moto.com.br
Publicidade:

Testes

Primeiras impressões: BMW S 1000 XR é esportiva camuflada

10 de December de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Inicialmente apresentada como conceito no Salão de Milão de 2014, a crossover alemã BMW S 1000 RR foi mostrada ao público brasileiro recentemente, durante o Salão Duas Rodas deste ano, que aconteceu em outubro na cidade de São Paulo (SP).  De acordo com a marca, essa motocicleta, reflete em sua essência uma proposta esportiva e aventureira, compondo uma mistura única de tecnologia e segurança.

É importante ressaltar o caráter dinâmico para o turismo, com o desempenho desejado de uma moto esportiva, daí o que a BMW chama de Adventure Sports, mas oferecendo alto grau de conforto e até se apresentando como uma opção satisfatória para a condução urbana da aventureira S 1000 XR, que chega ao mercado brasileiro em versão única com Pacotes Full, importada, na segunda quinzena de dezembro, por R$ 71.900 à vista (PRÉ-VENDA).

Para a marca bávara, a nova S 1000 XR reflete bem o compromisso com o turismo e a esportividade, ao mesmo tempo em que oferece ao piloto uma prazerosa e generosa dose de emoção. Durante evento a convite do BMW Group Brasil realizado na pista do Haras Tuiuti, em Tuiti, cidade localizada no interior de São Paulo, a reportagem do MOTO.com.br teve a oportunidade de pilotar a novidade da marca alemã.



Enquanto aguardávamos a vez para testar a S 1000 XR na pista, a BMW, em parceria com a Sony, disponibilizou o jogo DriveClub para PlayStation 4, para acelerar no videogame antes da pista real. Além do jogo eletrônico, a marca alemã realizou um percurso básico OFF ROAD pelas redondezas do Haras Tuiuti com os modelos G 650 GS e F 800 GS, com terra batida e bastante cascalho, proporcionando boa diversão antes da cereja do bolo do evento.

A mais nova aventureira da BMW, assim como as “irmãs” da família S 1000, vem equipada com o potente e moderno motor quatro cilindros de 999 cm³, DOHC. Diferente da superesportiva S 1000 RR, que esbanja 199 cavalos e 11,5 kgfm , a S 1000 XR é um pouco mais mansa, com potência de 160 cavalos a 11.000 rpm e torque de 11,4 kgfm a 9.250 rpm.

Essa diminuição de potência não faz falta na pista. Durante o dia de testes, a BMW disponibilizou aos jornalistas as duas irmãs, a esportiva e a aventureira. Primeiro fomos para a pista com a S 1000 RR, que obviamente se mostra muito à vontade nas curvas do Haras Tuiuti. Então pudemos ter as primeiras impressões com a S 1000 XR. A diferença entre as duas é brutal, o que é um ponto muito positivo para a crossover bávara, que se parece uma esportiva nas acelerações, entradas e saídas de curva, mas com todo o conforto de uma moto de turismo.

A motocicleta se comporta muito bem na pista, com respostas rápidas, deixando o piloto sempre no controle da situação, ainda mais com a facilidade em trocar marchas, tanto subir como reduzir, sem a necessidade de acionar a embreagem. Seu desempenho é o de uma esportiva, muito ágil, mas bastante tranquila de dominar, não parecendo se tratar de uma moto grande, de 228 kg (já em ordem de marcha), contra os 204 kg da S 1000 RR, com cavalaria e torque bastante consideráveis. O motor de 999 cilindradas mostra bastante apetite nas acelerações, sendo correspondido pela eficiência da frenagem na hora de parar. 

Apesar de ser uma aventureira, a BMW S 1000 XR não foi feita para enfrentar trilhas e trechos com muito barro ou lama (para isso a marca já conta com os diversos modelos GS e GS Adventure), mas encara sem problemas um pouco de cascalho e terra batida. Ou seja, o habitat natural da crossover alemã é o asfalto, não deixando a desejar em nenhum aspecto, contornando bem curvas e entregando toda sua disposição nas retas. Um dos poucos pontos negativos fica por conta do freio a motor, que tanto no modo Rain como no Sport, não reduz significativamente a velocidade, apesar da redução de marcha.

Para melhorar ainda mais a situação, a S 1000 XR vem com um pacote de equipamentos disponíveis abrangente, incluindo modos de pilotagem (Rain e Road), controle de estabilidade Automatic Stability Control (ASC), Controle de tração Dynamic Traction Control (DTC) e sistema de freios ABS de última geração de série. Além disso, a BMW S 1000 XR conta com o sofisticado controle Dynamic ESA (Electronic Suspension Adjustment), que torna a pilotagem ainda mais segura e fácil. 

Texto: Alexandre Ciszewski
Fotos: Divulgação/BMW/Fábio Aro/Pablo Vaz

FICHA TÉCNICA
BMW S 1000 XR

Motor 
Tipo       4 cilindros em linha, 4 tempos, 16 válvulas com duplo comando, refrigeração mista (líquido e óleo)
Diâmetro / curso             80 mm x 49,7 mm
Cilindrada           999 ccm
Potência máxima            160 hp a 11.000 rpm
Torque máximo (Nm)/RPM       11,4 kgfm a 9.250 rpm
Taxa de compressão      12.0 : 1
Preparação do combustível / gestão do motor Injeção eletrônica
Catalisador         -

Desempenho / Consumo de Combustível        
Velocidade máxima       -
Consumo (90 km/h)      -
Consumo (120 km/h)    -
Combustível      Gasolina

Alternador / Autonomia            
Alternador / Autonomia              486 W
Bateria Selada, 12 V / 8 Ah

Transmissão     
Embreagem       Multidisco em banho de óleo, deslizante, operada mecanicamente
Câmbio                6 marchas
Transmissão      Corrente

Ciclística / freios              
Quadro                Tipo Diamond Frame em alumínio. Motor parcialmente integrado ao chassi
Suspensão dianteira      Garfo telescópico invertido
Suspensão traseira         Balança traseira em alumínio
Curso da suspensão dianteira / traseira               150 mm / 140 mm
Distância entre eixos     1,548 mm
Trail       117 mm
Ângulo da coluna de direção      64,5°
Rodas   Alumínio
Roda dianteira  3.50 x 17"
Roda traseira     6.00 x 17"
Pneu dianteiro 120/70 ZR 17
Pneu traseiro    190/55 ZR 17
Freio dianteiro  Disco duplo de 320 mm com pinças flutuantes de 2 pistões / BMW Motorrad ABS
Freio traseiro    Disco de 265 mm com pinça flutuante de 2 pistões / BMW Motorrad ABS
ABS        BMW Motorrad ABS

Dimensões / pesos       
Comprimento (mm)      2.183 mm
Largura (mm)    940 mm
Altura (mm)       1408 mm
Altura do banco (mm)   840 mm
Curvatura das Pernas    1.894 mm
Peso em ordem de marcha 1)   228 kg
Peso seca 2)      -
Peso total permitido      434 kg
Carga útil (com equipamento de série) 206 kg
Capacidade do tanque de combustível 20 litros
Reserva               Aprox. 4 litros

Os dados técnicos referem-se ao peso sem carga (DIN)
1) De acordo com as normas 93/93/EWG com todos os meios de funcionamento e o depósito cheio com, pelo menos, 90% da sua capacidade útil.
2) Peso sem carga e a seco

 



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Triumph acrescenta tecnologia à Tiger Sport

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras