 mm, altura 1.050 mm, entre-eixos 1.445 mm, altura do assento 834 mm;
Peso: em ordem de marcha 231 kg;
Tanque: 17 litros
Cores: Candy Burnt Orange, Metallic Spark Black e Candy Flat Blazed Green

Fotos e vídeo: Cine Photo/Marcio Viana



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Longa Duração: Honda Pop 110i supera os 1.000 km rodados

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras