moto.com.br
Publicidade:

Testes

Honda CB 1000R: Uma verdadeira Streetfighter

23 de January de 2013
Compartilhe este conteúdo:

Leandro Lodo

Lançada no fim de 2011, no último Salão das Duas Rodas, a Honda CB 1000R foi um dos modelos mais comentados e esperados pelos motociclistas. O principal motivo de tanto “burburinho” foi o seu design agressivo sem carenagens. A balança traseira monobraço, semelhante à de alguns modelos italianos, deixou seu visual ainda mais atraente e em conjunto com seu potente motor de 1000cc, fazem dessa naked uma verdadeira Streetfighter.

Seu preço público sugerido de R$ 43.490 (versão C-ABS) só perde para a recém chegada Speed Triple (R$ 42.900), da marca inglesa Triumph. Na sequência vem à japonesa Kawasaki Z1000 (R$ 46.990) e por último, a mais cara da lista, a italiana MV Agusta Brutale RR com o preço de R$ 60.000. Mas, será que com uma diferença de até R$ 20.000 a Honda CB 1000R se mantém na concorrência? Confira o teste do MOTO.com.br e saiba se essa naked está no páreo das nakeds de 1000cc.

Agressiva

Projetada para ser uma verdadeira Streetfighter, seu design é seu cartão de visita, uma mistura de linhas agressivas com um visual moderno. Com a lanterna traseira e o circulo abaixo do farol em LED, a CB 1000R é facilmente reconhecida, seja indo ou vindo.

Mas, não é apenas o seu visual que faz dela uma big naked. Sua aparência despida de carenagens revela o que impulsiona a roda traseira desse “canhão”, um motor de 4 cilindros em linha de exatos 998,3 cm3 e 125,1 cv de potência máxima a 10.000 rpm. Seu torque máximo de 10.1 kgf.m a 7.750 rpm não é dos mais altos, mas garante uma resposta imediata ao menor toque no acelerador.

Seu painel dividido em três com um grande conta-giros ao centro possui todas as informações necessárias para uma pilotagem segura: velocidade, relógio, nível de combustível, temperatura de entrada do ar no motor, luzes espias, odômetro total e parciais. Porém, algumas informações como consumo médio e instantâneo, encontrados até mesmo na CB 600 F Hornet, não estão disponíveis na CB 1000R.

Ciclística

Não importa ter um “motorzão” se não é possível dominar a máquina. Mas, a Honda CB 1000R conseguiu reunir a ciclística perfeita da sua irmã mais nova, a CB 600F Hornet, com um motor ainda mais potente. Mesmo pilotando pela primeira vez, a CB 1000R nos passa a sensação de termos a moto há anos.

O conjunto de suspensão dessa naked é formado por um garfo telescópico invertido na dianteira com 120 mm de curso e 109 mm de diâmetro, com regulagens. Enquanto, a suspensão traseira é monoamortecida e possui 128 mm de curso e 10 regulagens na pré-carga da mola. Ambas, mantém a moto extremamente estável, porém como o curso é relativamente pequeno, combinam bem com o asfalto mais liso das grandes rodovias.

Com a opção do C-ABS, seu conjunto de freios é composto por discos duplos flutuantes com 310 mm de diâmetro com pinça de 3 pistões na dianteira e disco simples com 256 mm de diâmetro com pinça de duplo pistão na traseira, o que faz jus com a potência e o porte dessa máquina de aproximadamente 200kg.

Um grande ponto positivo para a CB 1000R é seu espaçoso banco duplo. A maioria das nakeds de 1000cc possuem um banco confortável apenas para o piloto, o banco do garupa vira quase um monoposto. Porém, nessa naked, o garupa viaja com tranquilidade sem nada “quadrado”.

Desfecho

Até pouco tempo atrás, o segmento das nakeds de 1000cc estava com um ou outro modelo reinando sozinho. Porém, a chegada da CB 1000R acelerou a concorrência que teve “rebolar” para deixar seus preços mais competitivos, já que até então a Honda CB 1000R era a mais barata do mercado. Mas, tanta diferença no preço trazia algumas desconfianças.

Passado mais de um ano, essa streetfighter revelou todo seu potencial para estar nessa disputa. Seu incrível design atrai muitos olhares e sua ciclística perfeita impressiona, mas seu motor não é o mais potente da categoria, embora tenha o “nohall” de uma grande marca. Porém, com esse ótimo conjunto e com o preço público sugerido de R$ 39.990 (versão Standard), a Honda CB 1000R se revela uma opção perfeita para quem deseja uma naked de 1000cc.

Jornalista veste: Macacão Alpinestars Motegi 2 peças, Botas Alpinestars S-MX 5, Luvas Alpinestars SP-8, Protetor Alpinestars Bionic Back Protector, segunda pele Curtlo e capacete LS2 FF 309 Carbon

Ficha Técnica

Honda CB 1000R C-ABS
Motor Quatro cilindros em linha, 998,3 cm³, 16 válvulas, DOHC, arrefecimento líquido
Potência máxima 125,1 cv a 10.000 rpm
Torque máximo 10,1 kgf.m a 7.750 rpm
Diâmetro x curso 75,0 x 56,5 mm
Alimentação Injeção Eletrônica de combustível
Taxa de compressão 11,2 : 1
Sistema de partida Elétrica
Capacidade do tanque 17 litros
Câmbio 6 velocidades
Transmissão final Corrente
Quadro Do tipo diamante em alumínio
Suspensão dianteira Garfo telescópico invertido, com 120 mm de curso e 109 mm de diâmetro, com regulagens
Suspensão traseira Monoamortecida, 128 mm de curso e 10 regulagens na pré-carga da mola
Freio dianteiro Discos duplos flutuantes com 310 mm de diâmetro e pinça de 3 pistões
Freio traseiro Disco simples com 256 mm de diâmetro e pinça de duplo pistão
Dimensões (C x L x A) 2.105 x 805 x 1.095 mm
Pneu dianteiro 120/70 – ZR17 M/C (58W)
Pneu traseiro 180/55 – ZR17 M/C (73W)
Altura do assento 825 mm
Altura mínima do solo 130 mm
Entre-eixos 1.445 mm
Peso seco 208 kg (versão C-ABS)
Cores Verde metálica e Preta
Preço sugerido R$ 43.490 (versão C-ABS) – base estado de São Paulo, sem frete e seguro

Fotos: Paulo Souza



Fonte:
Equipe MOTO.com.br
Compartilhe este conteúdo:

Teste: BMW F 700 GS é uma máquina surpreendente

Teste: Nova Honda CB 650F impressiona de modo racional

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Primeiras Impressões: Novas Vespa Primavera 125 e 150

Teste: Fazer 150 UBS ganha freios combinados para ficar na lei

Teste: Nova Honda Africa Twin aposta em motor torcudo e chassi leve

Teste: Nova Kawasaki Versys 650 ganha fôlego extra para viajar

Teste: Com injeção e motor flex, nova Factor é 125 completa

Teste: Pega de Honda Bros 160 e Yamaha Crosser

Teste da Falcon NX4 por um usuário

Yamaha Drag Star 650: Na medida certa

Teste: Nova Africa Twin é bigtrail para ir a todo lado


Comente

Para comentar é necessário autenticar, clique aqui!


Busca Rápida

Busca avançada

Comprar ou vender

Cadastre-se | Anuncie agora!

Anúncios em Super Destaque

Montadoras