moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Harley-Davidson Street Glide CVO é custom completa

29 de October de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Arthur Caldeira

Novidade mundial na linha 2015, a versão CVO da Harley-Davidson Street Glide foi confirmada para o Brasil. Formada por modelos exclusivos e customizados pela fábrica, a linha CVO (Custom Vehicle Operations), traz pintura diferenciada, diversos acessórios já instalados na moto, um motor de maior capacidade cúbica e, no caso da Street Glide o mais potente sistema de som a equipar uma motocicleta da marca. Outra boa novidade é que a linha CVO à venda no Brasil, formada também pela Ultra Limited, será agora montada em Manaus. Com isso, a nova Street Glide CVO vai custar R$ 111.000 e deverá chegar às concessionárias da marca com uma pintura preta metálica com labaredas douradas (chamada de Starfire Black with Gold Dust Flames) no início do próximo ano – o modelo base da Street Glide custa a partir de R$ 75.900. 

Mas o preço muito superior da versão CVO vai além da pintura artesanal exclusiva e dos diversos acessórios, como comandos de punho iluminados e pedaleiras diferenciadas. A Street Glide CVO traz o motor de dois cilindros em “V” com auxílio da refrigeração líquida e preparado pela divisão Screamin’ Eagle da Harley. Com isso sua capacidade cúbica foi aumentada de 103 polegadas (1690 cm³) para 110 (1801 cm³), gerando assim mais torque – 15,9 kgf.m já a 3.750 rpm – e certamente mais potência, porém a Harley não divulga esses números. Além do motor “preparado”, a CVO conta ainda com assistente hidráulico de embreagem.

Como tive a oportunidade de pilotar o modelo nas estradas de Sonoma Valley, na Califórnia, durante o lançamento mundial da linha 2015, a diferença de desempenho para o modelo base é notável e a facilidade de acionamento da embreagem é um item sempre bem vindo em motos Harley-Davidson.

On the road
Mais “jovem” que a enorme Ultra Limited, a Street Glide tem sido sucesso de vendas nos Estados Unidos, já que o modelo incorporou uma tendência popular por lá: as baggers, ou seja, motos estradeiras que contam com malas laterais rígidas, carenagem frontal e roda dianteira de diâmetro maior. Com sua pintura chamativa – pilotei um modelo na cor amarela com labaredas em preto – a versão CVO reforça ainda mais essa inspiração nas motos customizadas. As rodas de liga-leve com cinco pontas têm desenho agressivo e um cromado bastante reflexivo, semelhante ao que os harleiros gostam de colocar em suas baggers personalizadas.

A roda dianteira de 19 polegadas foi escolhida por uma questão meramente estética. “Não há um motivo técnico. Poderíamos ter usado uma roda de 18 polegadas como na Ultra Limited, mas os clientes que gostam de baggers colocam essas rodas maiores”, explicou-me o líder técnico de desenvolvimento da Harley-Davidson, Glen Kovac. Outro motivo do sucesso da Street Glide é seu banco baixo: somente a 69,0 cm do solo.

Devidamente ajustado na moto, partimos da cidade de Sonoma, famosa por seus vinhos, em direção ao litoral para a famosa Highway 1. Mas antes de chegar até lá, uma bela e sinuosa estradas de mão dupla iria nos divertir. O câmbio de seis marchas (com a sexta overdrive) emite ruídos nos engates, mas o acionamento da embreagem é macio, graças ao auxílio hidráulico. Entretanto, o desempenho do motor que conta com refrigeração líquida e mais torque nem pedia muitas trocas de marchas. Nos trechos mais íngremes e cheios de curva, a quarta era suficiente. No plano, a sexta marcha fazia o giro cair, mas oferecia bastante força para empurrar os mais de 380 kg a seco da CVO Street Glide.

Os freios ABS Reflex, com sistema combinado, também davam conta do recado para diminuir a velocidade em curvas mais acentuadas e evitar que ralasse as pedaleiras no asfalto. Mesmo de olho para manter a velocidade de 50 milhas por hora (cerca de 80 km/h) e não ter problemas com a polícia, as pedaleiras deixaram suas marcas no asfalto californiano.

Som na caixa
Outro atrativo da CVO Street Glide é seu sistema de áudio Boom! Box que gera 300 watts de potência, por meio de quatro alto-falantes dianteiros e dois traseiros, instalados nas malas laterais rígidas. Segundo a marca, trata-se do sistema de som mais potente entre as motos e proporciona excelente qualidade sonora. Conectado por Bluetooth e com Jimi Hendrix na playlist, seguia em direção a Bodega Bay, já na Highway 1, com o som de Purple Haze encobrindo o ronco do V2. Mas o sistema de entretenimento ainda conta com tela de cristal líquido de 6,5 polegadas com GPS e sistema de navegação.

Até mesmo parada e com som na caixa, a CVO Street Glide chama atenção. Não só pela pintura chamativa do modelo que avaliei, mas também por detalhes como o para-lama traseiro com lanternas em LED embutidas, a ponteira esportiva do escapamento e o farol chamado de Daymaker, também com LED. Se a ideia da CVO era ser uma moto exclusiva com cara de customizada, a Harley acertou nessa versão da Street Glide.

Outras novidades 2015
Além da CVO Street Glide, a Harley terá outras quatro novas motos na sua linha 2015 no Brasil. A família Dyna ganhou o reforço de dois novos modelos: a nova Street Bob e a Low Rider; já a linha Softail traz agora também a Breakout em sua versão convencional. Na família Touring a novidade ficou por conta da Street Glide Special.

Modelo de entrada da linha Dyna, a Street Bob utiliza o motor Twim Cam 96 de 1595 cm³ de capacidade, e tem estilo bobber. Reforçado pelo guidão ape hanger e os pneus largos com rodas raiadas. O preço é de R$ 44.400. Já a Low Rider é uma releitura de um modelo lançado em 1977. Também equipada com o motor de dois cilindros em “V” e 1595 cm³, a Low Rider tem assento baixo e diversos cromados. Traz banco e guidão ajustáveis e tem preço sugerido a partir de R$ 46.600.

A Softail Breakout vem na carona do sucesso do modelo CVO, importado para o Brasil em 2014. Mais acessível, a versão convencional chega por R$ 58.700 e traz consigo o estilo longo e baixo, com paralamas cortados, e um largo “pneuzão” de 240 mm na traseira. O line-up 2015 se completa com a Street Glide Special, que difere do modelo antes vendido aqui somente pelo sistema de entretenimento com tela de 6,5 polegadas touch screen com GPS e navegador. O preço parte de R$ 75.900. 

FICHA TÉCNICA
Motor Screamin’ Eagle Twim Cooled 110, com dois cilindros em “V” e refrigeração mista (ar e líquida)
Capacidade 1.801 cm³
Câmbio Seis velocidades
Potência máxima ND
Torque máximo 15,9 kgf.m já a 3.750 rpm
Suspensão dianteira Garfo telescópico de 49 mm de diâmetro com 117 mm de curso
Suspensão traseira Amortecimento bichoque com 54,6 mm de curso
Freio dianteiro Disco duplo flutuante de 300 mm com pinça fixa de quatro pistões e ABS
Freio traseiro Disco simples de 300 mm com pinça fixa de quatro pistões e ABS
Pneu dianteiro 130/60 - 19
Pneu traseiro 180/55 - 18
Comprimento total 2.455 mm
Largura total 970 mm
Entre-eixos 1.625 mm
Altura do assento (descarregada) 690 mm
Altura mínima do solo 125 mm
Peso (em ordem de marcha) 395 kg
Peso (a seco) 380 kg
Tanque de combustível 22,7 l
Cor Starfire Black with Gold Dust Flames
Preço R$ 111.000



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Triumph acrescenta tecnologia à Tiger Sport

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras