moto.com.br
Publicidade:

Testes

Suzuki GSX 1250 FA tem fôlego de sobra

31 de October de 2013
Compartilhe este conteúdo:

André Lino

Para fazer face às propostas de outras marcas nos segmentos sport touring e touring, a Suzuki lançou no início desta década a espartana GSX 1250 FA, "evolução" da bem sucedida Bandit 1250, que conta já com muitos anos na ativa.

A designação de "FA" provém de Fairing e ABS, ambos incorporados na "Bandida" que conta também com um muito útil descanso central.

Este modelo foi adquirido por mim em Dezembro de 2011 e com ele fiz muitos e bons quilômetros. A Bandida já conta com algumas alterações, que serão discriminadas mais à frente. Tentarei ser, no entanto, o mais imparcial possível. Os primeiros 1000 km de vida da Bandida foram feitos com a mota completamente "Stock".  Assim, o som do escape de origem é caracterizado por um assobiar suave, mas cada vez mais viciante à medida que se sobe de rotação. A aquisição da ponteira Leo Vinci após os 1000 km trouxe à Bandida uma série de vantagens: menos peso, mais barulho (viciante e excelente para alertar os carros da sua presença), afinação eletrônica conferindo mais potência e binário, melhorando (significativamente) as suas prestações.

Os BT021 que vêm equipados com a 1250FA são satisfatórios para quem pretende fazer muitos quilômetros em Auto-Estrada. Boa estabilidade e durabilidade. No entanto, penso que a Suzuki procedeu mal na escolha destes pneus. É possivelmente a minha única critica a este modelo. Os BT021 pecam pela fraca aderência em piso seco e molhado (autêntico desastre), a trajetória em curva tende a afastar-se daquilo que é pretendido e é completamente proibido acionar o travão dianteiro em curva com estes BT021 que fazem a mota simplesmente perder o seu rumo.

Não esperei para gastar estes pneus na sua totalidade e decidi investir nuns pneus sport touring, os BT023GT, considerados pelos especialistas como os melhores pneus sport touring na altura da sua saída para o mercado (já existe a evolução dos 023, os T30). Com a mudança de calçado na Bandida, esta ganhou nova dinâmica, novo poder de travagem, uma aptidão feroz para devorar estradas de montanha a ritmo desportivo. A ciclística saiu beneficiada e face aos 021, parece que a Bandida perdeu 50 kg. Os BT023 são caracterizados por um comportamento constante, instintivo e natural, conferindo-lhe previsibilidade em cada curva. Transformou a Bandida numa mota completamente nova, segura e muito divertida.

Os que experimentaram a GSX1250FA/Bandit 1250 com os pneus BT021 muito possivelmente saíram desiludidos.

Mesmo com os BT021 equipados na "FA", esta mota ganhou vários comparativos aquando da sua saída contra motas mais caras e supostamente melhores, mas a minha sugestão para quem tiver/comprar este modelo é livrar-se dos 021 e adquirir de imediato uns pneus recentes tais como os BT023GT, T30, AngelGT....investimento seguro!

O MOTOR
É impossivel ficar-se indiferente ao motor da 1250. Podemos verificar isso em qualquer review existente na internet.

Este motor foi construído para fazer face a todas as situações do dia-a-dia. Sozinho, carregado e/ou a dois, esta 1250 é pau para toda a obra. Funciona incrivelmente bem a baixas rotações, muito forte a médias rotações e supreende a altas rotações. Assim é o seu carácter. Chegar aos 250 km/h não é problema e até vai mais além. O 4L debita no alcatrão um binário "massivo". O seu pico é atingido logo a 3500 rpm e que se mantém mais ou menos constante até às 7000 rpm. Estamos a falar de 108 Nm (11.0 kgfm / 79.7 ft.lb), "algo" que as  desportivas "só" atingem um pouco antes de chegar ao red-line.  

É este binário que confere à Bandida um caráter de brutidão controlável. Faz ultrapassagens em menos de nada sem ser preciso realizar reduções, seja sozinho ou acompanhado e com carga. Não importa como, basta enrolar punho que a FA responde instantaneamente pelo que até se pode prever um "dançar" do pneu traseiro, mesmo abaixo das 3500 rpm, tal a sua força de aceleração que faz com que os seus 250 kg cheguem a ser anedóticos. A partir das 3500 rpm a Bandida começa a querer levantar a roda dianteira do chão, como se fosse levantar voo.

Como este motor não foi obra do acaso, circulamos a 4000 rpm a 120 km/h em 6ª mudança com todo o Binário pronto a ser descarregado para fazer face a qualquer eventualidade.

A 3ª mudança atinge 210 km/h ao regime de corte, capaz de deixar um sorriso na cara de qualquer amante da velocidade.

O 4L apresenta uma potência de 100 cv a 9500 rpm. Apesar disso, as suas prestações surpreendem. Os números oficiais falam por si e surpreendem quando vemos a FA a equiparar-se ou mesmo a superar ao nível de aceleração e retomas outras motas com maior potência na ficha técnica. O tetracilíndrico tem um comportamento exemplar ao nível de resposta mas consegue também manter uma grande suavidade de funcionamento. Eis os dados referentes à 1250FA "versão Stock" : Aceleração 0-100 = 3.4s 0-140 = 5,9s 0-200 = 13,7s Retomadas 60-100 = 3,9s 100-140 = 4,2s 140 - 180 = 5,6s

CICLÍSTICA
Os travões são de boa qualidade. A mordedura inicial não é referêncial mas cumprem muito bem, a solo ou a dois. O ABS não é intrusivo e é acionado apenas nos casos de extrema necessidade.

 As suspensões conferem bom conforto e boa leitura do alcatrão. A 250 km/h a 1250 vai a rolar com uma estabilidade surpreendente, mesmo com 3 malas e pendura.

 Nas curvas, a forquilha podia ser um pouco mais firme, mas não desilude mesmo a ritmos desportivos.

 Os descanso de pés são elevados q.b. o que faz a delicia de quem adora devorar as estradas "reviradas".

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Com um custo de aquisição de 10.000 euros é possível levar para "casa" uma máquina capaz de fazer tudo bem e sem problemas. Um motor "gigante" e indestrutível, capaz de fazer muitos milhares de quilômetros sem problemas ao nível de fiabilidade (a história assim o demonstra).

Na cidade desloca-se como se tratasse de uma "600" e apresenta consumos de uma "600": varia entre os 5 e os 6L/100km dependendo do ritmo.

Trata-se de uma mota muito capaz e confortável de fazer viagens. As malas ficam bem instaladas e a estabilidade é exemplar. Os consumos em viagem variam entre os 4L e os 5L/100km a velocidades legais e um pouco acima das "legais".

Rodando punho para um comportamento desportivo, a 1250 encontra-se pronta para descarregar todo o seu binário, curva após curva. Com instalação de escape de rendimento, afinação electronica e Gipro (entre outras soluções) e a FA consegue obter resultados de prestações melhores que os divulgados em "versão stock", levando-a a um outro patamar de diversão. Em "modo" desportivo, os consumos variam entre 5,5 e os 7,5L/100km.

Com um custo reduzido, vai até onde as suas concorrentes mais caras vão. Para muitos, muita mota por pouco preço. Até uma próxima! André Lino, "Born to Ride".

O teste (texto e fotos) da Suzuki GSX 1250 FA foi gentilmente cedido por seu autor André Lino, do blog Moto-Teste (www.moto-teste.blogspot.com), de Portugal.

FICHA TÉCNICA
Motor 4 tempos, refrigeração liquida, DOHC, 4 cilindros
Cilindrada 1255 cc
Diâmetro x curso 79 mm x 64 mm
Sistema de arranque Eléctrico
Transmissão 6 velocidades
Potência n.d.
Torque n.d.
Comprimento total 2130 mm
Largura total 790 mm
Altura total 1235 mm
Distância entre eixos 1485 mm
Distância ao solo 135 mm
Altura do banco 805 - 825 mm
Peso a seco 257 kg
Suspensão frente Telescópica hidráulica com mola helicoidal.
Suspensão trás Por alavancas, amortecedor hidráulico com mola helicoidal.
Travões (freios) frente/trás Duplo disco / Disco
Pneus frente 120/70 ZR17 M/C (58W), tubeless
Pneus trás 180/55 ZR17 M/C (73W), tubeless
Depósito de combustível 19 L 
 
Fotos: Blog Moto-Teste e Divulgação


Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Triumph acrescenta tecnologia à Tiger Sport

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras