moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Honda Biz 110i segue receita de mercado

14 de March de 2016
Compartilhe este conteúdo:

Agilidade e economia são palavras-chave para não perder tempo e dinheiro nos congestionamentos dos grandes centros urbanos ou esperando o ônibus nas cidades do interior. Na expectativa de atender a esse consumidor, a Honda atualizou o modelo de entrada da família Biz. A principal mudança foi a adoção de um motor com 110 cm³, alimentado por injeção eletrônica.

Mas a Biz 110i, como agora é chamada, conta ainda com novo painel de instrumentos, mais completo, e mais espaço no compartimento sob o assento - capacidade para 10 litros. O modelo, que substituiu a Biz 100, tem garantia de três anos e seu preço sugerido é de R$ 7.090. 

A categoria CUB (Cheap Urban Bike) foi inaugurada no final da década de 1950, com a Honda Super CUB considerada a avó da Biz. De lá para cá, este tipo de veículo se tornou sucesso de vendas em todo o mundo, inclusive no Brasil. Só no ano passado foram emplacadas pouco mais de 184 mil unidades da família Biz (100 e 125cc).

Robustez, baixa manutenção, facilidade na pilotagem – a embreagem centrífuga é automática – e porta-objetos são bons argumentos de vendas, principalmente para o público feminino.

Motor maior e injetado
A Biz 110i está equipada com um pequeno motor de um cilindro, OHC (Comando Simples no Cabeçote), quatro tempos, com 109,1 cm³ de capacidade e arrefecimento a ar. Sua grande novidade é o uso da injeção eletrônica no lugar do carburador, além da maior capacidade volumétrica.

Os ganhos para o consumidor são economia de combustível e baixa manutenção. É praticamente o mesmo propulsor que equipa a Pop 110i, só que um pouco mais potente (0,4 cv a mais). O novo modelo faz mais de 40 Km/l em perímetro urbano, o que lhe confere autonomia próxima dos 200 quilômetros.

Ela só pode ser abastecida com gasolina e atinge a potência máxima de 8,3 cv a 7.250 rpm e torque de 0,89 kgf.m a 5.500 rpm. E é no quesito força que a nova Biz apresenta também bom desempenho. Já que o torque (em médios regimes de rotação) chega mais cedo, ajudando nas largadas e retomada de velocidade.

Neste caso é só diminuir uma marcha (acionar o pedal para cima) e acelerar. Outro destaque fica para a precisão do câmbio rotativo de quatro marchas e embreagem centrífuga automática que dispensa o manete de embreagem.

Na prática, a moto consegue largar na frente dos carros quando a luz verde do semáforo acende. Além disso, a Biz 110i enfrenta os corredores com bastante desenvoltura e com força suficiente para ultrapassar os outros veículos, já que a velocidade média, com transito carregado, não passa dos 40 km/h.
Ligeira e esguia, o condutor deve ter bastante cuidado para não raspar a ponta das manoplas nos espelhos retrovisores dos carros. Parece que a Honda e as montadoras dos automóveis combinaram este alinhamento perfeito entre as peças.

Ciclística e espaço para objetos
A ciclística da nova Honda Biz 110i segue uma receita clássica. O conjunto é formado por garfo telescópico com curso de 100mm na dianteira e duplo amortecimento traseiro com 86mm de curso. O sistema de freios é a tambor nas duas rodas.

Simples e eficiente, o conjunto dá conta do recado. Porém, o fabricante poderia ter equipado o modelo com disco pelo menos na dianteira, já que o sistema se mostra mais eficaz em frenagens de emergência. Na absorção de impactos, o banco – grande, largo e com espuma de boa densidade – ajuda nesta missão, quase impossível, de amortecer os impactos de nossas mal acabadas ruas e avenidas.

A marca da asa também fez alterações no porta-objetos, que fica sob o assento. Agora com capacidade para transportar 10 litros, o espaço é suficiente para guardar um capacete fechado. Coloque-o de cabeça para baixo, com a viseira voltada para a parte de trás da moto. Dentro do casco ainda é possível acomodar pequenos objetos, como, por exemplo, carteira, celular ou até um óculos.

O novo painel de instrumentos da Biz 110i 2016 ganhou hodômetro e marcador de combustível. O modelo já está disponível na rede Honda em duas cores: preta ou vermelha. O preço público sugerido é de R$ 7.090.

Conclusão
A proposta da Biz 110i é solucionar problemas de mobilidade, servindo também de ferramenta de trabalho ou lazer. Leve e fácil de pilotar tem espírito jovem sendo indicada para quem está no começo de carreira profissional ou no motociclismo.

A facilidade de pilotagem, em função da “ausência da embreagem”, e a praticidade do porta-objetos também atrai os entrantes no mundo moto. Esses fatores aliados ao baixo consumo de combustível são a receita de sucesso das CUBs em todo o mundo.

Ficha Técnica
Honda Biz110i
Motor OHC, um cilindro, arrefecimento a ar, 109,1 cm³
Diâmetro x curso 50,0 x 55,6 mm
Taxa de compressão 9.3 : 1
Potência máxima 8,3 cv a 7.250 rpm
Torque máximo 0,89 kgf.m a 5.500 rpm
Câmbio Rotativo de quatro marchas
Embreagem Centrífuga semi-automática
Transmissão final Corrente
Alimentação Injeção eletrônica
Partida Elétrica
Quadro Monobloco em aço
Suspensão dianteira Garfo telescópico convencional com 100 mm de curso
Suspensão traseira Balança com dois amortecedores e 86 mm de curso
Freio dianteiro A tambor 130 mm
Freio traseiro A tambor 110 mm
Pneus 60 / 100 – 17 (diant.) e 80 / 100 – 14 (tras.)
Comprimento 1.891 mm
Largura 730 mm
Altura 1.087 mm
Distância entre-eixos 1.261mm
Distância do solo 130 mm
Altura do assento 753 mm
Peso a seco 99 kg
Tanque de combustível 5,1 litros
Cores Preto e Vermelho
Preço R$ 7.090

Fotos: Mario Villaescusa/Infomoto



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Longa Duração: Honda Pop 110i supera os 1.000 km rodados

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras