moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste: Harley Forty-Eight em nova forma em 2016

04 de November de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Um dos modelos mais cheios de estilo da linha Harley-Davidson, a Forty-Eight passou por uma reformulação completa para 2016. Do acabamento ao conjunto de suspensões, tudo mudou. Exceto o coração dessa integrante da linha Sportster. O motor V2 de 1.200cc continua firme e forte com seu desempenho modesto e o câmbio de cinco marchas. 

Ao invés de investir em um novo conjunto motriz, a Harley preferiu incrementar o estilo e melhorar a experiência de pilotagem da Forty-Eight. Com isso o modelo ganhou novas rodas, tubos mais grossos no garfo dianteiro e um novo conjunto bichoque com amortecedores ajustáveis na traseira.
Pose musculosa
Inspirada nos hot-rods, a Forty-Eight traz pneus largos que conferem um visual robusto ao modelo. Os novos tubos da suspensão dianteira com 49 mm de diâmetro (10 mm a mais que na anterior) reforçam essa pose “musculosa” para 2016.

Os pneus – com 130 mm de largura na dianteira e 150 mm na traseira – agora calçam rodas de liga-leve ao invés das antigas raiadas. As novas rodas de 16 polegadas também permitiram a adoção de pneus tubeless (sem câmara).

Visualmente também chama a atenção a tampa redonda do filtro de ar e a dupla saída de escapamento, agora na cor preta e com uma cobertura cromada. O emblema e a pintura da Forty-Eight também mudaram. O famoso escudo Harley-Davidson em alto relevo sobre linhas horizontais decora o tanque no formato peanut (amendoin). Bastante estiloso, porém pouco prático, já que carrega apenas 7,9 litros, e transforma o modelo em uma moto essencialmente urbana.

Mais suave
Entretanto, fica claro que o objetivo da Harley-Davidson ao renovar a Forty-Eight, lançada em 2010 e sem mudanças desde então, era mesmo aprimorar a pilotagem da moto, adotando um conjunto de suspensões melhor. Para isso, a fábrica criou um garfo dianteiro completamente novo. Além de terem 49 mm de diâmetro, utilizam o sistema de cartuchos internamente para absorver de forma mais progressiva as imperfeições do solo. Na traseira, o sistema bichoque recebeu amortecedores mais robustos e ajustáveis na pré-carga da mola.

O assento foi outra melhoria destacada pela marca. Baixo, a apenas 70 cm do solo, o banco ganhou novo formato e um pouco mais de espuma. Apesar de ser mais bonito e elegante do que o anterior, na prática pouco mudou. Em pouco mais de 100 km não se mostrou adequado para viagens mais longas, assim como o pequeno tanque, que proporciona cerca de 150 km de autonomia. A Forty-Eight quer ser mesmo uma moto para a cidade.

Já as mudanças ciclísticas fizeram uma boa diferença. Com as novas rodas, a maneabilidade da Forty-Eight em baixas velocidades está melhor, mesmo com os largos pneus. E as suspensões mostram um funcionamento mais suave e progressivo, principalmente para isolar o piloto de tampas de bueiros desniveladas e imperfeições nas ruas – mas é claro que não absorvem buracos e valetas mais profundas.

Forma e função
Raro encontrar alguém que não ache a Harley-Davidson Forty-Eight uma moto bonita – mesmo a anterior. A boa notícia no modelo 2016 é que as mudanças melhoraram o visual e também o funcionamento dessa H-D urbana.

Mas trouxeram um “salgado” aumento de preço, agravado pela desvalorização do Real frente ao dólar: enquanto o modelo 2015 era vendido por R$ 39.200, o novo chega à lojas por R$ 50.700. “Durante praticamente todo o ano de 2014 seguramos os preços de forma a não repassar aos clientes o impacto dessa desvalorização monetária. No entanto, o valor da moeda norte-americana disparou e não conseguimos segurar”, lamentou Antonio Cantero, diretor interino da Harley-Davidson do Brasil.

A Forty-Eight modelo 2016 estará disponível nas concessionárias a partir de janeiro do próximo ano em quatro cores: Vivid Black, preto; Velocity Red Sunglo, vinho; e Olive Gold, verde oliva. Há ainda a “brilhante” opção Hard Candy Gold Flake.

FICHA TÉCNICA
Harley-Davidson Forty-Eight 2016
MOTOR Dois cilindros em “V”, comando por varetas, quatro válvulas e arrefecimento a ar
CAPACIDADE CÚBICA 1.202 cm³
DIÂMETRO X CURSO 88,9 mm x 96,8 mm
TAXA DE COMPRESSÃO 10,0:1
POTÊNCIA MÁXIMA n/d
TORQUE MÁXIMO 8,97 kgf.m a 3.500 rpm
SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO Injeção Eletrônica de Combustível Seqüencial (ESPFI)
SISTEMA DE PARTIDA Elétrica
CÂMBIO Cinco velocidades
TRANSMISSÃO FINAL Correia dentada
CAPACIDADE DO TANQUE 7,9 litros
CHASSI Tubular em aço de secção circular
SUSPENSÃO DIANTEIRA Garfo telescópico de 49 mm de diâmetro do tipo cartucho com 92 mm de curso
SUSPENSÃO TRASEIRA Sistema bichoque com ajuste na pré-carga da mola e 54 mm de curso
FREIO DIANTEIRO Disco simples de 300 mm com pinça de pistão duplo
FREIO TRASEIRO Disco simples de 200 mm com pinça de pistão duplo
PNEU DIANTEIRO 130/90-16
PNEU TRASEIRO 150/80-16
COMPRIMENTO 2.210 mm
ALTURA DO BANCO 707 mm
DISTÂNCIA ENTRE-EIXOS 1.506 mm
PESO A SECO 245 kg
PREÇO A partir de R$ 50.700



Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Triumph acrescenta tecnologia à Tiger Sport

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras