moto.com.br
Publicidade:

Testes

Teste BMW S 1000R: Amor à primeira volta!

31 de July de 2014
Compartilhe este conteúdo:

Paulo Souza

A BMW surpreendeu quando anunciou a chegada da S 1000 R, versão “pelada” da superesportiva S 1000 RR, durante a 71ª edição do Salão de Milão, em 2013. No Brasil ela chegou no primeiro semestre de 2014 e está encantando à todos os apaixonados por modelos streetfigthers, mas que buscam maiores informações sobre os eu comportamento.

De acordo com a BMW, o modelo chegou para os motociclistas que apreciam alto desempenho, porém, sem abrir mão de ergonomia e maior conforto na hora de pegar estrada. Pensando desta forma avaliamos esta naked e o resultado você confere agora. Só posso adiantar que ela chegou para por fogo neste segmento!

Amor à primeira volta
Na vida social é comum às pessoas dizerem em paixão a primeira vista, já no universo duas rodas a paixão só de solidifica após a primeira volta, mesmo que a moto seja a mais atraente possível. No caso da BMW S 1000 R a paixão começou logo após a primeira partida, o ronco emitido pelo seu motor é de arrepiar e você já sai com a adrenalina lá em cima.

Algumas voltas dentro da cidade e já da para perceber que apesar de ser mais “mansa” que sua irmã esportiva, ela continua com muito motor para rodar no trânsito. Para este tipo de uso é recomendado a opção Rain dos três módulos de potência que a moto oferece. Nesta configuração a moto despeja sua potência de forma mais linear permitindo uma melhor pilotagem dentro da cidade.

Sua posição de pilotagem agrada, apesar de ter espírito esportivo, ela se encaixa perfeitamente para uma boa tocada dentro da cidade. A única observação é que se andar em baixas rotações o motor esquenta um pouco, porém, como só andei equipado com calça de couro não me incomodou em nada. Afinal, quem esta a bordo de uma 1000 cc não é para ficar reclamando da temperatura do motor, pois existem tantas formas de se divertir com a moto, que você esquece o resto.

É impossível não chamar a atenção com esta naked, por onde ela passa arrasta olhares e elogios, seja pelo som emitido ou pelo belo design. A cada farol fechado ou parada para abastecer alguém perguntava algo sobre esta alemã.

Motor e tecnologia
A BMW colocou na naked o mesmo propulsor da versão carenada de 999 cm³ com duplo comando de válvulas no cabeçote (DOHC) e arrefecimento a líquido. Sua potência, porém, foi reduzida para oferecer maior torque em baixas e médias rotações e atinge 160 cv a 11.000 rpm e torque de 11,4 kgfm, agora obtido a 9250 rpm.

Na prática é um excelente e vigoroso motor, que responde bem mesmo em baixos giros. Basta enrolar o seu acelerador eletrônico para o velocímetro disparar e a emoção começar. Mas cuidado, ela gosta de apontar a roda dianteira para o céu e dependendo do modo de potência que você está ela subirá facilmente nas esticadas das primeiras marchas. Um verdadeiro parque de diversões para os mais experientes!

Os seus itens tecnológicos são os fatores que justificam o seu alto preço de R$ 67.900, e na prática mostrou o porquê é um modelo diferenciado da categoria. Ao todo, o modelo possui 3 modos de entrega de potência do motor, controle de estabilidade eletrônico, controle de tração, freios ABS ajustáveis em três níveis, além de suspensão eletrônica semi-ativa DDC e também aquecedor de manopla.

Isso é praticamente tudo o que um motociclista pode desejar em uma motocicleta. Sabemos da diferença de valores em relação às outras nakeds de 1000 cc, entretanto, quem possui condições vale o investimento no conforto e principalmente a segurança que a S 1000 R oferece.

Na prática
Sabe quando somos criança e ganhamos aquele presente tão desejado? Não largamos para nada e queremos brincar o dia todo, não é? Pois com esta naked a história é a mesma. Desde o momento em que você sobe para andar é difícil querer parar, a vontade é de pilotar o dia todo, só parando para abastecer!

Na estrada o seu comportamento é excelente com motor de sobra em qualquer faixa de rotação. A 120 km/h motor roda com pouco mais de 5.000 rpm em sexta marcha, ou seja, motor de sobra para alcançar grandes velocidades. E se por acaso quiser diminuir a velocidade não precisa reduzir as marchas, pois seu motor consegue rodar a menos de 50 km/h sem trancos.

Partindo para uma tocada mais esportiva a motocicleta se torna ainda mais divertida. Isto porque sua tecnologia ajuda e muito a “brincadeira” ser mais arisca. Nas curvas ela permite que você entre forte sem dar sustos, pois a eletrônica da moto faz o restante e você se sente muito seguro instável. Além de ser uma moto leve ela não dá trancos nas retomadas das curvas, nem aquele soco no peito como a Brutale 1090 e a Z-1000, por exemplo.

O seu controle de estabilidade permite que a moto ajuste automaticamente a suspensão deixando-a mais macia ou rígida de acordo com o tipo de terreno que você está andando. E caso queira configurar o seu jeito, em apenas um botão você pode deixar a moto com as suspensões macias, por exemplo, para a cidade (easy) e estrada (normal) ou bem rígidas para umas voltas na pista (hard).

Já o conjunto de freios da Brembo é excepcional e conta com três configurações diferentes sendo a rain com acionamentos mais rápido para o ABS, a sport  com um período um pouco maior e a race, indicado para as pistas, além da opção slick, que desliga totalmente o sistema. Eles são compostos por disco duplo de 320 mm com pinça radial monobloco de 4 pistões na dianteira e disco de 220 mm e pinça flutuante de 1 pistão na traseira e contam com mangueiras do tipo aeroquip.

Conclusão
A BMW está um passo a frente de todas as outras marcas que possuem no mercado nakeds de alta cilindrada e posso afirmar que hoje ela não tem concorrente a altura no mercado brasileiro. Sua tecnologia aplicada justifica o seu alto preço de mercado, embora concorde que os preços de motocicletas no Brasil são um absurdo.

Só andando nesta moto para tirar a sua conclusão se vale ou não o seu valor de mercado. Mas, em minha sincera opinião sim!

O jornalista utilizou no teste capacete LS2, jaqueta, calça, luvas e bota Alpinestar!

Ficha técnica
Motor     
Tipo Motor 4 tempos com 4 cilindros em linha com refrigeração mista (óleo/líquido), quatro válvulas por cilindro e duplo comando de válvulas no cabeçote (DOHC)
Diâmetro / curso 80 mm x 49,7 mm
Cilindrada 999 ccm
Potência máxima 160 cv (118 kW) a 11.000 rpm
Torque máximo (Nm)/RPM 112 Nm a 9.250 rpm
Taxa de compressão 12.0 : 1
Preparação do combustível / gestão do motor     Injeção eletrônica de combustível com módulo eletrônico BMSK
Catalisador 2 catalisadores de 3 vias de ciclo fechado, norma PROMOT 4 com tubo de interferência e válvulas acústicas
Desempenho / Consumo de Combustível     
Velocidade máxima     Acima de 200 km/h
Alternador / Autonomia     350 W
Bateria     12 V / 12 Ah, livre de manutenção
Transmissão     
EmbreagemMultidisco em banho de óleo, deslizante, acionada mecanicamente
Câmbio 6 velocidades com sincronizadores, engrenagens de dentes retos
Transmissão Corrente/Coroa e Pinhão
Ciclística / freios     
Quadro Quadro Diamond Frame composto de alumínio, motor parcialmente integrado ao chassis
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido Ø 46 mm, compressão e retorno ajustáveis.
Suspensão traseira Balança traseira em alumínio, amortecimento e retorno ajustáveis.
Curso da suspensão dianteira / traseira     120 mm / 120 mm
Distância entre eixos1,439 mm
Trail 98,5 mm
Ângulo da coluna de direção     65.4°
Rodas     Alumínio
Roda dianteira     3.50 x 17"
Roda traseira     6,00 x 17"
Pneu dianteiro     120/70 ZR 17
Pneu traseiro     190/55 ZR 17
Freio dianteiro     Disco duplo flutuante, pinça fixa com 4 pistões radiais, diâmetro de 320 mm, espessura de 5 mm
Freio traseiro     Disco simples, pinça flutuante com pistão único, diâmetro de 220 mm, espessura de 5 mm
ABS Integral BMW Motorrad (parcialmente integral – capaz de ser desabilitado)
Dimensões / pesos     
Comprimento (mm)     2.057 mm
Largura (mm)     845 mm
Altura (mm)     1.228 mm
Altura do banco (mm)     814 mm
Curvatura das Pernas     1.805 mm
Peso em ordem de marcha 1) 207 kg
Peso total permitido     407 kg
Carga útil (com equipamento de série)     200 kg
Capacidade do tanque de combustível     17,5 litros
Reserva  4 litros

Fotos: Aladim Gonçalves/Paulo Souza



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Longa Duração: Honda Pop 110i supera os 1.000 km rodados

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras