moto.com.br
Publicidade:

Testes

Na lata! Avaliamos a Traxx Fly 250

08 de July de 2015
Compartilhe este conteúdo:

Estreamos no mês passado um novo formato de teste de motocicletas: o teste “Na lata!”. Mais direto, esse estilo tem sido muito requisitado pelos leitores do MOTO.com.br, então fiquem a vontade para criticar – de forma positiva ou negativa –, afinal buscamos sempre trazer um diferencial para você. Continuaremos com o outro formato de testes, com mais dissertação e história, mas sempre que o título for “Na Lata!” você já sabe que o teste será direto, sem rodeios, uma avaliação dos itens que mais interessam em cada modelo testado.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

André Jordão

Quem acompanha o mercado de duas rodas de perto já sabe que a Traxx vive um novo momento em 2015. Depois de chegar ao Brasil em 2000 e inaugurar sua fábrica de Manaus (AM) em 2007, chegou a hora da marca de origem chinesa expandir seus horizontes. Para tanto, a Traxx escolheu quatro novos modelos para “abocanhar” mais participação no mercado brasileiro: Fly 150 e 250, TSS 150 e 250. Além de prometer mais revendas no Sul e Sudeste do Brasil, seu principal foco nesta fase.

No entanto, fica a pergunta: esses novos modelos são capazes de encarar os líderes de mercado e projetar a Traxx a um novo patamar? Em busca de uma resposta concreta rodamos mais de 400 quilômetros com a Fly 250 na cidade de São Paulo em dez dias, colocando a prova a nova trail da Traxx em seu habitat natural.

Motor – Fraco para uma moto de 250 cc, mas atende a proposta e não vibra

O motor que equipa a Fly 250 produz 16 cv a 7.000 rpm, um número baixo para a capacidade cúbica do motor e que o deixa no mesmo patamar das motos de 150/160cc das concorrentes –seu torque máximo de 1,7 kgf.m chega a 6.000 giros. No entanto, atende a proposta da moto e não vibra. Dentro da cidade o piloto consegue, sem problemas, realizar ultrapassagens e não fica “na mão” em nenhuma subida. Quando entra na estrada, porém, fica difícil passar os 120 km/h no painel de instrumentos. A sexta faixa no câmbio força o piloto a cambiar mais na cidade, deixando a primeira quase que inutilizável, todavia ajuda quando a intenção é rodar nas rodovias. Mesmo com constantes trocas de marcha na cidade, a Fly 250 registrou média de consumo de 28 km/l – o tanque suporta dez litros.

Ciclística – Com certeza o ponto alto dessa moto

A ciclística da Fly 250 é com certeza o ponto forte deste modelo. A Traxx equipou sua trail com suspensão invertida na dianteira, algo muito utilizado nas motos de alto desempenho. Robusto e eficiente, o conjunto dianteiro conta com bengalas douradas com 160 mm de curso que fizeram a Fly (me perdoem o trocadilho) voar nas esburacadas ruas de São Paulo. Quem vive nos grandes centros hoje sabe o quanto é necessário um conjunto de suspensões eficiente e a Traxx, nesse quesito, tirou nota dez com a Fly 250. A traseira monoamortecida tem ajuste na pré-carga da mola e também atende muito bem a proposta de modelo, dando a impressão de suportar um conjunto de maior capacidade.

Os freios também vão bem: diâmetro de 240 mm e pinça de dois pistões, na frente, e de 220 mm com pinça de um pistão, na traseira. Vale dizer que o freio dianteiro da unidade testada se mostrou “borrachudo”, já o acionamento do freio traseiro foi melhor. Em resumo, não tive nenhum problema para frear os 131 kg a seco da Fly 250.

Diferenciais – Posicionam a Fly 250 em um patamar mais exclusivo

A Traxx fez questão de equipar seus novos modelos com alguns diferenciais perante a concorrência, um mimo para tentar desbancar as líderes do segmento. Na Fly 250, além da suspensão invertida, a marca adotou lanterna e piscas de LED, lampejador do farol alto e painel de instrumentos (análogo e digital), com iluminação azul, além do marcador de combustível e do útil indicador de marcha. Pode parecer besteira, mas o lampejador é muito funcional no trânsito carregado e o indicador de marcha é bastante útil para os pilotos menos experientes! Já as luzes em LED indicam a intenção da Traxx: entregar um conjunto mais exclusivo ao motociclista que gostaria de algo além de apenas rodar com a moto no dia a dia.

Os piscas integrados à carenagem do tanque de combustível, os protetores da bengala dianteira e o paralama dianteiro destacam a Fly na multidão e atraem olhares na rua. Todavia, o painel de instrumentos (ultrapassado) e o acabamento dos punhos não estão em harmonia com o conjunto da moto.

Custo/Benefício – Entrega um conjunto de 250 cc por preço de 150 cc

A principal questão na cabeça do motociclista é: será que a Fly 250 aguenta o “tranco”? Respondendo a essa e a outra questão inicial, acredito que sim! Nos dez dias que fiquei com a Fly 250 levei a moto ao limite, em diversas situações diferentes, e ela não decepcionou. Também acho que a Traxx atinge um novo patamar com esses lançamentos. A relação custo/benefício é interessante, pois o motociclista compra uma moto de 250 cc moderna ao preço de um modelo de 150 cc.

É verdade que a potência/torque se assemelha aos modelos de menor capacidade, não há muitas revendas ainda no Sul e Sudeste do País e isso pode ser um entrave ao interessado. No entanto, se a Traxx cumprir sua promessa e multiplicar suas revendas e seu pós venda no Brasil, a Fly 250 – assim como os outros lançamentos da marca – tem tudo para começar a ganhar as ruas do País.

FICHA TÉCNICA
Traxx Fly 250
Motor: Um cilindro, OHC, quatro tempos e arrefecimento misto com radiador de óleo
Capacidade cúbica: 223 cm³
Potência máxima: 16 cv a 7.000 rpm
Torque máximo: 1,7 kgfm a 6.000 rpm
Câmbio: Seis marchas
Transmissão final: corrente
Alimentação: Injeção eletrônica
Partida: Elétrica
Suspensão dianteira: Garfo invertido e 160 mm de curso
Suspensão traseira: Monoamortecedor fixado diretamente à balança
Freio dianteiro: Disco simples de 240 mm e pinça de dois pistões
Freio traseiro: Disco simples de 220 mm e pinça de pistão simples
Pneus: 90/90 R19 (dianteira) / 110/90 - 17 (traseira)
Comprimento: 2050 mm
Largura: 830 mm
Altura: 1120 mm
Altura do assento: 800 mm
Distância entre-eixos: 1365 mm
Distância do solo: 255 mm
Peso seco: 131 kg
Tanque de combustível: 10 litros
Cores: Vermelha e Preta
Preço sugerido: R$ 8.990


Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Longa Duração: Honda Pop 110i supera os 1.000 km rodados

Teste: CG 125i Fan, R$ 6.790, é motocicleta mais barata da Honda

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras