moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste Honda Bros 125: Simplicidade para buscar espaço

03 de January de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Paulo Souza

A fim de ser uma opção mais acessível principalmente para o mercado do norte e nordeste, região onde um modelo trail se encaixa perfeitamente, a Honda lançou a NXR Bros 125. Um modelo mais básico sem sistema de injeção eletrônica e freio a disco.
 
Com a “regressão” ao modelo de 150cc, a Bros 125 também não possui sistema flex e o seu motor é derivado da conhecida CG 125 Fan. Mas com todas estas alterações será que o preço deste novo modelo compensa para uma moto trail de entrada? Confira o teste do Moto.com.br e descubra.
 
Conjunto
O conjunto da Bros 125 já é bastante conhecido, uma moto confortável que atende perfeitamente as necessidades de locomoção diária, principalmente em cidades do interior, onde existem muitas estradas de terras. A versão 125cc mantém estas características, com uma ótima posição de pilotagem e fácil condução.

A exceção dos acessórios presentes no modelo de 150cc como injeção eletrônica e sistema flex são as características para ela ser um modelo mais barato. Entre estes itens creio também que a falta de um freio a disco na dianteira seja um ponto negativo, pois tratando-se de um modelo trail com proposta on/off road, ela deveria vir com este item de série, principalmente para uma pilotagem na terra em dias de chuva.

Fazendo um comparativo com a versão que avaliamos (Bros 125 KS), com a versão (Bros 150 ES), a mais simples da linha 150, a diferença de preço é de R$ 1710. Aplicando este valor a mais você pode ter uma moto com motor mais potente, injeção eletrônica, sistema flex e também partida elétrica. Sendo assim, creio que compensa o investimento, a não ser que a Honda reduza o preço praticado na linha 125.

Motor
O propulsor que equipa a nova Bros 125 também já é conhecido, um derivado do modelo CG 125 Fan, que rende 11,6 cavalos e 1,06 kgmf de torque, o que não empolga muito no desempenho, mas atende bem sua proposta urbana.

O ponto positivo é que este motor é bastante econômico e faz em média 33,9 km/l, uma autonomia de pouco mais de 400 km com um tanque de combustível. Durante o teste rodamos dentro da cidade e esta autonomia pode aumentar dependendo da tocada do piloto. Além de econômica o modelo é bastante silencioso e possui um excelente cambio de 5 marchas com engates precisos.

On/Off Road

Apesar de não ser um autêntico modelo trail, a Bros 125 pode muito bem ser utilizada dentro da cidade e também fora de estrada, isto porque sua suspensão de longo curso absorvem bem as irregularidades do asfalto e também das pequenas erosões em vias não pavimentadas. Na dianteira, a moto utiliza um garfo telescópico de 180 mm de curso e na traseira, balança monoamortecida com 148,6 mm de curso.
 

O conjunto desta moto é completado por um chassi do tipo berço semiduplo, que garante robustez e resistência. Seu peso baixo de 115 kg (versão KS seco), e suas rodas aro 19 na dianteira e 17 na traseira facilitam a vida para qualquer biótipo de piloto.

Desfecho
A NXR Bros 125 segue uma linha mais acessível no mercado das pequenas trails, e vem equipada com acessórios simples. Seu painel conta com velocímetro, marcador de combustível e hodômetro total analógicos e seus comandos são os básicos, buzina, setas e farol na esquerda e apenas o acelerador na direita. Os preços sugeridos são de R$ 7.190 versão KS e R$ 7.800, versão ES.

Com esta estratégia a Honda introduziu a pequena Bros no mercado, a fim, de ser um modelo mais barato e acessível. No entanto, conforme citamos no teste, o modelo poderia ter um preço um pouco menor para conseguir sucesso no mercado, pois os itens retirados do modelo 150cc fazem muita diferença.

No mercado sua principal concorrente é a Yamaha XTZ 125, que possui preço de R$ 7.010 na versão K (sem partida), também carburada e sem sistema flex, porém ela possui freio a disco com 220 mm de série na dianteira.

 

Ficha Técnica

Motor: Monocilíndrico, OHC, 124,8 cm³, refrigeração a ar.
Potência: 11,6 cv a 8.000 rpm.
Torque: 1,06 kgfm a 6.500 rpm.
Câmbio: Cinco marchas.
Alimentação: Carburador
Transmissão: 5 velocidades
Sistema de partida: Pedal (KS) Elétrico (ES)
Dimensões: 2.046 mm x 810 mm x 1.139 mm (CxLxA)
Pneu dianteiro: 90/90-19M/C 52P
Pneu traseiro: 110/90-17M/C 60P
Peso: 115 kg em ordem de marcha.
Tanque: 12 litros.
Cores: Preto e vermelho  e Laranja

Fotos: Divulgação



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Longa Duração: Honda Pop 110i supera os 1.000 km rodados

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras