moto.com.br

Publicidade:

Testes

Sundown Hunter 100: Urbana básica

03 de March de 2008
Compartilhe este conteúdo:
Aldo Tizzani

Barata e com um motor um pouco mais potente. Essa é a proposta da nova Sundown Hunter 100 para ampliar sua participação em um mercado no qual 80% dos modelos vendidos no Brasil têm até 150 cm³.

O seu maior atrativo é o preço sugerido: R$ 3.100,00, uma das motos mais baratas do mercado.

Para facilitar ainda mais a vida do novo motociclista, que quer fugir do ineficiente transporte público, o “modelito básico” da Sundown conta com câmbio rotativo de quatro marchas, painel com conta-giros e indicador de marcha, além de protetor de corrente. O design não é seu ponto forte, já que parece um modelo dos anos 70. Ou para os mais novos, estilo retrô. Porém, tem cara de moto.

O propulsor monociclíndrico da Hunter 100 é um OHC (comando simples no cabeçote) de quatro tempos, refrigerado a ar, tem 97,2 cm³ de capacidade cúbica — contra 86 cm³ da versão anterior — e com potência máxima de 7,07 cv a 8.000 rpm. Resumindo, o motor ganhou cerca de 1 cv de potência, já que sua antecessora gerava 6,2 cv.

O torque máximo também teve uma pequena melhora. Agora tem 0,66 kgf.m a 6.000 rpm, se comparado a 0,59 kgf.m a 5500 rpm da Hunter 90. Outra novidade é a adoção de um catalisador. Os números não impressionam, mas são suficientes para fazer a moto rodar com desenvoltura pelos corredores apertados dos grandes centros urbanos. O motorzinho tem melhor desempenho entre a faixa de rotação que vai de 6500 rpm até 8000 rpm.
 
Mas não vá esperando um rendimento de uma 125 ou 150, a Hunter 100 não é uma moto para o “trabalho escravo”, mas sim como um veículo de transporte, que levará o motociclista ao seu local de trabalho, faculdade e ao clube no final de semana.

Pendurado no chassi monobloco, o motor posicionado horizontalmente está equipado com câmbio rotativo de quatro marchas, com embreagem de acionamento manual, similar ao utilizado na Honda POP 100 (R$ 3.990,00) e Dafra Super 100 (R$ 3.290,00), suas principais concorrentes.

O ponto alto desta motinho é sua economia de combustível, já que o modelo faz mais de 30 Km/litro. Para maior conforto do piloto, a Hunter 100 traz partida elétrica como item de série. Detalhe: a moto só liga se a embreagem estiver acionada.

Ciclística

Neste quesito, nenhuma novidade para uma moto de receita mais que simples. O conjunto dianteiro é formado por garfo telescópico, com 105 mm de curso, e freio a tambor de 100 mm. Já a traseira, suspensão com dois amortecedores — com cinco posições de ajuste na pré-carga da mola — e também freio a tambor.

Vai aqui uma sugestão. Para melhorar o desempenho da frenagem, a adoção do disco dianteiro deveria ser obrigatório em todo veículo de duas rodas. Porém, uma simples regulagem nos cabos de freios e ajuste na pressão da mola pode deixar a Hunter 100 mais segura de se pilotar. Outro ponto forte nesta nova versão do modelo da Sundown são os pneus Pirelli City Demon, os mesmos que equipam a Honda CG 150.

Estilo

O design não é o ponto alto da Hunter 100. No melhor estilo retrô da década de 70, o modelo da Sundown tem pára-lamas de lata, piscas redondos com lentes brancas e lanterna traseira praticamente idêntica a da Honda CG 125, de 1976.
 
O banco não é um dos mais confortáveis e sua espuma deveria ter uma maior densidade. Porém, a moto traz uma prática “churrasqueira”, que serve para transportar pequenos objetos.

Os comandos são espartanos, mas cumprem muito bem seu papel. Destaque para o indicador de marcha no painel. De tão simples que é o projeto, as pedaleiras do garupa são fixadas na balança.

A urbana básica da Sundown — que pode ser adquirida em planos de 36 até 42 meses (financiamento), com parcelas a partir de R$ 95,00 — tem dois anos de garantia sem limite de quilometragem.

Ficha Técnica

Motor: OHC, 4 tempos, monocilíndrico arrefecido a ar
Cilindrada: 97,2 cm³
Potência máxima: 7,07 cv a 8.000 rpm
Torque máximo: 0,66 kgf.m a 6.000 rpm
Diâmetro x curso: 50 x 49,5 mm
Sistema de alimentação: Carburador
Taxa de compressão: 8.8:1
Sistema de partida: Elétrica e pedal
Câmbio: Rotativo de quatro velocidades
Transmissão final: Corrente
Chassi: Monobloco estampado
Suspensão dianteira: Garfo telescópico, com curso 105 mm
Suspensão traseira: Bichoque, com curso 65 mm e cinco posições de ajuste na pré-carga da mola
Freio dianteiro: Tambor 110 mm
Freio traseiro: Tambor 110 mm
Pneu dianteiro: 2.50 - 17 43P - Pirelli – City Demon
Pneu traseiro: 2,75 - 17 47P – Pirelli – City Demon
Comprimento total: 1.920 mm
Largura total: 840 mm
Altura total: 1.175 mm
Distância entre-eixos: 1.230 mm
Altura mínima do solo: 180 mm
Altura do assento: 770 mm
Peso seco: 85 kg
Capacidade máxima de carga: 150 kg
Tanque de combustível: 10 litros
Cores: Preto e Vermelho
Preço público sugerido: R$ 3.100,00

Fotos: Renato Duraes.


Fonte:
Agência Infomoto
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Dafra Cityclass 200i é descolado para a cidade

Teste: Honda CBR 650F, uma esportiva para todos

Teste: Duelo de esportivas médias CBR 600RR x Daytona 675

Teste: Yamaha MT-09 traz de volta o prazer de pilotar

Teste: Harley-Davidson LiveWire aposta no futuro

Teste Daytona 675: Nem sempre a mais barata deixa a desejar!

Teste: Triumph Tiger Sport uma viagem de adrenalina

Teste: Dafra Cityclass 200i é descolado para a cidade

Teste Honda CB 500F: Ela esta de volta para te surpreender

Teste: Honda CBR 650F, uma esportiva para todos

Primeiras impressões Honda NXR Bros 160: Por que não 200 cc?

Teste: Comparativo Flex Honda CB 300R x Yamaha Fazer 250

Teste: Primeiras impressões do scooter Honda PCX 150

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Últimos Anúncios

Montadoras